7.188055555555621.093611111111Map mag.png

África

Fonte: Wikivoyage
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A África é o berço da raça humana. O segundo maior continente do mundo em área e população, oferece ao visitante uma mistura única de maravilhas naturais, locais pré-históricos, numerosos e muitas vezes extensos vestígios de várias das maiores civilizações antigas do mundo, culturas vibrantes, vilas remotas e cidades modernas. A África tem linhas costeiras no Oceano Índico a sudeste, o Oceano Atlântico a oeste, o Mar Vermelho a nordeste e o Mar Mediterrâneo ao norte. Este enorme continente tem mais de 8.000 km (5.000 milhas) de norte a sul e 7.500 km (4.800 milhas) de leste-oeste com algumas ilhas ainda mais distantes e contém muitos povos, religiões e culturas muito diferentes. A África tem mais de 50 países soberanos.

O rio Nilo da África é considerado por alguns como o rio mais longo do mundo (outros geógrafos argumentam que o Amazonas é mais longo); o Nilo corre 6.650 km (mais de 4.100 milhas) do Burundi ao Egito. O rio Congo na República Democrática do Congo é o segundo maior em termos de descarga e o mais profundo, com uma profundidade de mais de 230 metros (750 pés) em alguns pontos. Embora a primeira atividade que a maioria das pessoas associa à África seja safáris, as possibilidades de aventura são infinitas. Por exemplo, você pode comprar artesanato em mercados, aventurar-se no Saara, visitar aldeias tradicionais, caminhar pela selva para observar gorilas, escalar montanhas, mergulhar nos inúmeros parques marinhos enquanto alimenta peixes, relaxe nas ilhas dos oceanos Índico e Atlântico, coma iguarias exóticas, reme rio abaixo ou viaje pela savana em uma ferrovia da era colonial.

A diversidade cultural da África não pode ser exagerada — a maioria dos países é internamente diversa e há enormes diferenças entre os países no norte com suas culturas de influência árabe e as nações subsaarianas, incluindo a nação do sul, que tem forte influência europeia, além de outras tradições africanas. É também o continente com a maior diversidade genética entre a população, de longe. Apesar que a falta de cobertura da mídia pode ter levado você a acreditar, a África não é um país, mas mais de 50 países, o que torna impossível fazer generalizações sobre "toda a África". Além disso, em parte devido à natureza das fronteiras coloniais, a África tem 11 línguas oficiais e a cultura, culinária ou mesmo a religião dominante podem mudar drasticamente dentro de algumas centenas de quilômetros sem nunca cruzar uma fronteira.

Apesar do rápido crescimento das economias em muitos lugares, ainda existem muitos locais de pobreza. Embora a pobreza, a corrupção e a violência étnica e religiosa existam em algumas partes do continente, grandes partes da África fizeram um progresso impressionante, com muitas cidades que têm uma classe média em crescimento e lidam com problemas como engarrafamentos ou transporte público lotado, em vez de guerra ou a fome que você deve ter ouvido falar em algum documentário da década de 1980 ou em um comercial de ajuda ao desenvolvimento.

Regiões e países[editar]

África OrientalÁfrica AustralÁfrica OrientalÁfrica CentralÁfrica OcidentalSaaraNorte da ÁfricaMap of Africa.svg
Norte da África (Argélia, Egipto, Líbia, Marrocos, Tunísia, Saara Ocidental)
nações árabes e berberes que circundam a costa sul do Mar Mediterrâneo e a costa noroeste do Atlântico com muitos sítios antigos, fazendo parte de várias civilizações incluindo o Antiga Egito, os gregos, o império púnico e o império romano.
Saara (Chade, Mali, Mauritânia, Níger, Sudão)
nações do deserto e savana que abrangem o Sahel e a metade sul do Deserto do Saara. Existem muitos locais antigos de pirâmides a mesquitas, bem como um modo de vida nômade em algumas regiões.
África Ocidental (Benin, Burkina Fasso, Camarões, Cabo Verde, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Libéria, Nigéria, Senegal, Serra Leoa, Togo)
nações costeiras tropicais do Atlântico. A maioria desses países tem um sul cristão que foi mais diretamente afetado pela colonização europeia e um norte muçulmano que foi mais influenciado pelos árabes colonizadores. Uma área rapidamente movimentada e em desenvolvimento.
África Central (Angola, República Centro-Africana, Congo, República Democrática do Congo, Guiné Equatorial, Gabão, São Tomé e Príncipe)
o coração da África, com altas montanhas no leste e a segunda maior selva do mundo — a floresta tropical do Congo.
África Oriental (Burundi, Comores, Djibuti, Eritreia, Etiópia, Quênia, Madagáscar, Maláui, Maurício, Ruanda, Seicheles, Somália, Tanzânia, Uganda)
região que foi a fonte da maioria dos primeiros hominídeos, compreendendo nações de fronteira com Mar Vermelho e o Oceano Índico, além de algumas nações vizinhas sem litoral. Conhecida por alguns de seus mosteiros, fontes naturais, vida selvagem e bazares.
África Austral (Botsuana, Essuatíni, Lesoto, Moçambique, Namíbia, África do Sul, Zâmbia, Zimbábue)
provavelmente o berço do moderno Homo sapiens, bem como a parte da África Subsaariana onde a influência europeia é mais visível hoje. Famoso por uma incrível diversidade de plantas, assim como pelo Deserto do Namibe, um dos lugares mais secos da Terra além do Atacama ou da Antártica.


A maioria das pessoas fora do continente divide a África em duas regiões: a África do Norte, de língua árabe, e em todos os outros lugares como a África Subsaariana. No entanto, a África é um continente muito diverso e esta divisão representa um entendimento um tanto superficial.

Cidades[editar]

Joanesburgo
  • 1 Adis Abeba — a capital da Etiópia é uma das "cidades globais" da África como sede da União Africana e de muitas organizações não governamentais. O investimento chinês construiu a sede da UA e uma nova linha de metrô ligeiro.
  • 2 Cairo — agitada capital do Egito é a cidade mais populosa do Norte da África e uma porta de entrada para o patrimônio do Antigo Egito.
  • 3 Cidade do Cabo — a Cidade Mãe da África do Sul, o Cabo da Boa Esperança e várias outras atrações.
  • 4 Dakar — a capital do Senegal e a cidade mais ocidental da África.
  • 5 Joanesburgo — maior cidade da África do Sul e talvez o principal centro financeiro e econômico do continente.
  • 6 Luanda — capital e maior cidade de Angola, que passou por um grande renascimento na última década.
  • 7 Marrakech — uma mistura do antigo e moderno em Marrocos.
  • 8 Nairobi — a capital do Quênia, a maior cidade da África Oriental e Central e lar da única sede da agência da ONU fora da Europa e dos Estados Unidos.

