40127Map mag.png

Coreia do Norte

Fonte: Wikivoyage
Ásia > Extremo Oriente > Coreia do Norte
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
noframe
Bandeira
Informações básicas

A Coreia do Norte (em coreano: 조선 Chosŏn), oficialmente República Popular Democrática da Coreia ou RPDC (조선민주주의인민공화국 Chosŏn Minjujuŭi Inmin Konghwaguk) é o país mais isolado do mundo. Está localizado no leste da Ásia, na península coreana, que foi dividida entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul desde a década de 1950.

Os turistas só podem viajar para a Coreia do Norte com um guia. Os visitantes são constantemente monitorados para evitar atividades "impróprias", como desrespeito ao Grande Líder.

Cerca de 1.500 turistas ocidentais visitam a Coreia do Norte todos os anos. A maioria completa a jornada sem incidentes, desde que sempre siga seus guias. Você não deve viajar para a Coreia do Norte se não estiver preparado para aceitar limitações severas.

Regiões[editar]

North Korea Regions Map.png
Costa Donghae (Chongjin, Hamhung, Rason, Kangwon)
Montanhas Baekdu (Ryanggang, Chagang)
Pyongan (Pyongan do Norte/Sul, Kaechon, Nampho, Pyongyang, Shinuiju)
Hwanghae (Hwanghae do Norte, Hwanghae do Sul, Kaesong)


Cidades[editar]

  • 1 Pyongyang (평양) — capital do país
  • 2 Chongjin (청진) — cidade industrial do norte
  • 3 Hamhung (함흥) — cidade popular entre turistas, no norte
  • 4 Kaechon (개천)
  • 5 Kaesong (개성) — capital durante a disnatia Goryeo
  • 6 Nampho (남포) — porto e centro industrial
  • 7 Rason (라선) — próxima da Rússia
  • 8 Sinuiju (신의주) — perto da China
  • 9 Wonsan (원산) — na costa leste

Entenda[editar]

a.C. até 1910[editar]

Diz a lenda que a formação da Coreia começou com a fundação de Gojoseon. Registros arqueológicos de Gojoseon como um reino datam de cerca de 7 a 4 séculos a.C. Gojoseon acabou sendo derrotado pela dinastia chinesa Han em 108 a.C., mas isso não durou muito. Os nativos da península logo recuperaram o território. O reino Goguryeo (ou Koguryo) governou toda a área da moderna Coreia do Norte. Goguryeo adotou o budismo como religião do Estado por volta de 372.

Apesar das repetidas tentativas da China, nomeadamente da Dinastia Sui e mais tarde da Dinastia Tang, de conquistar a Península Coreana, Goguryeo conseguiu repelir eles. Eventualmente, território foi unificado sob a dinastia Silla, que posteriormente foi substituída pela dinastia Goryeo (também chamada Koryo), da qual deriva o nome moderno "Coreia".

O aprendizado budista se espalhou durante esse período. O reino viu relativa paz até os séculos VIII e IX. Durante este período, a nação sofreu invasões mongóis, o que levou à agitação e ao eventual estabelecimento da Dinastia Joseon em 1392.

A Dinastia Joseon foi uma das dinastias mais antigas do mundo, governando de 1392 a 1910. O governo do Rei Sejong ajudou a criar a escrita coreana, o que permitiu que até os plebeus se alfabetizassem. Ele também expandiu o poder militar do país para expulsar piratas japoneses e nômades do norte e recuperar territórios que haviam sido perdidos.

Os japoneses invadiram a Coreia sob a liderança de Toyotomi Hideyoshi, embora a Dinastia Joseon tenha conseguido expulsá-los com o apoio da Dinastia Ming da China. Apesar de suas perdas, a nação experimentou cerca de 200 anos de paz, e suas políticas isolacionistas permitiram que ela desenvolvesse ainda mais uma cultura e identidade coreanas únicas.

A rápida modernização provocada pela Segunda Revolução Industrial criou tensão entre a China e o Japão ao sentirem as pressões do expansionismo ocidental, cada um querendo estender sua influência sobre a Coreia. As guerras que se seguiram entre Japão, China e Rússia levaram ao aumento da influência japonesa sobre a península, fazendo com que o Japão anexasse a Coreia em 1910, marcando o fim da dinastia Joseon.

1945 até presente[editar]

O Japão governou a Coreia como uma colônia até sua derrota na Segunda Guerra Mundial em 1945. Durante esse período, o Japão instituiu uma política de assimilação cultural, obrigando os coreanos a adotar nomes japoneses e proibindo-os de falar a língua coreana.

O Japão foi forçado a desistir do controle de todas as suas colônias após a derrota na Segunda Guerra Mundial em 1945, e as potências aliadas dividiram a Coreia ao longo do Paralelo 38, com a União Soviética ocupando a metade norte e os Estados Unidos ocupando a metade sul. A divisão deveria ser temporária; no entanto, a luta pelo poder entre as duas nações levou cada uma a estabelecer governos dentro de seus territórios recém-criados.

