Baixe o arquivo GPX para este artigo
-16.712-64.666Map mag.png

Bolívia

Fonte: Wikivoyage
América do Sul > Bolívia
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bolivia in its region.svg
Bandeira
Informações básicas

A Bolívia é um país bonito, geograficamente rico e multiétnico no coração da América do Sul, visitado por suas impressionantes paisagens montanhosas e vibrante cultura indígena.

Regiões[editar]

Bolivia regions map1.png
Altiplano (La Paz, Oruro, Potosí)
Bolívia Subandina (Cochabamba, Chuquisaca, Tarija)
Planícies Tropicais (Santa Cruz, Beni, Pando)


Departamentos[editar]

Cidades[editar]

Entenda[editar]

A Bolívia e o Paraguai são as duas únicas nações sem litoral nas Américas. É também o país mais indígena das Américas, com 60% de sua população de ascendência nativa americana pura.

Devido à história do país, desde os tempos dos primeiros humanos até hoje, a distribuição populacional e a superfície terrestre são inversamente proporcionais nas três regiões. Os nativos originais em todas as três áreas também são de diferentes origens étnicas. Tudo isso se explica simplesmente porque, desde os tempos coloniais, a Bolívia foi um país mineiro em que a economia se baseava nas minas que ficavam no alto das montanhas.

História[editar]

A Bolívia, que leva o nome do lutador pela independência Simón Bolívar, rompeu com o domínio espanhol em 1825; muito de sua história subsequente consistiu em uma série de quase 200 golpes e contra-golpes. Um governo civil comparativamente democrático foi estabelecido na década de 2000, mas os líderes enfrentaram problemas difíceis de pobreza profunda, agitação social e uso de drogas.

O passado recente do país é inseparável de seu ex-líder, Evo Morales. Morales, que foi o primeiro líder indígena a ser eleito desde a independência, ocupou um longo mandato no cargo de 2005 a 2019. Seu governo foi muito popular entre a maioria nativa, mas nem tanto entre os descendentes de europeus.

Desde as eleições gerais de outubro de 2019, o clima político da Bolívia está mergulhado na incerteza e no caos. Os resultados da contagem rápida da eleição mostraram uma vitória de Evo Morales, ou seja, um quarto mandato presidencial. Os candidatos da oposição contestaram esse resultado, alegando que Morales e seu partido fraudaram os resultados. A Organização dos Estados Americanos (OEA) conduziu uma auditoria dos resultados e encontrou irregularidades, embora a OEA tenha sido criticada no passado por ter preconceito contra governos de esquerda na América Latina.

Os protestos imediatamente eclodiram e se intensificaram ao longo de várias semanas, até que os militares e a polícia bolivianos anunciaram que não apoiariam mais Morales. Morales foi forçado a renunciar ao cargo e buscar asilo no México. Em sua ausência, a senadora da oposição, apoiada pelos Estados Unidos, Jeanine Áñez, declarou-se presidente interina e prometeu realizar novas eleições. Os partidários de Morales denunciaram esse movimento como um golpe de Estado de direita e começaram a protestar em grande número, exigindo o retorno de Morales. Os oponentes de Morales afirmaram que os militares e o governo provisório estão devolvendo a Bolívia à democracia, e muitos pediram que as reformas econômicas e sociais de Morales fossem desfeitas.

As manifestações de ambos os lados continuam a turvar o país, causando várias mortes e inúmeros feridos.

Cultura[editar]

A Bolívia tem uma porcentagem maior de indígenas do que qualquer outro país das Américas. São principalmente quíchuas e aimarás (os espanhóis exterminaram a aristocracia inca quando conquistaram os Andes). Você pode ter visto quíchuas vendendo xales e suéteres coloridos ou ouvido um grupo quíchua tocando música tradicional. Mas, embora muitos andinos tenham que viajar para o exterior em busca de uma vida melhor, muitos deles ainda estão aqui e sua cultura continua viva.

Clima[editar]

O clima da Bolívia permanece relativamente semelhante de uma zona climática para outra. Ele varia de úmido e tropical a levemente úmido e tropical. Na maior parte do país, os invernos são secos e os verões um tanto chuvosos. Apesar da latitude tropical, a altitude de cidades como La Paz mantém o clima fresco, e roupas quentes são aconselhadas durante os meses de abril e maio. Os meses de verão na Bolívia vão de novembro a março. O clima é normalmente mais quente e úmido durante esses meses. De abril a outubro, os meses de inverno, são tipicamente mais frios e secos.

Fale[editar]

A Bolívia tem 37 línguas oficiais, das quais o espanhol (frequentemente chamado de castelhano ), quíchua e aimará são as principais. Nas áreas rurais, muitas pessoas não falam espanhol. No entanto, você deve ser capaz de se virar com um conhecimento básico. A Bolívia é um dos melhores lugares para aprender ou praticar o espanhol por causa de seu sotaque limpo. Existem muitas opções para estudar espanhol na Bolívia, e geralmente são muito boas.