Entenda[editar]

Berço da humanidade[editar]

Os primeiros precursores dos seres humanos, mais notavelmente o Australopithecus afarensis vivia e caminhava sob dois pés há 3 milhões de anos. Restos de espécies posteriores, como Homo habilis e Homo erectus (o primeiro hominídeo a deixar a África, pelo que sabemos) foram encontrados em partes da África Oriental, como Quênia e Tanzânia. Homo sapiens (humanos modernos), provavelmente se originou na África do Sul ou na África Oriental em algum lugar no que hoje é a Etiópia ou o Quênia. O Homo sapiens mais antigo até hoje tem cerca de 195.000 anos e foi encontrado na Etiópia, mas também há indícios de que o Homo sapiens pode ter estado presente anteriormente na África Austral. Alguns dos restos mortais dos primeiros hominídeos, bem como suas ferramentas, estão em exibição em vários museus na Etiópia, Namíbia e outros países. O Berço da Humanidade é um local na África do Sul com muitos fósseis humanos primitivos.

O norte da África tem uma história registrada que remonta a cerca de 3300 a.C., com vários edifícios, ruínas, escritos, artes e ofícios que deixaram vestígios para nos maravilharmos. A antiga civilização faraônica com base no Egito foi a mais duradoura e uma das mais impressionantes civilizações antigas. O Egito foi uma das primeiras culturas a construir edifícios monumentais, formar um estado hierárquico e travar uma guerra em grande escala com exércitos permanentes, e foi um dos impérios mais estáveis ​​da história registrada, frequentemente sobrevivendo a invasores estrangeiros, imigrantes e usurpadores e transformando-os (culturalmente) egípcio.

Ao sul da civilização faraônica estava a cultura núbia, que teve uma longa história de influência mútua com seus vizinhos do norte e chegou a governar o Egito por um curto período de tempo. Seus vestígios mais famosos são as pirâmides de Meroe, no Sudão. Outro centro inicial da civilização estabelecida e mais tarde um centro inicial do cristianismo fora do Império Romano foi a Etiópia, onde o Império Aksumita reinou entre o século IV a.C. e o século XII d.C. e serviu como um importante parceiro comercial das potências indianas e mediterrâneas.

Hoje, o legado das antigas civilizações africanas continua vivo; muitos de seus monumentos, templos e cidades estão bem preservados e se tornaram atrações turísticas populares, e os museus hospedam seus artefatos. No entanto, fora do norte da África, Sudão e Etiópia, muito pouco se sabe sobre a história africana antes de 1000 d.C., já que muitas pessoas eram caçadores, sem sistemas de escrita ou estruturas duradouras, artes ou ofícios, além de alguns pinturas em cavernas.

Alguns não-africanos costumam pensar na África Subsaariana como composta apenas por caçadores. No entanto, essa visão frequentemente têm suas raízes em teorias pseudocientíficas racistas usadas pelos europeus para justificar a escravidão e, mais tarde, o colonialismo do século XVI ao início do século XX. Embora as sociedades de caçadores fossem de fato difundidas em grande parte do continente, muitas partes da África Subsaariana eram, na verdade, o lar de grandes cidades e civilizações que datavam da era medieval.

Exploração europeia[editar]

Talvez o preconceito mais pernicioso sobre a África seja que ela é "pobre". Mas um pouco de raciocínio lógico mostra o quão equivocada é essa suposição. Por que inúmeros europeus, árabes e outros teriam vindo aqui, enfrentando doenças tropicais e habitantes locais hostis se a África fosse pobre? Não, foi e é precisamente a riqueza da África — em ouro, em especiarias, em recursos minerais, em petróleo e também no trabalho de seu povo — que a tornou e a torna atraente para os colonizadores. O fato da riqueza ter sido posteriormente desviada para os bolsos de pequenas elites e colonizadores pode fazer com que muitos africanos sejam pobres, mas não torna a África pobre.

Enquanto alguns exploradores genoveses, castelhanos e franceses conseguiram alcançar partes da África Ocidental na Idade Média, a exploração europeia do continente começou a sério quando o Príncipe Henrique ("o Navegador") decidiu adquirir território africano para Portugal em meados do século XV. Os portugueses chegaram a Cabo Verde em 1445 e, em 1480, traçaram o curso e começaram o comércio com toda a costa da Guiné (atual Guiné-Bissau para a Nigéria). Em 1482, Diogo Cão chega à foz do Rio Congo, em 1488 Bartolomeu Dias chega ao Cabo da Boa Esperança, e em 1498 Vasco da Gama subiu a costa oriental, onde no Quénia a sua expedição montou entreposto comercial antes de encontrar um guia para levá-los à Índia.

Esta viagem estabeleceu a Rota do Cabo em torno da África. Os portugueses estabeleceram vários fortes ao longo da costa africana e estabeleceram um comércio altamente lucrativo. Inicialmente, eles mantiveram boas relações com os habitantes locais e permaneceram como a potência europeia dominante na região costeira da África até o século XVII, enquanto a Espanha, a França e a Grã-Bretanha começaram a explorar as Américas.

O lucrativo comércio e as grandes quantidades de ouro obtidas pelos portugueses atraíram outras nações para o continente. Conforme a demanda por mão de obra nas Américas crescia, os marinheiros portugueses começaram a transportar escravos para as Américas, dando início ao comércio de escravos no Atlântico. No início do século XVII, os holandeses lutaram contra os portugueses para obter o controle da maioria dos seus portos na África Ocidental e Central. Em 1642, os franceses construíram seu primeiro forte em Madagascar (que reivindicaram em 1667) e em 1663, os britânicos construíram seu primeiro forte na Gâmbia. Comerciantes suecos estabeleceram um forte na Costa do Cabo, que mais tarde foi dominado pelos dinamarqueses.

Datas de independência em toda a África.

A descolonização da África começou com a independência da Líbia da Itália em 1951. As potências coloniais empregaram vários meios de controle sob suas colônias, como a representação dos nativos no governo. Em alguns países, os movimentos nacionalistas foram reprimidos e seus líderes foram mortos ou presos, enquanto outros conseguiram alcançar a independência pacificamente. Na década de 1950, Guiné, Gana e nações do norte da África conquistaram a independência de forma não violenta. Na Argélia, a França lutou violentamente contra os movimentos de independência até 1963. Com o estabelecimento e a nova constituição da Quinta República da França em 1958, suas colônias conquistaram a independência em 1960. Em 1970, quase todas as nações africanas eram independentes. Os portugueses lutaram amargamente para manter suas possessões africanas até 1975; todos, exceto uma, ganharam independência por meio da guerra. O Zimbábue foi a última grande colônia a conquistar a independência de um soberano não-africano, em 1980. A África do Sul permaneceu sob firme controle de sua minoria branca, oprimindo sua população negra sob um sistema chamado apartheid até 1994. Após anos de guerra civil, o Sudão do Sul tornou-se independente após um referendo realizado em 2011.

Clima[editar]

Como o segundo maior continente, há uma grande variedade de climas a serem encontrados. No entanto, como o continente está quase centrado no equador, grande parte do continente é bastante quente/temperado com muito poucas áreas que podem ser consideradas "frias". Nas regiões temperadas (partes do norte de Marrocos e da costa do Mediterrâneo, bem como a África do Sul), as temperaturas geralmente variam de 10°C a 30°C durante todo o ano. Mais perto do equador e em ilhas como Cabo Verde ou Maurício, as temperaturas podem variar em média 20 graus Celsius (15-35° C ou 60-95° F) ao longo do ano. Nos desertos e regiões áridas, as temperaturas rotineiramente chegam a 40° C ou mais (e até 50° C ou mais no coração do Saara), mas como a areia não retém calor como o solo úmido, esses mesmos lugares podem facilmente cair para 15° C à noite. Elevações mais altas são bastante frias e com neve durante o inverno e o Monte Kilimanjaro, quase no equador, é frio o ano todo (frio o suficiente para suportar geleiras!). Picos más Ilhas Canárias, Camarões e outros países são frios o suficiente para exigir um casaco a maior parte do ano.