A agitação entre o Norte e o Sul chegou ao auge em 1950, com a Guerra da Coreia. A guerra finalmente resultou na assinatura de um armistício em 1953, mantendo em grande parte as fronteiras estabelecidas antes da guerra. Como nenhum tratado de paz foi assinado desde o armistício, as nações da Coreia do Sul e Coreia do Norte ainda estão oficialmente em guerra.

Com a nação em ruínas após a guerra, Kim Il-Sung liderou o país. A Guerra da Coreia não apenas dividiu o povo, mas também dividiu a força de trabalho. O Norte tinha a maioria das indústrias do país, enquanto o Sul era o centro agrícola. Essa divisão permitiu que a Coreia do Norte se recuperasse inicialmente mais rápido do que o Sul no processo de reconstrução.

A União Soviética financiou os esforços agrícolas no Norte. Com o fim da ajuda soviética após sua dissolução em 1991, não havia como continuar a atender às necessidades de combustível, fertilizantes e equipamentos dos sistemas agrícolas. O sistema agrícola do Norte entrou em colapso, levando à fome generalizada e à morte de inúmeros norte-coreanos. A morte de Kim Il-Sung em 1994 ocorreu enquanto a nação tentava lidar com a crise. Kim Jong-Il assumiu a posição de seu pai.

A morte de Kim Jong-Il no final de 2011 criou uma incerteza durante a transferência do poder para seu filho Kim Jong-Un; embora o país pareça ter se estabilizado desde então, tensões ​​ocorreram de forma intermitente.

Paisagem

Clima[editar]

O clima é geralmente classificado como continental, com chuvas concentradas no verão. Os meses de verão são quentes, mas as temperaturas no inverno podem cair até -30°C. As secas do final da primavera são frequentemente seguidas por inundações severas. Há tufões ocasionais durante o início do outono. Há principalmente colinas e montanhas separadas por vales estreitos.

Chegar[editar]

Visto

Visitar a Coreia do Norte pode ser desafiador e você não terá a liberdade de explorar o país sem uma guia norte-coreana, seja como parte de um grupo ou individual. As condições de entrada mudam com frequência e sem aviso prévio, dependendo da situação geopolítica. Por exemplo, a Coreia do Norte ficou praticamente fechada ao turismo entre outubro de 2014 e março de 2015 devido ao ebola, apesar de não haver casos da doença no país ou em qualquer lugar próximo.

Visto[editar]

De acordo com a lei norte-coreana, todos precisam de visto para visitar a Coreia do Norte. As agências de turismo geralmente lidam com o visto, embora em alguns casos os turistas sejam obrigados a fazer uma breve entrevista por telefone com a embaixada norte-coreana para verificar sua identidade e seu trabalho. Na maioria dos casos, a entrevista é conduzida de forma amigável, por isso não há nada para se preocupar.

Os preços de grupos de turismo começam em cerca de US$1000 para 5 dias, incluindo acomodação, refeições e transporte de Pequim, mas podem aumentar consideravelmente se você quiser viajar pelo país ou "independentemente". Os vistos geralmente são confirmados apenas no dia anterior ao passeio, mas raramente um turista será rejeitado, a menos que você mostre que tem status político ou é jornalista.

Ao ingressar em um grupo, os vistos geralmente são emitidos em folhas separadas contendo todos os membros do grupo, anexados a um cartão com o nome do líder da excursão. Este visto em si nunca é entregue aos turistas, embora os turistas possam pedir para tirar uma foto do seu visto. Em qualquer caso, nenhum carimbo será colocado no passaporte. A única maneira de ser carimbado é quando o visto é emitido dentro de uma embaixada norte-coreana na Europa.

  • 1 Embaixada em Brasília — conj. 10, casa 11, Lago Sul, 71660-300 Brasília, Distrito Federal, (61) 3367-1940 , fax:(61) 3367-3177, . Das 09:00 às 12:00h e 14:00 às 18:00j
  • 2 Embaixada em Lisboa Av. Miguel Bombarda 36, 1050-165 Lisboa, Portugal
Restrições

Jornalistas ou suspeitos de serem jornalistas precisam de permissão especial, que é bastante difícil de obter. Os norte-coreanos não permitem que jornalistas visitem o país com um visto de turista. Cidadãos da Malásia estavam sendo impedidos de deixar a Coreia do Norte após o assassinato de Kim Jong-Nam em março de 2017, quando a Malásia queria interrogar vários diplomatas e cidadãos norte-coreanos. Embora as restrições para os malaios tenham sido suspensas, a era das viagens sem visto entre esses países antes relativamente "amigáveis" acabou.

Os cidadãos da Coreia do Sul não têm permissão para entrar na Coreia do Norte. Cidadãos sul-coreanos podem enfrentar uma longa sentença de prisão sob a Lei de Segurança Nacional (국가보안법) se não obtiverem permissão para viajar de antemão. Cidadãos sul-coreanos que viajam para a Coreia do Norte com passaporte de um país diferente ainda correm o risco de serem processados.