Chegar[editar]

Visto[editar]

Os cidadãos dos seguintes países não precisam de visto para estadias curtas de menos de 90 dias como turistas: Andorra, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Croácia, República Tcheca, Dinamarca, Equador, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Itália, Japão, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, México, Mônaco, Nova Zelândia, Noruega, Holanda, Palestina, Panamá, Paraguai, Peru, Filipinas, Polônia, Portugal, Rússia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia, Reino Unido, Uruguai e Venezuela.

A maioria das pessoas que precisam de visto de turista pode obtê-lo na chegada, exceto para as seguintes nacionalidades: Afeganistão, Angola, Butão, Camboja, Chade, Timor Leste, Indonésia, Iraque, Líbia, Paquistão, Nigéria, Somália, Sudão, Estados Unidos e Iêmen. No entanto, em circunstâncias urgentes e especiais, os estrangeiros deste grupo podem obter vistos no porto de entrada. Cidadãos dos EUA normalmente receberão um visto de entrada tripla válido para 3 entradas por ano durante um período de 5 anos.

Todos os viajantes a negócios e pessoas que desejam permanecer por mais de 90 dias no ano devem obter um visto com antecedência. A menos que você tenha menos de 1 ano de idade, você precisará de um certificado de vacinação contra a febre amarela para solicitar o visto.

Caso você ultrapasse o tempo acidentalmente, na passagem de fronteira de Villazón não há controle de saída do lado boliviano.

Por terra[editar]

É comum que os turistas viajem por uma fronteira terrestre no nordeste do Chile e no sudoeste da Bolívia. A Bolívia tem muitas fronteiras terrestres com os países vizinhos.

De avião[editar]

Os principais aeroportos estão em La Paz ao oeste do país e em Santa Cruz ao leste. O plano de chegada deve ser baseado principalmente no propósito de sua visita ao país; é preciso lembrar que La Paz recebe grande parte de seus visitantes devido à imensa cultura e patrimônio dos incas e de outras culturas indígenas da região andina; como La Paz é a sede do governo, todas as embaixadas e organizações estrangeiras têm sua sede na cidade, o que é útil em caso de emergência.

Por outro lado, Santa Cruz, com um clima mais quente, pode se tornar um bom local para fazer negócios e visitas alternativas de turismo, como o Parque Nacional Noel Kempff Mercado ou visite as cidades do leste. Existem também alguns consulados estrangeiros em Santa Cruz.

As cidades do sul e centro da Bolívia, como Cochabamba, Tarija e Sucre, também oferecem uma experiência muito rica; Existem várias maneiras de chegar a essas cidades a partir de La Paz ou Santa Cruz.

Da Europa

Os voos regulares são reservados de Madrid para o Aeroporto Viru Viru em Santa Cruz, serviço prestado por empresas como Boliviana de Aviación e Air Europa; o custo pode ir de €800–1200 a outros preços mais elevados dependendo da classe e da duração.

Da América Latina

Outras companhias aéreas que voam para a Bolívia de outros países latino-americanos incluem LATAM de Santiago via Iquique e de Lima. Agora também é possível voar entre Cusco e La Paz com Amazonas, tornando possíveis itinerários circulares onde você entra na Bolívia do Peru através do Lago Titicaca e depois voa de volta ao Peru. LATAM voa para Lima e Santiago, geralmente via Iquique. A Copa Airlines começou a voar para Santa Cruz a partir da Cidade do Panamá. A Avianca também voa para Lima e Bogotá. Gol Airlines e Aerolineas Argentinas também voam diretamente para Santa Cruz.

Dos Estados Unidos

Há partidas de Miami para Santa Cruz da American Airlines. Depois de reservar o seu voo internacional, é muito mais fácil e barato organizar os seus voos internos desde o ponto de partida.

De trem[editar]

Em 2014, partes da malha ferroviária boliviana foram adquiridas por uma empresa chilena chamada La Empresa Ferroviaria Andina SA (FCA). Muitos serviços de passageiros descontinuados parecem ter sido reiniciados. Verifique o site da FCA para obter detalhes.

  • Do Brasil, um trem liga a cidade boliviana de Puerto Quijarro com Santa Cruz. O trem rápido e lento leva 13 horas e 17 horas, respectivamente.
  • Da Argentina, um trem conecta a cidade fronteiriça boliviana de Villazón a Uyuni (9-12 horas). Tupiza está no meio a 4 horas de Villazón. O trem passa por belas paisagens montanhosas no caminho. Desde fevereiro de 2018, a rota entre Uyuni e Villazon está fechada devido a inundações. A reabertura estava prevista para outubro de 2018.