Um fator muito mais importante a considerar ao viajar para a África é quando a estação de chuva/monções ocorre. O tempo varia um pouco, portanto verifique a página do país que você está visitando para obter mais informações. Na África Ocidental, a temporada começa em março nos Camarões, mas não antes de junho no Senegal e termina em setembro. Embora a chuva possa não ser um grande fator ao viajar para o sul ou leste da África, é muito problemática na África Ocidental e nas ilhas do Oceano Índico. Na África Ocidental, as chuvas costumam inundar e tornar muitas estradas e ferrovias intransitáveis ​​e, devido à má drenagem, podem literalmente resultar em rios fluindo pelas ruas. No Sahel, pode resultar em inundações repentinas. Na verdade, diz-se que o afogamento é a causa mais comum de morte no deserto, pois as enchentes podem surpreender as pessoas.

Os maiores perigos relacionados ao clima para os viajantes à África, além das inundações, são os relâmpagos e os ciclones tropicais. A República Democrática do Congo tem mais relâmpagos a cada ano do que qualquer outro país, especialmente na parte oriental do país. Os ciclones tropicais afetam as ilhas do Oceano Índico, com a temporada indo de 15 de novembro a 30 de abril (15 de maio nas Seychelles e Maurício). Os ciclones tropicais geralmente se formam na costa da África Ocidental (Guiné/Senegal) durante a primeira parte da temporada de furacões no Atlântico (junho a agosto) e raramente afetam Cabo Verde.

Política[editar]

Após o rompimento complicado da África de suas potências coloniais europeias, muitos países africanos ficaram atolados em lutas pelo poder político e na guerra civil. Desde a década de 1980, no entanto, as nações deste continente se aproximaram e muitos conflitos no continente viram países vizinhos intervirem positivamente ao invés de intervenção/invasão por potências europeias e ocidentais. A maioria dos países africanos são democracias em desenvolvimento — lutando contra a corrupção, mas avançando em direção aos valores democráticos, como eleições livres e justas, liberdade de expressão e envolvimento no governo de vários estratos da sociedade.

No entanto, existem alguns países que ainda mantêm governos autoritários, ditaduras e cleptocracias. Antes dos acordos de paz que acabaram com a guerra civil em cada um, Angola e Moçambique eram Estados de partido único comunistas. A Guiné Equatorial e a Eritreia continuam entre os países mais autoritários do planeta, com forte repressão da oposição.

Hoje, mais do que em qualquer momento na história do continente, as nações do continente estão cooperando em questões importantes e cada vez mais contando consigo mesmas para interromper o conflito e negociar a paz, em vez de permitir que a ONU e as potências ocidentais o façam. A União Africana (UA) é a resposta do continente às Nações Unidas e promove a unidade e a resolução de conflitos. Estabelecida em 2002, a UA tem conseguido algumas realizações na promoção dos direitos humanos, desenvolvimento, integração económica, harmonização das regras comerciais, aduaneiras e de imigração. No entanto, ainda há muito trabalho a ser feito e a corrupção continua galopante, vários países sofrem conflitos políticos/étnicos e as medidas de qualidade em desenvolvimento, educação, saúde e direitos humanos permanecem baixas.

Religião[editar]

Religião e espiritualidade são importantes em toda a África. As religiões mais prolíficas são o Cristianismo e o Islã, com um número considerável de africanos não religiosos/ateus e adeptos de religiões tradicionais. As porcentagens exatas de adeptos religiosos variam amplamente entre as fontes respeitadas, com cerca de 40-45% cristãos, 40-50% muçulmanos, 10-15% crenças locais e 5-10% não religiosos.

O cristianismo está espalhado por uma grande região, abrangendo quase todo o sul, centro e leste da África, e tem uma longa história na África. O Egito está intimamente associado à história da Igreja Cristã primitiva. A Etiópia foi uma das primeiras nações a adotar o Cristianismo como religião oficial (em 330). A maioria dos Cristãos são Protestantes ou Católicos Romanos e misturam isso com crenças locais, exceto para as populações Ortodoxas do Egito, Etiópia e Eritreia. Os missionários cristãos e o desejo de "civilizar" os africanos por meio da conversão foi o principal impulso da colonização europeia.

O Islã é a maior religião do continente em número de adeptos (de acordo com a maioria das fontes). Todos os países do norte da África são predominantemente muçulmanos, com apenas o Egito tendo uma considerável minoria cristã, mas a irreligião está crescendo, especialmente entre os jovens urbanos. Quase toda a África Ocidental também é majoritariamente muçulmana, exceto Cabo Verde, Libéria, Gana, Benin e Togo. O Islã foi trazido para o continente pela primeira vez nos séculos após seu nascimento, espalhando-se pelo norte da África e mais tarde sendo espalhado pela costa do Oceano Índico por mercadores e marinheiros até as costas do Quênia, Tanzânia e Comores.

Uma tentativa foi feita para promover formas mais conservadoras do Islã desde a década de 1990, por meio de ONGs muçulmanas e da assistência da Arábia Saudita, embora isso coincida com o medo da radicalização e o surgimento da Al Qaeda e de outros grupos islâmicos. Em certas regiões muçulmanas exige-se o cumprimento da lei religiosa, como a proibição do consumo de álcool e a cobertura total do corpo das mulheres.

As religiões tradicionais africanas são praticadas por muitos africanos exclusivamente ou junto ao cristianismo ou islamismo. Entre os elementos comuns, mas certamente não universais, das religiões africanas estão:

  1. Reconhecimento de um deus ou deuses duais e respeito pelos elementos naturais como seres sobrenaturais
  2. Respeito pela natureza cíclica da vida (agricultura, chuva/seca, fases da lua) - o "círculo da vida"
  3. A comunicação com os ancestrais é praticada ou parte integrante da comunicação com deus e outras divindades
  4. Os médicos e curandeiros tradicionais são consultados sobre uma ampla gama de tópicos, como questões físicas, psicológicas, espirituais, morais e jurídicas. Eles também podem facilitar a comunicação com espíritos ancestrais

O hinduísmo é praticado por grandes populações nas ex-colônias britânicas do Quênia, Uganda, Tanzânia, África do Sul, Seychelles e Maurício, onde muitos indianos eram servos contratados de senhores britânicos. Maurício é o único país africano e, aliás, o único fora do Sul da Ásia, onde a maioria da população pratica o hinduísmo (52%). O judaísmo tem uma longa, senão bem conhecida, história no continente. Há também uma grande comunidade judaica na África do Sul. Muitas comunidades judaicas existiram em todo o norte da África.

Fale[editar]

Não existe um idioma dominante na África, mas se você estiver viajando na África Ocidental ou Central, o francês e o inglês serão os mais úteis nessas nações e regiões. O árabe é a língua dominante no norte da África, embora o francês também seja amplamente falado. O inglês também é útil em muitos países e é dominante na maior parte da África Austral. O suaíli é a língua mais útil na África Oriental. Na Etiópia, a maioria das pessoas fala amárico. Mesmo que você conheça um idioma comum como o francês, é sempre uma boa ideia trazer livros de frases nos idiomas nativos. Também ajuda se você tiver um conhecimento básico da língua usada pelo ex-colono de um país (por exemplo, o alemão é útil se você está indo para a Namíbia, já que há uma grande população branca de língua alemã).