Após a morte em junho de 2017 de um turista norte-americano, muitos grupos não aceitarão mais cidadãos dos EUA em seus passeios. A maioria das pessoas que viajam para a Coreia do Norte viajará por Pequim.

De avião[editar]

Air Koryo

Todos os voos internacionais passam pelo Aeroporto Internacional Sunan de Pyongyang (IATA: FNJ). Nenhum outro aeroporto norte-coreano recebe voos internacionais. Apenas duas companhias aéreas comerciais voam para Sunan: a Air Koryo, a companhia aérea nacional norte-coreana, e a Air China. Em agosto de 2013, nem a Aeroflot nem a China Southern Airlines voavam para a Coreia do Norte.

A única companhia aérea da Coreia do Norte, a Air Koryo, tem voos programados de Pequim, que partem às 11h30 todas as terças e sábados e retornam de Pyongyang às 09h nos mesmos dias. A Air Koryo também voa de e para Shenyang todas as quartas e sábados e para Vladivostok todas as terças de manhã.

A Air Koryo foi classificada por muitos anos como uma companhia aérea de 1 estrela (ruim). Ela havia sido proibido na UE devido a preocupações com a segurança. A frota da Air Koryo consiste inteiramente em aeronaves de fabricação soviética ou russa, com o orgulho de sua frota sendo dois Tupolev Tu-204, que agora geralmente lidam com a rota principal Pequim-Pyongyang, bem como a rota Pyongyang-Shenyang.

A Air China, membro da Star Alliance, voa três vezes por semana de Pequim a Pyongyang usando Boeing 737. A Air China é preferida pela maioria à Air Koryo devido à sua frota muito mais moderna.

De trem[editar]

O trem K27/K28 conecta Pyongyang a Pequim na China quatro vezes por semana. Há apenas uma classe no trem. A passagem pode ser reservada na estação de Pequim, mas as reservas devem ser feitas com vários dias de antecedência. Sua agência de turismo geralmente fará isso para você, a menos que você esteja viajando a trabalho. Tem sido cada vez mais difícil reservar espaço na rota Pequim-Pyongyang, portanto, confirme seus ingressos com antecedência.

Uma vez por semana, o trem K27/K28 também transporta vagões-dormitório direto de Moscou para Pyongyang. A partida de Moscou é toda sexta-feira à noite, a chegada a Pyongyang é uma semana depois na sexta-feira à noite. A partida de Pyongyang é no sábado de manhã, a chegada em Moscou é na sexta à tarde.

Alguns preferem atravessar a fronteira de Dandong, China, para Sinuiju de microônibus e depois embarcar em um trem norte-coreano para Pyongyang. Há acesso a um vagão restaurante que oferece cervejas importadas (Heineken) e refrigerantes, bem como algumas cervejas e destilados locais. Este trem supostamente levaria apenas 4 horas para Pyongyang, mas sabe-se que leva 14. Se viajar no inverno, esteja preparado para temperaturas dentro dos vagões tão baixas quanto -10°C.

Há também uma ligação ferroviária direta da Rússia para a Coreia do Norte. Esta rota é o trem Transiberian Rossiya entre Moscou e Vladivostock. De lá, são seis horas até a fronteira em Tumangan, depois um trajeto de 24 horas até Pyongyang. Ele funciona semanalmente, mas como um trem direto apenas duas vezes por mês (11 e 25), chegando a Pyongyang 9 dias depois. Esta rota costumava ser fechada para os ocidentais, mas a partir de 2018 está disponível, desde que você tenha o visto correto e outros documentos.

De barco[editar]

Havia um navio não programado entre Wonsan e Niigata, no Japão. Disponível apenas para uso por alguns cidadãos japoneses e norte-coreanos, o serviço de barco foi suspenso indefinidamente devido aos testes nucleares da Coreia do Norte; O Japão proibiu todos os navios norte-coreanos de entrar nos portos japoneses e proibiu os norte-coreanos de entrar no país. Tenha cuidado ao chegar muito perto da fronteira norte-coreana em um barco.

Além da balsa não programada, há também um navio de cruzeiro que opera entre a costa do nordeste da China e o Monte Kumgang. Operada conjuntamente pela China, é utilizado um navio de 40 anos. A viagem de cruzeiro tem 22 horas de duração, mas cidadãos não chineses não são permitidos.

De ônibus[editar]

Um ônibus está disponível de Dandong, China. É administrado pela "Dandong China Travel Company", mas está aberto apenas a cidadãos chineses.

Circular[editar]

Todas as suas necessidades de transporte serão tratadas pela sua agência. Na maioria das vezes, isso significa ônibus, embora grupos que visitam locais remotos ocasionalmente usem voos fretados pela Air Koryo. Andar por conta própria não é permitido, e você é obrigado a ter um guia para acompanhá-lo o tempo todo.