De carro[editar]

Apenas cerca de 5% de todas as estradas da Bolívia são pavimentadas. No entanto, a maioria das principais rotas entre as grandes cidades (por exemplo, Santa Cruz, La Paz, Cochabamba, Sucre) são pavimentadas. Um 4x4 é fortemente recomendado ao viajar em outras áreas. Esteja ciente de que em regiões montanhosas, o tráfego às vezes muda. Isso é para garantir que o motorista tenha uma visão melhor das quedas perigosas.

Uma carteira de motorista internacional é necessária, mas na maioria das vezes, carteiras de motorista da UE ou dos EUA serão aceitas. Há controles policiais frequentes nas estradas e pedágios a serem pagos pelo uso das estradas.

De ônibus[editar]

Existem muitas opções para viajar de ônibus da Argentina para a Bolívia. Existem sites para verificar os horários, mas como sempre na Bolívia, vale a pena verificar no local com antecedência.

Há um ônibus que vai de Juliaca e Puno no Peru para Copacabana. Além disso, serviços de ônibus peruanos para turistas mais comerciais conectam o Peru a La Paz.

Circular[editar]

Ambox warning pn.svg
Bloqueios e greves são uma ocorrência comum na Bolívia, então tente ficar atento às notícias locais. As greves costumam afetar táxis locais, bem como ônibus; as companhias aéreas geralmente não são afetadas. Não tente contornar ou passar por bloqueios! As pessoas podem atirar pedras em seu veículo. Muitas greves duram apenas um ou dois dias.

De ônibus[editar]

O transporte de ônibus na Bolívia é uma maneira barata e bacana de ver as belas paisagens enquanto viaja para o seu destino. Infelizmente, os ônibus costumam viajar apenas à noite. Lembre-se de que as estradas são ocasionalmente bloqueadas devido a protestos, portanto pergunte antes para as empresas no terminal.

A viagem de ônibus costuma ser bem barata. Estime que custará cerca de US$1 para cada hora de viagem (é mais fácil encontrar o tempo de viagem online do que os preços). Os preços mudam com base na oferta e demanda. Os ônibus geralmente não precisam ser reservados com antecedência, especialmente para distâncias comuns servidas por muitas empresas. Há ótimas pechinchas para você: o simples fato de chegar à estação uma hora antes da partida dos ônibus pode dar a você um desconto de 30 a 40%. Porém, como sempre, não compre com o primeiro vendedor que o interceptar. Os vendedores ambulantes estão constantemente clamando por destinos nas grandes estações de ônibus, persuadindo potenciais passageiros a pegar sua linha de ônibus.

Ao contrário da Ásia, onde os ônibus vão quando estão cheios e os horários não são confiáveis, os ônibus na Bolívia são obrigados por lei a ir nos horários que publicam, mesmo que não estejam cheios. Assim, sempre que os horários forem postados ou disponíveis em algum lugar, mesmo que seja apenas de boca em boca, você pode ter certeza de que os ônibus realmente partem dentro de 5 minutos desse tempo. Ou seja, mesmo que o ônibus tenha apenas 5 passageiros você ainda paga o mesmo preço que se o ônibus estivesse totalmente cheio.

De avião[editar]

Voar dentro da Bolívia é rápido e bastante econômico. BoA conecta a maioria das grandes cidades.

  • Amazonas, Av. Saavedra Nº 1649, Miraflores, La Paz, +591 2 222-0848, ✉️ . Mais famosa por sua rota de La Paz a Rurrenabaque, mas também voa para Uyuni, Guayaramerin, Riberalta, Cobija, San Borja, Cochabamba e Santa Cruz. As tarifas estão listadas em seu site
  • Boliviana de Aviación (BoA), Escritório Central em Cochabamba: Calle Jordán #202 esq, +591 901 10 50 10, fax: +591 4 4116477, ✉️ . A companhia aérea nacional da Bolívia. Oferece viagens econômicas entre as principais cidades da Bolívia. Você pode reservar seus ingressos online ou nos escritórios do BoA em Santa Cruz, La Paz ou Cochabamba
  • Ecojet — voa nas rotas usuais das grandes cidades, mas também tem voos para Riberalta e Guayaramerin. O Call Center pode ser contatado pelo telefone: +591 901 10 50 55 (ligação não gratuita).

De trem[editar]

Em algumas rotas, as estradas estão em condições tão precárias que o trem se torna a alternativa de escolha. Os trens são mais confortáveis ​​do que se poderia esperar, tendo, por exemplo, assentos reclináveis. A viagem de Oruro a Uyuni é especialmente bonita, com o trem passando por um lago no caminho.