A diversidade linguística da África é exemplificada pela África do Sul, que tem onze línguas oficiais, algumas das quais têm o inventário de sons mais complexo em qualquer língua humana, com mais de uma centena de sons diferentes para distinguir o significado. Em comparação, o inglês tem menos da metade desses.

Chegar[editar]

De avião[editar]

O continente tem talvez a rede de rotas aéreas menos extensa de todos os continentes habitados do mundo. Ao voar para destinos importantes há uma grande variedade de opções e os custos das passagens aéreas estão na média quando comparados a rotas de comprimento semelhante em todo o mundo. As passagens aéreas tendem a ser mais baratas quando reservadas a partir de uma capital europeia que tenha uma forte ligação colonial com o seu destino, o que normalmente significa Londres, Paris, Bruxelas e Lisboa. Egito também tem conexões abundantes e baratas com o Oriente Médio e Europa. No entanto, destinos menos populares podem ser atendidos apenas por alguns voos por semana operados por grandes companhias aéreas e o custo das passagens aéreas pode ser caro. Algumas companhias aéreas africanas (como a Air Namibia) atendem apenas seus países vizinhos, com um ou dois (ou nenhum) voos para a Europa.

As principais companhias aéreas da África — South African Airways, Kenya Airways e Ethiopian Airlines — todas oferecem um nível decente de serviço para as capitais do continente e outras grandes cidades e voam para muitas das principais cidades ao redor do mundo. Poucas outras companhias aéreas africanas operam voos intercontinentais e muitas têm registros de segurança fracos ou questionáveis ​​e oferecem níveis de serviço ruins. Muitos voos para a África estão disponíveis de/através da Europa e Oriente Médio. Lembre-se de que muitas companhias aéreas fazem parte de alianças e acordos e provavelmente você voará em mais de uma companhia aérea.

Consulte o artigo do seu destino para informações mais específicas sobre voos. Lembre-se de que muitos países africanos oferecem apenas alguns voos internacionais por dia ou, em alguns casos, por semana. Embora não seja difícil chegar à África do Sul, Quênia, Nigéria ou Egito, chegar ao Malaui ou Togo pode ser um grande desafio.

Por continente[editar]

Existem mais voos para a África vindos da Europa do que de qualquer outro continente. A Turkish Airlines voa para 39 destinos em 30 países africanos em 2014. Quase todos os países do Norte da África, juntamente com Sudão, Eritreia, Djibouti e Somália, têm extensas conexões com o Oriente Médio. E, da mesma forma, países com grandes populações muçulmanas provavelmente têm uma conexão com Meca durante o ano todo ou sazonal (por exemplo, durante o hajj). As companhias aéreas do Oriente Médio — como a Emirates, Etihad Airways, Qatar Airways —, expandiram muito seus serviços para a África e oferecem conexões para muitas das principais cidades africanas a preços competitivos do que as companhias aéreas europeias.

Vários destinos são servidos sem escalas ou diretamente dos Estados Unidos, incluindo Joanesburgo. O serviço limitado está disponível no Brasil (para Angola e Ilhas Canárias), Canadá (para a Argélia), Cuba (para Angola) e Venezuela (para as Ilhas Canárias). South African Airlines, Delta, United e Ethiopian Airlines são as principais operadoras entre os Estados Unidos e a África. O voo da Delta de Joanesburgo para Atlanta é o segundo voo mais longo do mundo em distância (13.582 km) e tempo programado (16 horas e 40 minutos).

Por estrada ou balsa[editar]

A única conexão terrestre com outro continente é o istmo de Suez, com 163 km de largura, que fica no Egito (embora a península do Sinai às vezes seja considerada uma parte da África por razões geopolíticas). Portanto, a única maneira de entrar de carro na África é atravessar o Egito. A maioria das pessoas que dirigem do Oriente Médio para a África viaja pela Jordânia e pega uma balsa para o Egito para evitar o trânsito em Israel, uma vez que os dois vizinhos africanos do Egito (Sudão e Líbia) negam a entrada de pessoas com carimbos israelenses ou egípcios/jordanianos indicando viagem para Israel.

Apesar de haver apenas uma estreita travessia de terra para o continente, existem outras maneiras de trazer veículos para a África por balsas. A curta travessia do Estreito de Gibraltar entre Espanha e Marrocos é atravessada diariamente por baixo preço.

De barco[editar]

Alguns lugares, como Mahé nas Seychelles, só podem ser alcançados por barco ou avião. Muitos cruzeiros no Mediterrâneo param em países do norte da África, como Egito, Tunísia, Marrocos, Ilhas Canárias e Cabo Verde. Alguns transatlânticos param nas Ilhas Canárias ou Cabo Verde ou no sul, como Madagascar, Seychelles ou Maurício em viagens de volta ao mundo.

Em outros lugares da África, os cruzeiros são limitados a viagens de luxo muito caras ou cruzeiros de cargueiro que não oferecem muito aos "passageiros". Seychelles e Maurício são destinos populares para iates e navios particulares, mas a pirataria manteve muitos navios europeus afastados.

Circular[editar]

As pirâmides de Gizé: a única das sete maravilhas antigas do mundo ainda de pé e talvez "o" símbolo do Egito Antigo

A regra geral de que os vistos são mais difíceis de obter para países com governos mais autoritários e destinos turísticos menos "clássicos" também é válida para a África, embora haja exceções. Além disso, com poucas exceções, é mais fácil entrar na maioria dos países se você for de um país de "primeiro mundo". Os requisitos e custos de visto para os países africanos variam dependendo da sua nacionalidade/cidadania e do país. Muitos países no sul e no leste da África têm isenção de visto ou vistos disponíveis no aeroporto ou na passagem de fronteira para a UE, Estados Unidos, Canadá e algumas outras nacionalidades com uma quantidade mínima de papelada e espera. Por outro lado, alguns países têm requisitos onerosos que muitas vezes diferem entre suas embaixadas e passagens de fronteira.

A maioria dos países da África Ocidental exige vistos para viajantes de fora da região. Em alguns casos, esses vistos podem ser obtidos em aeroportos ou (menos comumente) nas fronteiras. As embaixadas da África Ocidental não estão espalhadas fora da região (geralmente limitadas às antigas metrópoles coloniais) e os serviços de visto às vezes não estão disponíveis em alguns países vizinhos. Às vezes, os vistos são emitidos rapidamente, às vezes é um processo demorado e caro. Verifique antes de iniciar uma viagem pela região, pois os regulamentos e as práticas costumam mudar.

De trem[editar]

A maioria das ferrovias na África foi construída pelas potências coloniais, muitas vezes com grande custo humano, com o objetivo principal de extrair riquezas do interior para as cidades costeiras para exportação. Após a queda do colonialismo, muitas linhas não foram estendidas ou mantidas. As ferrovias de passageiros na África são, portanto, curtas, lentas e dentro de um país. No entanto, durante a década de 2010, o investimento chinês e europeu reabilitou várias linhas e também construiu novas linhas ferroviárias em vários países.