Um passeio em uma estação cuidadosamente gerenciada de Pyongyang está incluído no itinerário da maioria das viagens, mas o uso de qualquer outra forma de transporte público local geralmente é impossível. Outro passeio é o trem de Pyongyang até a cidade fronteiriça de Sinuiju.

Fale[editar]

Escrita

A língua oficial é o coreano. Os norte-coreanos são bastante exigentes em se referir ao coreano como chosŏn-mal (조선말). A língua é drasticamente diferente de qualquer língua ocidental em sua gramática, e a pronúncia é bastante difícil.

Apesar de 60 anos de separação, a língua na Coreia do Norte e na Coreia do Sul é praticamente a mesma. As principais diferenças estão em torno da grande quantidade de substantivos ingleses que a Coreia do Sul tomou emprestados, enquanto a Coreia do Norte usa palavras derivadas de indígenas ou russos. As descrições das estruturas políticas e sociais também são completamente diferentes; palavras que se referem à família governante Kim estão sempre em negrito na Coreia do Norte.

Todas as fontes para aprender coreano no exterior ensinarão o sul-coreano, que tem um uso ligeiramente diferente: algumas letras têm nomes diferentes, a ordem de classificação é diferente e existem algumas pequenas diferenças na pronúncia e na ortografia.

A Coreia do Norte usa seu próprio sistema exclusivo para romanização do coreano. A maioria dos guias falará inglês razoavelmente decente e traduzirá para você. Alguns guias também falam mandarim, alemão, russo, japonês e espanhol. Não existe nenhuma lei que impeça os cidadãos da RPDC de interagir com os turistas, embora os habitantes locais sejam frequentemente desencorajados a falar com estrangeiros e a língua possa ser uma barreira adicional.

A Coreia do Norte tem sua própria língua de sinais, que não é mutuamente inteligível com a língua de sinais usada na Coreia do Sul; não está claro se está relacionado a outras línguas de sinais, ou quão difundido é.

Veja[editar]

Monumento

Todos os passeios são acompanhados por um fiscal do governo, que decidirá o que você pode e não pode ver. A partir do momento em que você sair do seu hotel, espere ser acompanhado por um ou mais guias. Além de garantir que os turistas não saiam das áreas designadas, seu trabalho inclui inspecionar quaisquer fotografias ruins da Coreia do Norte ou seu governo e ordenar que os fotógrafos as excluam. É aconselhável ouvir o que seu guia está dizendo e concordar com ele. Fazer perguntas sociopolíticas resultará em respostas vagas na melhor das hipóteses, e várias horas de interrogatório na pior.

É sempre recomendável que, se você não tiver certeza de tirar fotos em qualquer lugar, pergunte ao seu guia. Você pode obter um guia que seja relativamente descontraído e permitirá que você tire várias fotos. Por outro lado, você pode obter um muito restrito. Simplesmente não há como saber até que você esteja realmente em um passeio. Se você acha que uma determinada fotografia pode ser embaraçosa para a RPDC, pergunte ou simplesmente não arrisque tira-la.

A fotografia de militares também é geralmente proibida. Novamente, em caso de dúvida, pergunte ao seu guia. No entanto, há casos em que é quase impossível fotografar sem incluir alguns militares na imagem, como em Mansudae (o local das estátuas de Kim Il Sung e Kim Jong Il). Outras áreas onde as fotografias são proibidas incluem o interior da Exposição da Amizade, que exibe presentes de todo o mundo para Kim Il Sung e Kim Jong Il. Sua câmera provavelmente será verificada pelos guardas.

A maioria dos passeios consiste em visitas a vários memoriais de guerra, monumentos ao Grande Líder e ao Partido dos Trabalhadores da Coreia, e numerosos museus (principalmente relacionados à guerra, como estátuas e monumentos). A Zona Desmilitarizada (DMZ) é um destino popular para a maioria dos grupos de turismo na Coreia do Norte.

Enquanto você está na Coreia do Norte, o ponto de vista predominante coloca a culpa nos americanos por iniciar a Guerra da Coréia; discordar dessa posição provavelmente causará problemas para você e seu guia, principalmente porque as duas Coreias ainda estão legalmente em guerra com apenas um cessar-fogo entre elas. Apesar de seu nome enganoso, a DMZ é fortemente vigiada e tem armadilhas. Sob nenhuma circunstância você deve se afastar do seu grupo ou tirar fotos de instalações militares.

Durante essas visitas guiadas, especialmente aos museus e monumentos do Estado, você sem dúvida enfrentará uma enxurrada contínua de propaganda, principalmente sobre coisas que Kim Il-sung e Kim Jong-il fizeram por seu país. Algumas dessas afirmações podem parecer bizarras e até divertidas para quem está de fora; no entanto, uma cara séria é geralmente aconselhável. Geralmente, é mais seguro pelo menos parecer levar tudo o que eles dizem a sério, mesmo que isso contradiga tudo o que você já aprendeu na aula de história ou desafie até o raciocínio humano mais básico.