Vindo de La Paz, você precisa fazer uma viagem de ônibus de três horas até Oruro para pegar o trem. É melhor reservar suas passagens alguns dias antes da viagem. Em [[La Paz[], o escritório de reservas fica na Fernando Guachalla nº 494, na esquina com a Sánchez Lima (entre a Plaza del Estudiante e a Plaza Abaroa). Desde 18 de fevereiro de 2018, a rota entre Uyuni e Villazon está fechada devido a inundações. A reabertura estava prevista para outubro de 2018.

Entre Santa Cruz e o Pantanal é mais direto organizar uma viagem. Basta ir ao Terminal Bimodal em Santa Cruz (veja a página de Santa Cruz para mais detalhes), ou à estação ferroviária na divisa em Puerto Quijarro.

De táxi[editar]

Para viagens mais longas entre vilas e cidades que não são servidas por ônibus, táxis compartilhados são comuns. Os táxis compartilhados não são seguros para os turistas, especialmente se você for uma mulher que viaja sozinha. Para viagens de táxi nas cidades, é bom ter uma ideia do preço, mas a maioria (não todos) os motoristas de táxi são surpreendentemente justos e não cobram demais dos turistas.

A pé[editar]

A Bolívia é um excelente local para caminhadas e trekking, tanto nas montanhas quanto nas exuberantes selvas, proporcionando muitas trilhas interessantes. No entanto, devido à natureza frequentemente remota dessas trilhas, é importante que você esteja bem preparado e tenha um mapa adequado e confiável com você. Além disso, o uso do GPS adiciona uma camada extra de segurança, tanto nas cidades quanto no campo. Para mapas confiáveis ​​(offline), trilhas abrangentes e informações de mapa, consulte o OpenStreetMap, que também é usado por este guia de viagem e por muitos aplicativos móveis.

Veja[editar]

A Bolívia tem seis locais do Patrimônio Mundial da UNESCO. No departamento oriental de Santa Cruz estão o Parque Nacional Noel Kempff Mercado e o sítio Inca El Fuerte em Samaipata. Perto da capital fica Tiwanaku, um sítio arqueológico com vestígios de uma cidade pré-incaica. Finalmente, temos Sucre e Potosí, duas cidades fundadas pelos espanhóis no século XVI.

Além disso, a Bolívia tem o maior deserto de sal do mundo, uma porção do Lago Titicaca com a Isla del Sol e estando localizado no meio da Cordilheira dos Andes — picos de montanhas com mais de 6000 metros.

Faça[editar]

Muitos viajantes dirigem-se à Bolívia para conhecer os principais/populares locais e atrações e frequentemente partem depois de apenas duas semanas. No entanto, a Bolívia oferece muito mais, muitas vezes lugares remotos, bonitos e autênticos com pessoas amigáveis, e você pode facilmente passar um mês ou mais aqui entre as montanhas de alta altitude e as florestas tropicais de planície.

O destino é frequentemente negligenciado ao apontar as atrações, mas na verdade existem inúmeras trilhas de 1 a 12 dias em todo o país, muitas não requerem um guia, enquanto outras são desafiadoras em escaladas de montanhas. A seguir, alguns destinos diferentes para se aventurar:

  • Um passeio de bicicleta por 64 km (40 mi) na Estrada Yungas (também conhecida como Estrada da Morte) onde você poderá ver a diversidade da Bolívia. Saia de La Cumbre a 5.000 m, em um ambiente frio e ventoso, e chegue a Coroico, em um ambiente úmido e tropical. Partes da trilha também podem ser percorridas a pé.
  • Explore as províncias — a Bolívia é um lugar a ser explorado, mas ainda está praticamente intocado. As pessoas são amigáveis ​​no campo. Existem centenas de lugares fora do mapa e muito mais emocionantes do que as agências de turismo e guias de viagem oferecem. No departamento de La Paz, por exemplo, você pode facilmente pegar transporte para lugares como Pelechuco, Charazani, o lado leste do Lago Titicaca, Isla del Sol ou Quime, sem mencionar dezenas de outras aldeias e pequenas cidades. As agências de turismo gratuitas do governo podem ajudá-lo a encontrar transporte.
  • Parque Nacional de Sajama — possui a montanha mais alta da Bolívia, alpinismo, gêiseres e piscinas quentes, planícies silenciosas, além de numerosas espécies de animais, como lhamas, alpacas, flamingos e outros.
  • Sorata — embora muitas vezes o Quime seja enfatizado pela vida de aldeia autêntica e descontraída, pode ser um pouco sonolento para alguns viajantes. Embora a mina em Quime definitivamente valha a pena visitar enquanto estiver lá, Sorata oferece uma experiência muito mais interessante com inúmeras caminhadas de 1 a 12 dias (entre vilas, lagoas ou no alto das montanhas nevadas), muitas delas sem guia. A cidade está muito mais viva, oferece mais opções de hospedagem, tem um animado mercado e pode ser facilmente alcançada a partir do Cemitério La Paz.
  • Terras Baixas Tropicais — os departamentos de Beni e Santa Cruz oferecem muitos parques remotos, sem aglomeração e lindos para caminhadas relaxantes na floresta tropical, safáris de animais ou apenas enormes dunas no meio da floresta tropical. Alguns parques são privados e mais caros, mas existem alternativas administradas pelo governo e baratas, como a Reserva Pilon Lajas e o Parque Nacional Amboró.
  • Balsa no Río Mamoré — se você realmente quer sentir a vida autêntica e às vezes pesada das pessoas locais, passe alguns dias em uma rede (ou cabine) em uma movimentada balsa de carga em direção à fronteira com o Brasil.
  • Parque Nacional Torotoro — muitas pessoas desconhecem este destino. É uma aldeia remota na montanha com uma grande caverna próxima que pode ser escalada e muitas pegadas de dinossauros nas formações rochosas.
  • Maragua (cratera e vila) — embora muitos viajantes passem um tempo em Sucre sem fazer muito e aproveitando a vista, eles frequentemente se esquecem das belas e interessantes montanhas circundantes que oferecem muitas oportunidades.
  • Villa Tunari — um ponto de encontro entre os viajantes bem informados devido aos seus populares parques nacionais próximos, como o Parque Machía e o Parque Nacional Carrasco, muitos dos quais são populares por serem apoiados por voluntários internacionais. Além disso, a região é famosa por seu agradável clima tropical.