Os Estados do norte da África, Argélia, Egito, Marrocos e Tunísia, todos possuem redes ferroviárias de qualidade adequada, algumas delas até mesmo comparadas a alguns países europeus ou do Leste Asiático, com conexões para a maioria das grandes cidades. Em 2018, Marrocos abriu a primeira linha ferroviária de alta velocidade verdadeira da África entre Tânger e Rabat. Devido a tensões políticas (e em parte à escassa população nas áreas de fronteira), não há, no entanto, serviços internacionais de trem entre esses países. Uma experiência única, mas não muito útil como meio de transporte, é andar no trem mais longo do mundo na Mauritânia, seja no vagão ou no topo de vagões abertos de minério de ferro. A Líbia não tem ferrovias e planos de mudança, que foram prejudicados pelos problemas políticos que abalaram o país desde 2010.

A África do Sul tem uma longa história com trens de passageiros, há trens noturnos da maioria das grandes cidades várias vezes por semana. Não há trens internacionais adequados para a África do Sul, mas várias linhas terminam em cidades fronteiriças, tornando muito fácil viajar de países vizinhos como Moçambique e Zimbábue. A maioria dos outros países da África Austral têm alguma forma de serviços de passageiros, mas a qualidade e a frequência variam muito. Por fim, para quem tem dinheiro para gastar, há trens luxuosos como o Blue Train e o Rovos Rail, que oferecem o charme do velho mundo.

A África Oriental teve serviços em declínio por um longo tempo, mas devido a investimentos recentes, várias novas linhas foram abertas entre as principais cidades. Tanto a Etiópia quanto o Quênia agora possuem novos trens conectando as principais cidades. A linha clássica TAZARA ainda se mantém, passando por vários parques nacionais. Os países da África Central se saíram pior com pouco ou nenhum investimento. Angola reabilitou as suas linhas ferroviárias, mas os serviços continuam irregulares. Serviços muito limitados e erráticos estão disponíveis em outros países.

De barco[editar]

Onde há água, geralmente há serviços de barco até certo ponto. Na República Democrática do Congo, os barcos são o principal meio de transporte devido à extensa rede de rios e à falta/qualidade de estradas e ferrovias. Algumas viagens fluviais dignas de nota na África são:

  • Ao longo do Rio Níger, pequenos barcos de madeira variando em design, desde uma canoa para 2 pessoas até barcos largos de aproximadamente 10 pessoas com banheiro. Viajar assim é lento, mas a paisagem e as pessoas que você encontra no barco durante as paradas tornam esta experiência africana memorável. Devido à catarata, os barcos operam apenas no Mali e no Níger
  • Ao longo do rio Congo, balsas grandes, antigas e frequentemente superlotadas conectam cidades ao longo do rio no Congo, República Democrática do Congo e República Centro-Africana. Pequenos barcos de vilarejos saem e atracam nessas balsas para vender comida e mercadorias. As condições a bordo dessas balsas são ruins e suportáveis ​​apenas para os viajantes mais experientes. Fale com o capitão para ver se você pode usar um dos poucos quartos para dormir.

Veja[editar]

Muitos visitantes são atraídos pela flora e fauna africanas e vários países se beneficiam do turismo de safári nos parques nacionais africanos.

Maravilhas naturais[editar]

A África é o lar de muitas maravilhas naturais famosas, desde o Rio Nilo, o maior rio do mundo, até as Cataratas Vitória. O continente é o lar de dois dos quatro vulcões do mundo com lagos de lava permanentes — o dramático Monte Nyiragongo que se eleva centenas de metros na República Democrática do Congo e Erta Ale na forte depressão de Danakil, na Etiópia (os outros são o Monte Erebus na Antártica e Kilauea no Havaí). Ambos os vulcões podem ser escalados pelo turista aventureiro para ficar na borda olhando com admiração para a lava borbulhante abaixo, uma visão especialmente incrível à noite! O Monte Camarões e seu glorioso trecho de lava também cria um belo local com uma variedade de flora e fauna.

O norte da África é dominado pelo imenso deserto do Saara, espremido entre o Atlântico, o Mediterrâneo e o Mar Vermelho. Além da orla costeira e das margens do Nilo, esta é uma parte seca e remota do continente. A cordilheira mais notável (e provavelmente a mais acessível) aqui é a cordilheira do Atlas em Marrocos. O pico mais alto é Jbel Toubkal, a montanha mais alta da África não localizada no leste do continente.

Ao sul do Saara, a vegetação aumenta gradualmente à medida que se avança para o sul, com terreno bastante plano e savana. A África Central Oriental é onde você pode encontrar os maiores lagos, incluindo o Lago Vitória. Nomeado em homenagem à rainha britânica do século XIX, Victoria, este é o segundo maior lago de água doce do mundo em área de superfície e a origem de uma das duas bifurcações do Nilo. A sudoeste do lago, um pouco mais da metade do caminho para o Oceano Índico, fica a montanha mais alta da África, Kilimanjaro.

Dividido pelo Equador, sem surpresa, o coração da África é dominado pela floresta tropical. A floresta tropical do Congo é a segunda maior do mundo, remota e em sua maioria desabitada, e ir aqui costuma ser mais uma expedição do que uma viagem de turismo. A parte Centro-Leste também é o melhor lugar para ir no continente se você estiver interessado em vulcões.

Girafas no Parque Nacional Maasai Mara, no Quênia

Mais a sul, a paisagem torna-se cada vez mais seca, especialmente na metade ocidental. A Namíbia, em particular, é conhecida por seus desertos e desfiladeiros. A paisagem é diferente no leste, com belas montanhas e cachoeiras, incluindo as poderosas Cataratas Vitória, sim, também recebeu o nome da rainha. No planalto deste canto da África está o Lesoto, o único país do mundo que está inteiramente localizado a mais de 1400 m acima do nível do mar. A parte mais ao sul do continente — em outras palavras a África do Sul — é uma reminiscência da borda mais ao norte com clima mediterrâneo e vegetação subtropical.

Existem também várias nações insulares ou territórios localizados nos oceanos fora da África continental. Eles são geralmente montanhosos com cadeias de montanhas geralmente consistindo de vulcões. Cercados pelo mar, eles geralmente têm temperaturas mais amenas do que os locais nas mesmas latitudes.

Civilizações históricas[editar]

Embora a vida selvagem única e diversa do continente seja frequentemente tudo o que é mencionado em relação às viagens pela África, como lar das civilizações mais antigas do planeta, a África tem culturas e história igualmente impressionantes. A civilização mais famosa do continente, e possivelmente do mundo, é a do antigo Egito: Alexandria, Cairo, incluindo as Pirâmides de Gizé, as únicas sobreviventes das Sete Maravilhas do Mundo originais e os símbolos mais icônicos deste antigo reino. Locais do Reino da Núbia que tinham laços estreitos com o Egito podem ser encontrados no Sudão. Também há vestígios da antiga cidade-estado de Cartago, que podem ser encontrados na atual Tunísia.