Então, com todas essas informações práticas sendo ditas, quais são os lugares para ir? Boa parte das atrações importantes que você verá estão em Pyongyang. Há a grande Praça Kim Il-sung, onde acontecem os famosos desfiles militares. Mesmo sem os desfiles, porém, é uma praça impressionante, e nela está a Grand People's Study House. Esta gigantesca biblioteca e centro de aprendizagem abriga mais de 30 milhões de livros e um moderno sistema para você encontrar o que você precisa. Também na praça estão dois museus.

Marco do Triunfo

O outro grande marco da capital do país é o seu Arco do Triunfo. Um pouco maior que o parisiense, é de fato o maior arco desse tipo no mundo. Outro marco são as grandes estátuas de bronze do Grande Líder e Kim Jong-il. Faça uma excursão de um dia ao local de nascimento do Grande Líder em Mangyongdae e, claro, visite o Palácio do Sol de Kumsusan, onde os corpos embalsamados dos líderes anteriores estão em exibição.

Faça[editar]

Como mencionado acima, há muito pouco a fazer. Boliche e karaokê estão entre as mais recentes atividades recreativas. Os karaokês são frequentemente acompanhados por imagens históricas da Guerra da Coreia.

A Coreia do Norte tem três parques de diversões, dois dos quais estão abandonados por falta de interesse e eletricidade. O único parque de diversões remanescente contém alguns brinquedos que são realmente bastante modernos e não letais, pelo menos para os padrões norte-coreanos, e é tão digno de uma visita quanto tudo o que você verá enquanto estiver na Coreia do Norte.

A vida noturna em Pyongyang é notavelmente segura e não-violenta, comparada às capitais de outras nações; em geral, os civis não são uma ameaça. A polícia secreta à paisana, no entanto, pode ou não ser uma ameaça, dependendo do que você diz ou faz. A definição norte-coreana de música popular está pelo menos duas décadas atrasada em relação ao resto do mundo; espere uma enxurrada de sucessos dos anos 80 e pelo menos tente parecer entusiasmado.

Você não encontrará jornais ou revistas de fora da Coreia do Norte (já que a mídia de fora do país geralmente é proibida). As transmissões estrangeiras estão bloqueadas e a única rádio e televisão permitida é a propaganda do governo, embora alguns meios de comunicação internacionais (incluindo BBC World News e NHK World) estejam disponíveis em hotéis turísticos. O álcool é barato e abundante, embora não seja aconselhável ficar embriagado na Coreia. Além disso, tanto o tráfico quanto o consumo de entorpecentes são punidos severamente pelas autoridades; os traficantes podem esperar enfrentar a pena de morte se forem pegos.

Finalmente, cortes de energia podem ocorrer sem aviso no meio de qualquer atividade e esses apagões podem durar horas a fio. A estação de esqui Masikryong, a única estação de esqui da Coreia do Norte, foi inaugurada no inverno de 2013. Localizada perto da cidade ocidental de Wonsan, uma visita à estação pode ser incluída como parte de um passeio mais amplo pela RPDC.

Compre[editar]

'
A maioria dos turistas de curto prazo na Coreia do Norte não encontrará a moeda local, pois os restaurantes e lojas de souvenirs voltados para turistas negociarão em dólares americanos, euros ou yuan chinês. Os preços nessas lojas custam centavos de dólar. Eles raramente terão troco disponível. Os visitantes de longo prazo em Pyongyang devem considerar obter um cartão de débito (rotulado 전자결제카드, jeonjagyeoljekadeu) para facilitar a obtenção de troco. Eles geralmente podem ser comprados em Pyongyang por US$ 5, e podem ser usados ​​e recarregados na maioria das lojas voltadas para estrangeiros ao redor da cidade.

Mercados, estandes de beira de estrada e lojas voltadas para os locais negociarão em won norte-coreano. Existem vários estandes pela cidade que são capazes de converter moeda estrangeira em won. A nota maior é de ₩ 5000, aproximadamente o custo de uma Coca-Cola. O menor é ₩ 5, que é usado para o metrô. Notas abaixo de ₩ 500 geralmente não são usadas. Se você quiser notas menores, peça para converter 1 ou 5 yuan chinês em uma cabine de câmbio. Você pode ver uma expressão de estranhamente, mas provavelmente receberá algumas das notas mais difíceis de encontrar, como ₩ 5 e ₩ 10.

A moeda é o won norte-coreano, denotado pelo símbolo ₩ (código ISO: KPW) e normalmente não está disponível para estrangeiros, exceto alguns antigos won vendidos para coleção. As taxas de câmbio do mercado negro (especialmente no extremo norte da Coreia, perto da fronteira chinesa) podem facilmente ser 20 vezes a taxa oficial, mas importar ou exportar won é estritamente proibido. O won norte-coreano é praticamente inútil fora do país.