Compre[editar]

Dinheiro[editar]

Taxas de câmbio para moeda boliviana
Em janeiro de 2020:

US$ 1 ≈ Bs. 7
€ 1 ≈ Bs. 8
£ 1 ≈ Bs. 9

As taxas de câmbio flutuam. As taxas atuais para essas e outras moedas estão disponíveis em XE.com

A moeda nacional é o boliviano (código ISO: BOB), denotado por Bs. (com ponto). As cédulas vêm em valores de 200, 100, 50, 20 e 10; as moedas estão em 5, 2 e 1 Bs. e 50, 20 e às vezes 10 centavos. É difícil fazer contas maiores que Bs. 50 em lojas ou vendedores menores.

Os bolivianos podem ser trocados por dólares americanos, euros e a maioria das moedas sul-americanas nas casas de câmbio ou em vendedores ambulantes. No entanto, pode ser difícil trocar dinheiro além de euros e dólares americanos por um bom preço. Negocie, pois a maioria dos vendedores tentará ganhar dinheiro com os turistas.

No entanto, as agências de rua (pelo menos em La Paz) têm taxas de câmbio muito competitivas em dólares americanos (e até em euros), com taxas geralmente inferiores a 1%. Às vezes, as taxas do dólar americano são, na verdade, melhores do que as taxas interbancárias, seja devido à necessidade de dólares ou porque a taxa está atrasada. De qualquer forma, verifique as taxas antes de trocar dinheiro.

Os bancos são um pouco menos favoráveis, mas é claro que são mais seguros. Caso contrário, dólares americanos são aceitos em hotéis, lojas turísticas e para grandes compras, com taxas menos favoráveis.

Caixas eletrônicos[editar]

Usar caixas eletrônicos é a maneira mais conveniente e eficaz de obter dinheiro na Bolívia. Taxas altas como na Argentina não existem.

O BCP e BNP são bons bancos para obter dinheiro. O Mercantil Santa Cruz e o Banco Fie também não cobram nenhuma taxa. O Banco Union cobrou uma sobretaxa de 5% não mencionada em 2012, mas já não o faz. Muitos outros caixas eletrônicos afirmam distribuir dólares americanos, mas na maioria das vezes isso não ocorre.

Compras[editar]

A Bolívia é popular por sua comida e produz muitos alimentos, incluindo a stevia natural de qualidade consideravelmente alta. Eles vendem 80 g por cerca de Bs. 40. A stevia vendida em mercados turísticos é cristalina e de má qualidade, não desperdice seu dinheiro com isso. Este último custa apenas metade do preço (se você for bom em pechinchar) em comparação com o vendido em drogarias.

A Bolívia é um ótimo lugar para consertar coisas, porque há muitos trabalhadores manuais por aí, eles fazem um trabalho muito bom e é muito barato. Portanto, se você tem um par de suas botas favoritas, fones de ouvido quebrados ou apenas roupas que você adora e que sempre quis ter reparado ou renovado, a Bolívia é o lugar para isso. Especialmente ao viajar por mais tempo, coisas que precisam de conserto podem se acumular. Em casa, muitas vezes é mais barato comprar coisas novas em vez de consertar, mas aqui não — aproveite a chance!