A Etiópia oferece muitas ruínas do antigo Reino Axumita, onde a Rainha de Sabá governava. Os obeliscos e ruínas foram construídos antes da conversão do reino ao Cristianismo, enquanto muitos outros grandes monumentos, como a Pedra de Ezana e a Igreja de Nossa Senhora Maria de Sião, onde o Arco da Aliança está armazenado, foram construídos após a conversão como locais religiosos. Outras estruturas cristãs famosas construídas posteriormente pelo sucessor do reino, o Império Abissínio, especialmente durante os séculos XII e XIII, também podem ser encontradas.

Na África Ocidental, as estruturas do antigo Império do Mali podem ser encontradas. Embora existam influências islâmicas, os estilos arquitetônicos das mesquitas do Reino do Mali ainda são bastante únicos e reconhecidamente africanos. As moradias nas falésias, construídas pelo povo Dogon, também são estruturas antigas impressionantes no Mali. Restos do Império de Gana podem ser encontrados em partes da Mauritânia e do Mali. Os palácios reais do Reino do Daomé ainda estão em sua antiga capital, Abomey, e as ruínas do Reino do Kongo ainda podem ser encontradas em sua antiga capital, M'banza-Kongo. Embora tenham sido amplamente destruídos pelos britânicos durante, ainda existe algumas relíquias do Reino de Benin e do Império Ashanti, respectivamente. Em Sokoto, Nigéria, vestígios ainda podem ser encontrados nos museus locais, bem como no palácio do sultão, e a cidade continua a servir como um dos principais centros de estudos islâmicos da África.

As ruínas da antiga cultura suaíli podem ser encontradas nas áreas costeiras da África Oriental, especialmente no Quênia e na Tanzânia. As estruturas suaíli combinam elementos da arquitetura africana com a arquitetura islâmica, que era bastante proeminente por volta do século XIV. No sul da África, as ruínas do Grande Zimbábue fascinam os visitantes desde que os europeus as descobriram. Nenhum europeu acreditava que os habitantes da África fossem capazes de criar grandes monumentos por conta própria até que as ruínas dessa cultura ancestral fossem descobertas.

Muitas cidades apresentam ruínas romanas tão impressionantes quanto as da própria Europa. Muitas outras estruturas europeias podem ser encontradas em todo o continente, que datam dos primeiros dias do imperialismo. Um dos estilos de influência europeia mais exclusivos é o encontrado na África do Sul, cujas origens remontam aos primeiros colonizadores brancos na África Subsaariana no século XVII.

Artes[editar]

A música tem sido chamada de "língua comum da África" ​​e faz parte da vida cotidiana na maioria das nações africanas. A música popular ocidental (incluindo jazz e rock'n roll) tem suas raízes na música folk afro-americana, e cada vez mais países africanos têm uma cena musical pop proeminente. A África do Sul é conhecida por seus músicos de jazz que criaram um estilo único, entre os mais famosos estava o trompetista Hugh Masekela.

Compre[editar]

Dinheiro[editar]

As três moedas mais fáceis de trocar na África são o euro, o dólar americano e a libra esterlina do Reino Unido. Em alguns países com um grande setor de turismo, dólares australianos e canadenses e ienes japoneses podem ser trocados em grandes bancos e em algumas casas de câmbio, mas você receberá uma taxa de câmbio ruim, pois essas moedas são incomuns e mais problemáticas para os bancos, por sua vez, trocá-las. O continente está praticamente dividido entre as regiões onde o dólar dos EUA é mais fácil de trocar e usar e outras onde o euro está. Nos países da África Austral, o rand sul-africano desfruta de uma posição dominante regional (veja abaixo) e pode ser mais fácil de trocar do que outras moedas.

Devido a preocupações com a falsificação, cambistas, bancos e, muito provavelmente, até mesmo os comerciantes não aceitarão notas de dólar americano gastas ou com mais de dez anos. Por mais estranho que pareça, parece ser uma regra entre qualquer pessoa que negocie muito em dólares e você achará difícil ou mesmo impossível descartar notas de dólares velhas ou gastas. O mesmo não parece ser verdadeiro para as notas de euro, mas pode acontecer com outras moedas não africanas.

Com poucas exceções (principalmente o rand sul-africano), as moedas africanas geralmente não são aceitas por bancos ou cambistas fora de seu território nativo, ou pelo menos não a uma taxa de câmbio decente. As moedas de alguns países menores não podem ser trocadas e tornam-se inúteis no exterior, com alguns países proibindo a exportação das suas moedas, confiscando e até multando as pessoas que saem do país com a moeda (principalmente o kwanza angolano).

Alguns países que fazem parte de uma união monetária ainda cunham sua própria moeda também (como o dólar da Namíbia), o que significa que ambas as formas de moeda têm curso legal. De fato, mesmo com bancos e cambistas, provavelmente será mais fácil (e você receberá uma taxa de câmbio melhor) para trocar notas de euro ou mesmo dólares americanos. Dada a taxa de câmbio fixa, se visitar qualquer um desses países, o euro receberá uma taxa de câmbio mais favorável.

Dólar americano[editar]

O dólar americano tem sido a moeda de facto do Zimbabué desde o colapso do dólar zimbabuense e a aceitação de moeda estrangeira como proposta em janeiro de 2009. As moedas normalmente não são aceitas no Zimbabué e poderá ter problemas para obter trocos para pequenas compras. O franco do Djibuti (178,8 = US$ 1) e o nakfa da Eritreia (16,5 = US$ 1) estão indexados ao dólar.

O dólar americano é a moeda mais fácil de trocar (e pode receber uma taxa de câmbio melhor em comparação com o euro) na África Austral e na África Oriental, bem como na República Democrática do Congo, Nigéria e Libéria. Muitos operadores turísticos, atrações turísticas e hotéis nessas regiões definem seus preços em dólares, alguns chegando mesmo a oferecer taxas de câmbio ruins ou mesmo recusar a moeda local. Além disso, muitos países nessas regiões definem os preços dos vistos em dólares e só aceitam dólares (ou talvez libras esterlinas).

Euro[editar]

Os francos da África Ocidental e Central estão indexados ao euro em 655,975 (anteriormente, apenas 100 por franco francês). O dirham marroquino está indexado ao euro em cerca de 10 dirhans para um euro. O escudo cabo-verdiano está indexado em 110,265 por um euro e o franco comorense está indexado em 491,9678 por um euro. A dobra de São Tomé e Príncipe foi fixada em 24.500 por euro em 2010 para garantir a estabilidade — valia apenas 12.000 por euro em 2004.

O euro é a moeda mais fácil de trocar e recebe a melhor taxa de câmbio em países cujas moedas são fixadas em euro, com fortes laços europeus e/ou onde a maioria dos turistas são europeus. Isso geralmente corresponde ao Norte da África, África Ocidental e África Central, com exceção do Egito, Sudão e Gana. Devido à criação recente e relevante do euro e ao status de longa data do dólar, tome cuidado, pois há algumas regiões da África onde as pessoas nunca ouviram falar do euro ou o considerarão sem valor.

Rand sul-africano[editar]

O rand sul-africano é uma moeda oficial e amplamente divulgado na África do Sul, Lesoto, Eswatini (Suazilândia) e Namíbia. Embora os três últimos emitam suas próprias moedas, eles são indexados na proporção de 1:1 e não têm curso legal nos outros países. O rand também foi aceito no Zimbábue desde a queda do dólar zimbabuense, mas não tão amplamente quanto o dólar americano. Também é prontamente trocado (e às vezes aceito para pagamento) em Botswana, Moçambique e na maioria dos pontos turísticos em Botswana e Zâmbia. Namíbia faz moeda local que também tem curso legal junto com o rand, portanto, sempre observe a forma da moeda usada nas mercadorias à venda.