Espera-se que os estrangeiros usem euros ou como alternativa yuan chinês ou dólares norte-americanos. O manuseio de moedas é muitas vezes incorreto, com uma frequente falta de troco e uma conversão altamente heterodoxa, portanto, certifique-se de trazer muitos trocos. Em um passeio típico, a maioria das despesas como hotel, transporte e refeições serão pagas antecipadamente, portanto, suas únicas despesas podem ser garrafas de água, souvenirs, lanches, bebidas nos bares, lavanderia no hotel e gorjetas para seus guias.

De qualquer forma, as únicas lojas que você provavelmente poderá visitar são as lojas de souvenirs em seu hotel e nas várias atrações turísticas. Geralmente não é possível visitar uma loja que atende a população local, embora você possa ter sorte perguntando ao seu guia se ele confia em você o suficiente.

Existem inúmeras lojas de souvenirs em locais turísticos. Lembranças interessantes incluem livros e vídeos de propaganda, cartões postais e selos postais. Em alguns locais turísticos (como a tumba do Rei Kongmin), você pode comprar pinturas recém-acabadas com seu nome e o nome do artista na parte inferior.

Você pode comprar cartões postais e enviá-los para pessoas em qualquer país, exceto na Coreia do Sul. A maioria dos custos está incluída como parte do seu passeio. Em setembro de 2017, grandes garrafas de cerveja local custavam US$ 2 nos bares do hotel em Pyongyang. 200€ por uma semana deve ser suficiente para cobrir os custos de água, bebidas nos bares, lembranças e gorjetas para os guias.

Coma[editar]

Batatas

Tal como acontece com a maioria dos outros aspectos da visita à Coreia do Norte, o cardápio deve ser organizado com antecedência. Vegetarianos e pessoas com alergias alimentares ou não gostam de alimentos comuns, como frutos do mar ou ovos, precisarão tomar providências com antecedência. Uma visita a um restaurante local pode ser possível; pergunte ao seu guia. A escassez de suprimentos, combinada com o uso típico de estilos culinários coreanos, significa que há uma variedade relativamente limitada de alimentos – e isso pode cansar em passeios de muitos dias.

Existem algumas opções de comida ocidental agora em Pyongyang e esses restaurantes geralmente podem ser visitados se combinados com os guias com antecedência. Eles geralmente exigem pagamento adicional, a menos que você já tenha discutido isso com sua agência. Existem dois restaurantes italianos (um na rua Kwangbok onde a pizza é ótima — eles importaram um forno de pizza e todos os ingredientes para que a qualidade seja muito alta; e um perto do USS Pueblo) e duas hamburguerias (a mais acessível fica no Hotel da Juventude). Ambos são baratos. Visite o café que fica na praça Kim Jong Il, para um bom café semelhante aos comuns na Europa.

Beba[editar]

Cerveja norte-coreana

A especialidade local é insam-ju, vodka coreana infundida com raízes de ginseng. A cerveja Taedonggang feita localmente é muito boa. A cervejaria foi comprada do Reino Unido e se mudou fisicamente para Pyongyang.

O álcool local é barato; uma garrafa de cerveja de 650 ml custa € 0,50. Cervejas importadas, como a Heineken, também estão disponíveis a preços semelhantes. No entanto, não fique bêbado e cause problemas. Mostre respeito ou você e seu guia enfrentarão sérias penalidades. É aconselhável manter a água engarrafada para beber, pois a água da torneira nem sempre é tratada adequadamente.

Durma[editar]

Esta provavelmente será sua principal despesa enquanto estiver na Coreia do Norte. Você só pode ficar em hotéis turísticos designados. Pode haver descontos se você solicitar acomodação de classe baixa, se estiver viajando em grupo ou se for baixa temporada (novembro a março). Os custos do seu passeio, que incluirá acomodação, todas as atividades turísticas e refeições, variam de US$ 70 a US$ 200 por dia, dependendo desses fatores.

Normalmente, você paga todas as suas refeições, hotel e viagem para agência. Uma semana na alta temporada em um hotel de quatro estrelas custará algo entre € 1.300 e € 1.600, dependendo da agência, mas pode chegar a € 800 por uma semana.

Trabalhe[editar]

Se você estiver interessado em ensinar na Coreia do Norte, poderá conseguir entrando em contato com a Missão da ONU na Coreia do Norte ou contatando diretamente uma universidade norte-coreana. Suas chances de sucesso são, no entanto, muito baixas.

Há uma oportunidade de ensinar no Instituto de Verão de Pyongyang durante o verão, quando é aberto a estrangeiros. Mas é um trabalho voluntário e não remunerado.