As taxas de serviço estão incluídas na conta. Mesmo assim, às vezes é dada uma pequena gorjeta, cerca de 5%, e é considerada educada. Não é necessária gorjeta para motoristas de táxi.

Barganhar não é muito comum no dia a dia. Geralmente, mesmo como turista, você obterá um preço justo. Alguns podem adicionar Bs. 1 aqui ou ali, especialmente em pontos turísticos, mas o roubo que é comum em países como Egito ou Vietnã não acontece na Bolívia. As pessoas geralmente são muito justas umas com as outras aqui. Essa situação de barganha obviamente não se aplica a pacotes de passeios — barganhe o máximo que puder com eles.

Coma[editar]

A culinária da Bolívia pode ser resumida em carne e batatas — as últimas foram cultivadas pelos incas antes de se espalharem pelo mundo. A carne mais comum é a bovina, embora frango e lhama também sejam facilmente encontrados. A carne de porco é relativamente comum. Fritar é o método comum de preparar todos os tipos de carne, e o frango frito é um prato rápido muito popular; às vezes o cheiro permeia as ruas das cidades bolivianas.

As cobaias (porquinho-da-índia) e os coelhos são consumidos nas áreas rurais, embora às vezes você também possa encontrá-los em restaurantes urbanos. Um condimento comum servido com pratos bolivianos é o ll'ajwa, um molho picante.

Passeie pelas ruas das cidades bolivianas e verá o cardápio do dia daquele restaurante. A maioria tem pelo menos 2 opções de pratos principais para escolher. Almoços custam em qualquer lugar entre Bs. 15-25 dependendo do restaurante ou pensão. Alguns pratos bolivianos notáveis:

  • Pique a lo macho — pedaços de carne grelhados em um molho levemente picante com tomate e cebola, na batata
  • Silpancho — carne moída em um hambúrguer fino, do tamanho de um prato, servido em uma cama de arroz e batatas, com um ovo frito por cima
  • Anticucho — corações de carne grelhados no espeto, servidos com batatas e molho picante de amendoim
  • Salchipapa — linguiça em fatias finas frita com batatas
  • Choripan — sanduíche de linguiça picante, servido com cebolas grelhadas e muito molho

Os lanches do meio da manhã geralmente consistem em qualquer um dos vários pães recheados com carne:

  • Salteña — pão assado recheado com carne e batatas ao molho ligeiramente adocicado ou picante. Tenha cuidado ao dar uma mordida, pois o molho vai pingar todo!
  • Tucumana — como salteña mas frito
  • Empanada — semelhante a uma salteña, geralmente recheada com queijo e também com carne
  • Cuñape — um pãozinho recheado com queijo, semelhante ao pão de queijo brasileiro. O pão é feito com farinha de mandioca.

Muitas pessoas também começam o dia com uma mistura de frutas. Algumas barracas podem ter mel, nozes ou gelatina por cima, se você quiser. Os vegetarianos encontrarão opções decentes a muito boas em lugares gringos em todo o país. Mas também nos mercados há boas opções vegetarianas em oferta (geralmente batatas, arroz, ovo frito e salada por cerca de 7 Bs). Em cidades maiores, existem alguns restaurantes (decentes a bons) totalmente vegetarianos.

A coca faz parte da cultura andina há séculos e a mastigação ainda é muito comum e permitida (mas cocaína é ilegal). Você deve conseguir comprar um grande saco de folhas secas no mercado local. A coca é um estimulante e também suprime a fome. Mastigar um punhado de folhas por alguns minutos deve causar uma leve dormência nos lábios e na garganta. Lembre-se disso, apenas mastigue a folha; se você comer a folha de coca, ficará com o estômago muito doente.

Beba[editar]

Existem bares na maioria dos mercados. Shakes (com água ou leite) são em torno de Bs. 2-3. Algumas bebidas populares na Bolívia:

  • Licuado - água ou leite misturado com sua combinação de frutas. Uma colher grande de açúcar será adicionada, a menos que você especificamente peça a eles que não. Experimente o licuado de leite e mamão. Você provavelmente deve perguntar se a água adicionada é de botella (garrafa) ou da torneira (não recomendado).
  • Vitaminico — não pergunte o que tem aqui. Muitas frutas, leite, açúcar, uma dose de cerveja e, se quiser, um ovo inteiro (com casca).
  • Mocochinchi — uma bebida feita pela mistura de pêssegos e especiarias em água. Muito bom, mas algumas pessoas se incomodam com o pêssego murcho que normalmente é servido com cada copo.
  • Api — bebida tradicional à base de milho, normalmente encontrada nas feiras livres. Se você não soubesse que era milho, nunca iria adivinhar, porque esse é muito bom.

