Baixe o arquivo GPX para este artigo

Parque Estadual do Jalapão

Fonte: Wikivoyage
América do Sul > Brasil > Norte (Brasil) > Tocantins > Parque Estadual do Jalapão
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


O Parque Estadual do Jalapão fica no Tocantins

Entenda[editar]

Parque Estadual do Jalapão. Vista do topo da mais alta duna do parque

A região do Jalapão em Tocantins é repleta de rios, cachoeiras, fauna e flora. Região conhecida por rios de águas cristalinas, praias, deserto, vegetação do cerrado e pelas jóias de capim dourado.

O município de Ponte Alta, a 187 km da capital tocantinense, é conhecido como o portal de entrada do Jalapão, local onde os turistas entram no clima de safári ecológico seguindo em direção a serra geral e afastando-se dos locais mais povoados.

No caminho a extensão da vegetação do cerrado e a primeira parada com o início das descobertas do que são os “Encantos do Jalapão”. No Canyon de Susuapara as poucas gotículas de água que caem do imenso paredão rochoso refrescam os turistas, em seu primeiro contato com as belezas da região, ainda sem imaginar as que estão por vir.

A viagem segue totalizando 300 km de Palmas ao Jalapão. No local pode-se praticar o turismo de aventura, a canoagem e tomar banho em rios de água cristalina. Próximo ao município de Mateiros, o quesito oásis jalaponeses são reforçados com o desafio da densidade da areia nas duas nascentes de água da região chamadas de fervedouro. Elas formam uma espécie de piscina que não permite que os banhistas afundem. A sensação de ser empurrado pela areia e ficar flutuando é algo que impressiona a todos.

A região, que também se compõe com cachoeiras como a do Formiga, uma pequena queda fascinante aos olhos que qualquer pessoa por sua água cristalina em tom esverdeado que permite ver o fundo deste recanto natural.

Mais nem só de águas se formam os encantos do Jalapão. As atrações são diversas. Em meio às árvores retorcidas do cerrado, em que se escondem aves e outros animais, também é possível encontrar plantas próprias da região como a Jalapa, que gerou o nome Jalapão, e a delicadeza de algumas flores com suas formas, cores e tamanhos distintos.

No meio destas mesmas árvores é possível entrar por uma trilha e de repente se deparar com um belo lago e, mais adiante, com uma imensidão de areia que formam as dunas do Jalapão. Ladeada por um riacho que corre tranqüilamente à sua beira, as dunas tem uma coloração alaranjada que reflete ainda mais aquele deserto com os raios no pôr do sol.

Tão agradável quanto às dunas, a vista do mirante da Serra do Espírito Santo, é a recompensa pelos 500 metros de subida. Para os amantes da natureza, a indescritível visão do vale que parece ilimitado do alto da serra e suas diversas variedades de plantas do cerrado enchem os olhos tanto quanto a vista da erosão provocada naturalmente pela ação do vento e das chuvas que parecem esculpir a serra, formando um maravilhoso canyon.

Um espetáculo à parte é a visita à Cachoeira da Velha, a maior do Jalapão, com 20 metros de largura. Alimentada pelo Rio Novo, a força da água provoca uma leve garoa nas proximidades do local, deixando o clima agradável.

História[editar]

O Parque Estadual do Jalapão foi criado em 12 de janeiro de 2001 pelo então governador do Tocantins Siqueira Campos como alternativa e pólo turístico da região centro-oeste brasileira.

Paisagem[editar]

Flora e fauna[editar]

A Flora da região se caracteriza por savanas em variados ingredientes.

A Fauna regional é bastante diversificada e caracterizada por apresentar animais de pequeno, médio e grande porte.

Mamíferos: onças, veados, anta, raposa, lobo guará, tamanduá, macacos, porco queixada, caitetu, cutia, paca, capivara, tatu.

Repteis: cobras, jibóia, cascavel, jaracuçu, cipó, caninana, sucuri, teiú, camaleão, a maioria destes de hábito noturno.

Aves: araras, papagaios eperiquitos, ema, sariema, anu, pássaro - preto, urubu, urubu rei, perdiz, juriti, tucano, quero-quero (tetéu).

Anfíbios: sapos, pererecas e rãs; Peixes: piabanha, caranha, jaú, mandi, pacu, traíra, piau, piabas, surubim, barbados.

Clima[editar]

O clima da região é tropical-continental com duas estações bem definidas, uma "chuvosa" entre outubro e abril e outra de seca entre setembro e maio.

Chegar[editar]

Taxas e permissões[editar]

Circule[editar]

Veja[editar]

Faça[editar]

Atividades[editar]

Compre[editar]

Coma[editar]

Beba[editar]

Durma[editar]

Hospedagem[editar]

Camping[editar]

No campo[editar]

Segurança[editar]

Partir[editar]

Este artigo está delineado e precisa de mais conteúdo. Ele já segue um modelo adequado mas não contém informações suficientes. Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!