Segurança[editar]

Ambox warning pn.svg
Não critique ou demonstre qualquer tipo de desrespeito à dinastia Kim, ao governo norte-coreano ou ao país em geral. Simplesmente evite esses assuntos se puder, mesmo se estiver em uma sala sem a presença de norte-coreanos. Qualquer pessoa com quem você fale provavelmente é afiliada ao governo norte-coreano, e você sempre deve responder adequadamente caso surjam assuntos sensíveis. Você e seu guia podem enfrentar sérios problemas se responderem incorretamente. A Coreia do Norte é conhecida por punições extremamente severas, que variam de longas penas de prisão a uma vida inteira de maus-tratos e tortura.

Os níveis de criminalidade são praticamente zero, pelo menos para turistas. Mas batedores de carteira são a menor das suas preocupações. A Coreia do Norte é uma ditadura e é geralmente considerada como tendo o pior histórico de direitos humanos do mundo. As autoridades são muito sensíveis, e você precisa prestar atenção no que diz e como diz. Apenas faça o que os guias fazem, elogie cada parada do seu passeio e lembre-se da regra: "Se você não tem nada de bom para dizer, não diga nada".

A política oficial é que você não deve andar sozinho. Espera-se que você obtenha permissão e/ou tenha um guia para acompanhá-lo se estiver saindo do hotel por conta própria. Isso varia de acordo com o hotel em que você está. O Yanggakdo Hotel fica em uma ilha no meio do rio Taedong em Pyongyang. Portanto, você pode caminhar pela área um pouco mais livremente do que se estiver no Koryo Hotel, bem no centro da cidade. Você deve sempre ser amigável e cortês com seus guias e motoristas, que normalmente retribuirão confiando mais em você e dando-lhe mais liberdade.

Ao tirar fotografias, tenha moderação, cautela e bom senso. Se você parecer estar procurando por imagens negativas da Coreia do Norte, os guias não ficarão felizes e dirão para você excluir todas as imagens. Em particular, você não deve tirar fotos de nada militar.

Sua liberdade fotográfica pode depender em grande parte do tipo de guia que você recebe e do relacionamento que você tem com ele. As câmeras digitais são comumente inspecionadas ao sair do país de trem. Visitantes de ascendência coreana nunca devem revelar esse fato. Os norte-coreanos têm um forte senso de pertencimento étnico e isso inevitavelmente atrairá atenção indesejada para você. Além disso, se você tiver problemas, ter um passaporte estrangeiro não contará muito se você for considerado coreano pelas autoridades.

Os visitantes também foram visados ​​por razões políticas; em 2013, um cidadão norte-americano de 85 anos foi preso e expulso pela RPDC por causa de seu serviço militar durante a Guerra da Coreia. O tráfico de drogas e o consumo de narcóticos podem ser punidos com a morte na Coreia do Norte. A maconha, no entanto, é legal e muitas vezes encontrada crescendo livremente ao longo da estrada na Coreia do Norte.

É altamente recomendável que você evite trazer textos religiosos ou realizar qualquer atividade religiosa. Em 2012, Kenneth Bae, um missionário cristão norte-americano, foi preso por suas atividades religiosas na Coreia do Norte e condenado a 15 anos de trabalhos forçados (no entanto, ele foi libertado nove meses depois). Outro americano, Jeffrey Fowle, foi preso por deixar uma Bíblia em uma boate norte-coreana e passou seis meses em uma prisão.

Números de emergência
  • De um telefone fixo: 119
  • De um celular: 112
  • Para emergências médicas em Pyongyang, disque 02 382-7688 localmente.

Respeite[editar]

Guias[editar]

Sempre que você se envolver em conduta imprópria, seu guia será culpado por não conseguir controlá-lo e será penalizado por seu mau comportamento. Sempre pense antes de agir, e pense antes de falar; suas ações podem e serão refletidas nos outros, não importa quão grandes ou pequenas, e os turistas podem enfrentar restrições sobre o que podem fazer no país por causa de seu comportamento. Sempre que você se sentir tentado a fazer algo, pergunte a si mesmo: "Como minhas ações afetarão negativamente a mim e a outras pessoas?" Faça disso uma regra durante a sua estadia e tenha isso em mente.

Como mencionado acima, se você não estiver preparado para aceitar limitações severas em seu comportamento, você não deve viajar para a Coreia do Norte. A Coreia do Norte não é para todos, mesmo para os viajantes mais experientes.

Considere dar pequenos presentes como cigarros, creme para a pele e assim por diante aos seus guias. Isso conquistará o respeito dos guias e, dependendo de quão bem você se comporta, eles podem até levar você a lugares e eventos na Coreia do Norte que normalmente não iriam.

Embora existam muitas ótimas oportunidades fotográficas na Coreia do Norte, a RPDC tem leis de fotografia muito rígidas. Isso depende em grande parte de qual guia você foi designado. Se tiver dúvidas, é só perguntar. Não há mal nenhum em perguntar ao(s) guia(s).