Pagamento sem dinheiro[editar]

Devido à quase onipresença da propriedade de telefones celulares e às moedas às vezes altamente voláteis, vários sistemas de pagamento baseados em telefones celulares foram pioneiros na África. Dependendo do seu itinerário, pode ser muito aconselhável familiarizar-se com esses sistemas e instalá-los em seu telefone.

Mercados[editar]

Muitos países e tribos africanas são conhecidos por seu artesanato. Esculturas, utensílios e tecidos de alta qualidade podem ser encontrados por uma fração do preço de um item semelhante feito em um país de alta renda.

O comércio de marfim é proibido por quase todos os países do mundo, com penalidades pesadas e até pena de prisão para os infratores. Muitos produtos de origem animal também são proibidos pelos países ocidentais, como cascos de tartaruga, presas de qualquer animal ou qualquer parte ou item feito com uma espécie em extinção. Alguns países africanos interessados ​​na conservação processarão todos os infratores em toda a extensão da lei… portanto, tome cuidado ao comprar produtos de origem animal, a menos que queira passar anos em uma prisão africana. Lembre-se de que mesmo que um item possa ser exportado de um país africano, pode ser ilegal importá-lo para um país ocidental; a UE e os EUA têm leis rígidas sobre a importação de produtos de origem animal em nome da conservação.

Alguns medicamentos que podem ser comprados sem receita em países ocidentais ou partes da África podem conter ingredientes considerados narcóticos ilegais ou substâncias controladas em alguns países. Em particular, a difenidramina é uma "substância controlada" na Zâmbia e vários americanos foram multados e presos por acusações de tráfico de drogas por possuírem medicamentos anti-alérgicos feitos da substância.

O tráfico de drogas é um crime tão comum quanto na maioria dos países ocidentais. A lista de substâncias consideradas drogas proibidas ou restritas varia de país para país. O khat, que é facilmente cultivado e consumido na Etiópia e no Chifre da África, é uma droga ilícita na maioria dos outros países africanos. O tráfico organizado de drogas é um grande problema na Guiné e na Guiné-Bissau.

Como na maioria dos países, verifique as leis locais sobre antiguidades antes de tentar deixar o país com qualquer coisa que pareça ter mais de 100 anos. Certifique-se sempre de que os diamantes ou outras joias que você está comprando satisfazem 2 condiçõesː

  1. O número, peso e/ou o valor total das joias que você compra podem ser importados legalmente para o seu país de origem.
  2. Nenhuma joia ou diamante são originárias de conflitos, o que significa que são extraídas e/ou vendidas por grupos terroristas, grupos rebeldes ou extraídas de formas não sustentáveis.

Coma[editar]

A comida varia muito e você pode encontrar cozinha de influência árabe (no Norte), bem como de origem europeia (na África do Sul e Namíbia) ou comida local originária de épocas anteriores à colonização. Embora você não encontre restaurantes cinco estrelas em todas as cidades ou mesmo em todos os países, se você mantiver a mente aberta, terá experiências culinárias verdadeiramente incríveis e únicas, assim que se aventurar fora do turismo padrão.

Beba[editar]

Como era de se esperar de um continente tão grande e diverso como a África, há uma grande variedade de opções de bebidas. Embora a África do Sul tenha se tornado conhecida como uma região vinícola de aclamação internacional, beber qualquer coisa alcoólica nos países de maioria muçulmana ou nas áreas predominantemente muçulmanas de países como a Nigéria pode ser imprudente ou até ilegal. Há também uma variedade de bebidas não alcoólicas originárias da África ou aperfeiçoadas aqui, como o chá na África do Sul ou o café na Etiópia.

Durma[editar]

Embora os distritos comerciais e as cidades turísticas tenham hotéis de alto padrão, as acomodações podem ser muito básicas, fora do caminho comum. Enquanto acampar em um parque nacional pode ser uma experiência emocionante, fique atento aos animais perigosos e ao crime.

Fique seguro[editar]

Mapa de segurança da África em 2012

A África tem uma má reputação de ditadores genocidas e, embora grande parte da África seja segura para viagens e muitas atrações turísticas no continente estejam longe de conflitos, existem muitas regiões onde existe conflito e/ou ilegalidade geral. Terrorismo, extremismo religioso e pirataria também são preocupações em algumas áreas, com o recente aumento de grupos militantes salafistas.

Os grupos jihadistas estão concentrados principalmente no norte da África. A Somália, onde lutam pelo controle desde o colapso do governo central em 1993, e a República Centro-Africana, onde existe ilegalidade e rebeldes em grande parte do país, devem ser visitadas apenas por viajantes experientes e muito competentes em relação aos perigos que existem. Caso contrário, essas áreas devem ser consideradas regiões proibidas.

A República Democrática do Congo abriga a segunda maior selva depois da Amazônia e a maior parte do país é intransitável por terra. As regiões leste e nordeste são o lar de rebeldes e da ilegalidade em geral e foram o lar do conflito mais sangrento desde a Segunda Guerra Mundial. As regiões mais seguras são o oeste, sul (perto da fronteira com a Zâmbia) e alguns pontos praticamente na fronteira.

O Saara Central é o anfitrião de vários problemas, notadamente a presença crescente (ou pelo menos o impacto) da Al Qaeda, que resultou em vários sequestros (incluindo um britânico decapitado, sequestrado perto da fronteira Mali-Níger) e alguns atentados suicidas. Desde o fim da guerra civil no Mali em 2012, o norte do Mali é altamente perigoso devido à presença de rebeldes e islâmicos. Várias fronteiras no Saara estão fechadas ou muito inseguras como resultado do banditismo: Líbia-Sudão (fechado), Líbia-Chade (fechado), Chade-Sudão (inseguro), Chade-Níger (banditismo), Líbia-Níger (banditismo), Mali-Argélia (sem cruzamentos de estradas) e Argélia-Marrocos (fechado).

Partes da Costa do Marfim, Serra Leoa, Libéria e Chade são o lar de rebeldes e é importante obter informações atualizadas sobre quais partes desses países são seguras para visitar. O norte da Nigéria é o lar de extremistas islâmicos que realizaram vários ataques contra não muçulmanos, principalmente contra outros nigerianos, mas ainda há um risco significativo para os ocidentais. A região ao redor do delta do rio Níger é o lar de rebeldes há décadas.

Muitos países da África são muito perigosos para os viajantes gays, com níveis extremos de homofobia generalizados na população em geral. A homossexualidade é ilegal na maioria dos países africanos e, em alguns casos, acarreta prisão perpétua ou até mesmo a pena de morte. A Nigéria e Uganda deram um passo além, tornando crime saber que alguém é homossexual e não denunciar à polícia.

A criminalidade nas principais cidades africanas é geralmente alta e geralmente não é aconselhável viajar à noite. Embora grande parte envolva fraudes, assaltos ou pequenos furtos, crimes violentos também são comuns.