Álcool[editar]

A bebida alcoólica tradicional da Bolívia é a chicha, uma bebida fermentada amarga e esbranquiçada feita de milho e bebida em uma tigela hemisférica feita de uma cabaça oca. É comum derramar um pouco de chicha no chão antes e depois de bebê-la como oferenda a Pachamama, a deusa inca da Terra.

O singani é um licor de uva que é misturado com Sprite ou Ginger. Há uma série de cervejas locais, sendo a maior a Paceña. El Inca é uma cerveja de baixo teor alcoólico muito doce. Os cocktails de laranja também são uma bebida popular! Tarija está localizada a 1924 metros acima do nível do mar e é conhecida por sua vinificação, vastos vinhedos e vinhos premiados. Você pode visitar e degustar.

Durma[editar]

Você pode encontrar hospedagem a preços bastante razoáveis ​​em todo o país, de locais simples a hotéis de luxo. Em acomodações simples, o WiFi não é comum, apenas se for para turistas.

Não há grande variedade de hotéis em cidades menores, exceto os típicos pontos turísticos. Mas mesmo em locais normais e básicos você só paga por pessoa (Bs. 30-60) e não por quarto. Então, você pode acabar pagando Bs. 40 por um quarto com 4 camas, uma delas ocupada por você.

Fora das grandes cidades, os preços dos hotéis são consideravelmente mais baratos se você for pessoalmente do que online. Nas grandes cidades, porém, você achará difícil encontrar uma pechincha e é melhor reservar online.

Segurança[editar]

Use o bom senso e tome as precauções que se aplicam a outros lugares. Todos os turistas devem ter cuidado ao selecionar um guia de viagem e nunca aceitar medicamentos de fontes não verificáveis. Veja outras dicas:

  • As mulheres devem ter cuidado ao viajar sozinhas.
  • À noite, fique atento ao pegar um táxi, pois táxis falsos são comuns e ocorrem roubos e até estupros.
  • É uma boa ideia se registrar no consulado do seu país ao entrar no país. E também é útil aprender pelo menos o espanhol básico para se manter um pouco seguro.
  • Não aceite lanches ou bebidas de passageiros no ônibus. Embora muito provavelmente eles queiram apenas ser gentis, houve casos em que passageiros foram drogados e roubados durante viagens noturnas. Diga "no, gracias".
  • Sempre seja cauteloso e desconfiado quando for abordado por alguém ou faça amizade com um estranho na rua. Os bolivianos geralmente são muito fechados com os estrangeiros. É melhor você se afastar imediatamente de tal situação.
  • Em geral, se você viajar por rotas menos turísticas, você estará mais seguro, exceto pelos perigos gerais como o tráfego. Os criminosos que têm como alvo os turistas sempre estarão sempre onde podem esperar uma grande oferta. Esperar no meio do nada por um turista não é o que eles procuram. Portanto, se você gosta de viagens e experiências autênticas, estará seguro ao mesmo tempo.
  • Há muitos cães nas ruas da Bolívia, especialmente em cidades e vilarejos menores. Os cães são geralmente amigáveis.

Golpe do policial à paisana[editar]

Este golpe ocorre especialmente em cidades como La Paz, Cochabamba e Sucre, basicamente em todos os lugares onde se espera maior quantidade de turistas. Em regiões remotas da Bolívia, a frequência de turistas a ser almejada é muito baixa e os viajantes para essas regiões remotas geralmente estão mais atentos e geralmente conhecem melhor o país.

O golpe: Geralmente, os viajantes — sozinhos ou em pares — são alvo de roubos no centro da cidade ou em um ônibus. Normalmente, um jovem (um cúmplice) tenta iniciar uma conversa sobre hotéis e afirma estar hospedado no mesmo que o alvo. Alternativamente, ele pode lhe pedir direções (para destinos simples), ou iniciar qualquer conversa para fazer amizade com você. Então, um "policial disfarçado" (também conhecido como policial à paisana) chegará ao local por causa de "dificuldades no passaporte" ou "revistas de drogas". Então, o cúmplice alegará que a mesma coisa aconteceu com ele e que é melhor apenas cooperar.

A vítima é levada até um veículo, sua bagagem é revistada e o dinheiro desaparece dela; normalmente a pessoa só perceberá após o incidente. Algumas pessoas tiveram todos os seus pertences roubados dessa forma — incluindo anéis de dedos. Pior ainda, se o criminoso descobrir que nenhum dinheiro ou valor está em sua bagagem, a situação pode ficar ainda mais feia — um casal austríaco foi encontrado assassinado em 2006 depois de seguir a polícia falsa até um táxi.

Conselhos: Nunca mostre quaisquer objetos de valor ou dê seu passaporte, ou qualquer coisa que possa ser usada como resgate a ninguém. Sempre carregue uma cópia e mostre se necessário, mesmo com hotéis. Se alguém se opuser, fale que você perdeu e agora tem que conseguir uma nova ou crie outra história.