Líderes supremos[editar]

Estátuas dos líderes

É importante enfatizar que o governo da RPDC (em particular os líderes Kim Il-sung, Kim Jong-il e Kim Jong-un) são, pelo menos publicamente, altamente reverenciados na cultura norte-coreana. Embora a devoção não seja esperada dos turistas, as críticas à dinastia Kim e ao Partido dos Trabalhadores da Coreia podem causar sérios problemas. Da mesma forma, nem pense em perguntar a um norte-coreano o que ele pensa sobre a situação política de seu país.

É aconselhável referir-se à Coreia do Norte como a RPDC ao conversar com seus guias. RPDC significa República Popular Democrática da Coreia e é o nome oficial do país, refletindo sua crença de que o sul é um território rebelde e só existe uma Coreia.

A maioria, se não todos, os grupos de turismo da RPDC são convidados a se curvar e colocar flores em frente às estátuas de Kim Il Sung ao visitar monumentos de importância nacional. Se você não está preparado para fazer isso, nem tente entrar na Coreia do Norte. Apenas certifique-se de sempre agir de maneira respeitosa em torno das imagens dos dois líderes. Certifique-se de colocar a estátua inteira na foto e não amassar fotografias. O traje formal também é esperado.

Religião[editar]

A Coreia do Norte é oficialmente ateia. O regime promove uma filosofia nacional de Juche (주체), que alguns classificariam como uma religião política que permeia todos os aspectos da vida no país. Como turista, você não deverá observar isso, embora você deva sempre respeitar os seus símbolos, que são as imagens dos líderes passados ​​e presentes: Kim Il-sung, Kim Jong-il e Kim Jong-un.

Outras religiões, como o cristianismo e o budismo, são vigorosamente suprimidas, com punição severa aos seguidores. Você deve abster-se de quaisquer discussões religiosas durante seu tempo na Coreia do Norte, e estar ciente de que qualquer forma de proselitismo religioso é tratada com muita seriedade pelo regime, com missionários estrangeiros já tendo sido sentenciados à prisão perpétua em campos de trabalho. Com isso em mente, tome cuidado ao realizar rituais religiosos pessoais ou trazer itens religiosos para o país e, de preferência, não o faça.

Mantenha-se saudável[editar]

A água potável na Coreia do Norte aparentemente não é tratada e há relatos de estrangeiros sendo hospitalizados na RPDC depois de beberem a água; portanto, manter a água engarrafada é altamente recomendado.

As instalações médicas são limpas, embora muito desatualizadas. Se você ficar doente, talvez seja melhor ir à China para tratamento médico. Contacte a sua embaixada ou consulado na Coreia do Norte (se o seu país tiver um) para obter assistência.

Conectar[editar]

Por telefone[editar]

Para chamadas internacionais para a Coreia do Norte, o código do país é +850. Alguns números de telefone (principalmente fax) podem ser contatados diretamente do exterior; a maioria precisará passar pelo serviço de operadora internacional em +850-2-18111.

Chamadas internacionais geralmente são possíveis através de telefones fixos em hotéis, embora sejam caras (€ 2 por minuto em fevereiro de 2012) e todas as chamadas são provavelmente gravadas e monitoradas.

As chamadas locais precisam de moedas de 10 ao ligar de cabines telefônicas, mas também podem ser feitas de hotéis e correios. Além disso, suas chamadas telefônicas podem ser fortemente monitoradas, portanto, você deve ter cuidado com o que fala.

Celulares

A partir de janeiro de 2013, você está autorizado a transportar um telefone celular de fora do país para a Coreia do Norte. No entanto, você não poderá usar seu cartão SIM (chip) atual na Coreia do Norte. A única rede à qual você tem permissão para se conectar é a rede local, Koryolink. Seu telefone deve ser um telefone 3G WCDMA que possa se conectar à banda de frequência de 2100MHz.

A rede de telefonia móvel 3G foi introduzida em Pyongyang em 2008 e agora cobre as 42 maiores cidades. É amplamente utilizado por moradores locais que podem pagar e por estrangeiros de longa duração. Cartões SIM e telefones podem ser adquiridos no Centro de Comunicação Internacional, no distrito de Pothonggang, em frente ao Estádio Pyongyang Indoor, bem como no aeroporto de Pyongyang e em alguns hotéis.

Pela internet[editar]

As instalações da internet são limitadas a muito poucos norte-coreanos com privilégios. Para estrangeiros, a maioria dos hotéis maiores tem acesso à internet, mas isso precisa ser solicitado com alguns dias de antecedência. Avise sua agência. Não há cibercafés públicos.

A internet móvel está disponível através da rede 3G da Koryolink (veja acima) usando um cartão SIM local, mas os detalhes sobre isso são escassos. Além disso, mesmo que você tenha acesso à internet, seu tráfego provavelmente será monitorado. Há muito pouca conectividade com a internet na Coreia do Norte; o pouco que existe é encaminhado pela China continental e corre o risco de forte censura.


Este artigo é um guia. Ele tem informações repletas sobre o assunto abordado, mas especificações podem faltar.

Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!