Animais selvagens[editar]

Na maior parte da África, a vida selvagem perigosa deve ser uma preocupação muito menor, se alguma. Em algumas partes da África Oriental e da África do Sul, grandes abundâncias de animais potencialmente perigosos podem ser encontrados, mas na maioria das vezes qualquer viajante estaria perfeitamente seguro em um veículo com seu guia turístico. No entanto, ocorrem ataques e mortes (raramente com estrangeiros, mas geralmente com locais) e é melhor estar bem informado.

Os crocodilos do Nilo podem ser extremamente perigosos e nadar não é uma opção na maioria das partes baixas da África Oriental. Leões e leopardos podem ser perigosos, mas é improvável que você os encontre a pé, a menos que esteja sendo extremamente tolo. Grandes herbívoros como elefantes e rinocerontes também podem ser muito perigosos se assustados, mesmo enquanto em um veículo, os hipopótamos são os animais com maior probabilidade de atacar ou matar um humano e devem ser evitados sem um guia experiente.

Cobras venenosas existem e são abundantes, mas é improvável que você veja uma, muito menos ser mordido por uma. Quando se trata de pragas, a maioria dos insetos não é mais perigosa do que você encontraria em qualquer outro local e as aranhas são, em sua maioria, inofensivas para os humanos. Apesar de tudo isso, o animal mais perigoso em todo o continente africano é o mosquito, que infecta um grande número de africanos com malária todos os anos, e as moscas tsé-tsé, que causam doença, também são um grande problema em algumas áreas (verifique as páginas individuais de cada país e região e os relatórios da OMS para ver se os lugares para os quais você planeja viajar são afetados por essas doenças).

Saúde[editar]

A África Subsaariana tem as taxas mais altas de infecção por HIV e AIDS na Terra. Um relatório da ONU de 2005 diz que mais de 25 milhões de africanos estão infectados, mais de 7% dos adultos no continente. Seja cauteloso com qualquer atividade sexual na África. As taxas de infecção por HIV entre profissionais do sexo são incrivelmente altas.

A carne de animais selvagens de gorilas, macacos e chimpanzés deve ser evitada. Devido à sua semelhança com os humanos, uma série de doenças (incluindo aquelas ainda não descobertas ou pouco estudadas) podem ser transmitidas ao consumir sua carne, especialmente se não for suficientemente aquecida. O HIV é, sem dúvida, a doença mais famosa transmitida por outros primatas, mas outras incluem o ebola e a febre amarela.

Como a água da torneira nem sempre está de acordo com os padrões de higiene, a água engarrafada (observe o lacre antes de abrir a garrafa, pois algumas pessoas simplesmente reabastecem as garrafas com água da torneira) é uma opção se você quiser diminuir o risco de diarreia. Lembre-se de beber sempre o suficiente, especialmente em climas quentes.

Várias doenças infecciosas, incluindo doenças transmitidas por mosquitos, são um problema em partes da África. Vacinas, medicamentos e outras precauções podem ser recomendadas para evitar infecções. Uma lista não exaustiva que os viajantes devem pensar: dengue, malária, sarampo, poliomielite, raiva , febre amarela. As vacinas contra o sarampo e a poliomielite são rotina em muitos países, mas você deve se certificar de que as suas estejam atualizadas.

Conectar[editar]

Telefone[editar]

Os códigos de chamada dos países para a África geralmente são números de 3 dígitos começando com 2, no formato +2XX. Os exemplos são +234 para Nigéria, +233 para Gana, +263 para Zimbábue, + 254 para Quênia. As exceções são Egito e África do Sul, com os códigos de chamada do país de 2 dígitos +20 e +27, respectivamente.

Os serviços tradicionais de telefonia fixa são vagos. A África do Sul e os países do norte da África são as únicas regiões do continente com qualidade decente. É em grande parte devido a isso que os celulares proliferaram em todo o continente. Não se surpreenda quando você estiver em um canto aparentemente remoto do continente e entre uma tribo pobre, quando um homem sacar um celular para mostrar fotos de família ou pedir que você encontre seu perfil do Facebook para ele enviar a uma solicitação de amizade. Em muitos lugares, você receberá ofertas de comerciantes para usar seus celulares mediante o pagamento de uma taxa. Enviar mensagens de texto é mais comumente usado do que ligar.

Se você decidir comprar um celular localmente, tome cuidado com os telefones falsificados. Os smartphones provavelmente serão versões de aparelhos baratos, alguns anos atrás dos encontrados nos mercados ocidentais (isso não quer dizer que o último modelo do Galaxy S ou iPhone não possa ser encontrado). Se você optar por trazer um telefone de casa, sua melhor aposta seria trazer um telefone GSM (o tipo de rede mais comum em todo o mundo). Um telefone GSM terá um chip removível. O chip (ou cartão SIM) do seu telefone pode ser substituído por um local, permitindo que você acesse redes locais. Não é terrivelmente difícil encontrar alguém vendendo raspadinhas para você ganhar créditos no telefone; simplesmente raspe para revelar um número PIN e insira em seu telefone (por instruções). O custo de aquisição de um cartão SIM e minutos é muito menor do que as tarifas de roaming com uma rede de telefonia móvel de um país ocidental.

Redes de dados mais rápidas em todo o continente (3G e 4G) estão sendo instaladas em um ritmo acelerado. No entanto, fora das grandes cidades, o serviço de dados costuma funcionar em velocidades 2G muito lentas. Muitas empresas de telecomunicações limitam o uso de redes 4G/3G a clientes pós-pagos.

Acesso à internet[editar]

Os computadores estão fora do alcance da maioria dos africanos. Portanto, locais de informática (cyber cafés) são comuns em todo o continente, exceto talvez nos cantos mais isolados dos países mais inacessíveis. Muitos computadores estão cheios de vírus e malware.

O acesso à internet Wi-fi está se tornando cada vez mais comum. A maioria dos hotéis de luxo, juntamente com alguns hotéis de classe média (principalmente em países mais desenvolvidos), oferecem acesso para os hóspedes. Alguns podem cobrar uma taxa por isso. Usar seu laptop, tablet ou smartphone pessoal em uma conexão Wi-fi é preferível a cibercafés para acessar sites de bancos, e-mail, redes sociais e outras contas confidenciais.

Os serviços de internet mais rápidos podem ser encontrados no norte da África, partes da África Ocidental, como Gana, Nigéria e em torno da África Oriental (Quênia, Tanzânia, Uganda, Ruanda), onde uma implantação impressionante de redes de fibra óptica e cabos submarinos para o Oriente Médio tornaram o Quênia um ponto de encontro promissor para empresas de tecnologia e negócios internacionais que exigem conexões rápidas. África do Sul tem as conexões de internet mais desenvolvidas e rápidas do continente. Em contraste, alguns países e regiões menos desenvolvidos continuam a depender de conexões lentas por satélite. Gana também está emergindo como um dos provedores de serviços de internet mais consistentes na África.

A censura na internet é um problema em vários países do continente, muitas vezes implementada ou intensificada por razões políticas. Isso geralmente consiste em mídias sociais bloqueadas e outras ferramentas de comunicação; menos comumente, os governos podem desligar totalmente a internet em torno de eleições ou outros eventos contenciosos.


Este artigo é um guia. Ele tem informações repletas sobre o assunto abordado, mas especificações podem faltar.

Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!