Nunca entre em um táxi com o falso policial ou alguém que você não conhece, mesmo que essa pessoa esteja com o seu passaporte. Se você entrar em um táxi, ele não terá apenas o seu passaporte, mas também a sua vida nas mãos. Observe, um passaporte sempre pode ser substituído na próxima embaixada, uma vida não pode.

Nunca traga grandes quantias de dinheiro e nunca guarde todo dinheiro na mochila. Distribua, esconda também nas calças. A propósito, as mochilas costumam ter espaço entre as camadas de tecido, onde normalmente ninguém esperaria que houvesse alguma coisa. Você pode aproveitar esses lugares para guardar dinheiro e cartões de crédito.

O verdadeiro policial à paisana recebe ordens estritas de não incomodar os turistas. Portanto, qualquer caso deve soar estranho imediatamente para você. Se puder, ligue 110, que é o número para emergências. Se necessário, insista em ser levado a pé até a próxima delegacia antes de dar acesso às suas coisas ou até mesmo caminhe até lugares movimentados próximos, por exemplo, uma praça central, e procure a ajuda de policiais uniformizados lá. Fique nas estradas principais e movimentadas!

Se você se sentir seguro o suficiente para isso, grite "policía!" tão alto quanto você puder. Este golpe raramente existe, mas ainda existe. Eles geralmente têm como alvo viajantes com os quais possam lidar com facilidade, ou seja, jovens na casa dos 20 anos, ingênuos e sozinhos.

Saúde[editar]

Algumas partes da Bolívia como La Paz (3.650 m), Potosí (4.010 m), Oruro (3.950 m) e a região do Lago Titicaca (3.400 m) são de grande altitude, portanto, devem ser tomadas precauções adequadas contra o mal da altitude. Nas farmácias locais, eles vendem remédios que supostamente ajudam no problema de altitude. Tem também ervas naturais para ajudar a lidar com os sintomas.

Além disso, os raios ultravioleta do sol são muito fortes, até 20 vezes do que ao nível do mar. Aconselha-se chapéu, óculos de sol e proteção para a pele (protetor solar ou mangas compridas). A vacinação contra a febre amarela é indicada para quem pretende passar uma temporada na Amazônia boliviana. Ele deve ser tomada 10 dias antes da sua chegada ao país, se você pretende visitar áreas rurais.

A profilaxia da malária também é recomendada se o visitante planeja visitar áreas rurais tropicais. Como medida preventiva, recomenda-se tomar as seguintes vacinas: vacinas de reforço contra hepatite A, hepatite B e tétano, difteria e sarampo.

Não se deve beber água da torneira. Compre água engarrafada ou ferva a água da torneira primeiro. Problemas de estômago são possíveis (comida suja, etc.).

Respeite[editar]

Não use a palavra "índio" na Bolívia para descrever os povos nativos, pois é considerado ofensivo. O termo que usam é "granjero", que pode ser traduzido como camponês ou indígena. Um "cholo" é um nativo que se mudou para a cidade e, embora originalmente depreciativo, tornou-se mais um símbolo do poder indígena. No entanto, alguns moradores ainda usam a palavra "cholo" como um termo depreciativo.

A cultura boliviana é muito calorosa e amigável; é rude não dizer "buen día" ou "buenos días" aos outros. Também é comum ceder seu assento em um ônibus municipal para alguém mais velho que você e os homens cederem seus lugares para mulheres. Por sua vez, outros cederão seus lugares por você se você for um pouco mais velho do que eles.

Conectar[editar]

A Bolívia tem três empresas de telefonia celular: Entel, Tigo e Viva. Todos as três têm pontos de venda em praticamente todos os quarteirões das grandes cidades. Se você ficar por um tempo, considere comprar cartões SIM para seus celulares. Eles são muito baratos e você obtém uma boa cobertura de rede em todas as principais cidades.

A Entel vende chamadas internacionais com bons preços para seus SIMs, ou seja, você pode comprar 10 minutos por Bs. 20 (para ser usado em um dia, desconecta automaticamente após a expiração). Você precisará de uma fotocópia do seu passaporte e do telefone celular que usará. Embora os telefones públicos tradicionais ainda existam, você também pode fazer chamadas locais por Bs. 1 de telefones em quiosques.

Os cybercafés estão se tornando menos prevalentes com a disseminação de celulares, tornando o acesso à internet mais acessível. As taxas gerais estão em torno de Bs. 1,50–2,50 por hora. Muitos cafés têm WiFi grátis para clientes, embora a velocidade possa variar dependendo do número de usuários conectados.


Este artigo é um guia. Ele tem informações repletas sobre o assunto abordado, mas especificações podem faltar.

Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!