Saltar para o conteúdo

Argélia

282
Fonte: Wikivoyage
Argélia

noframe
Bandeira
Informações básicas

A Argélia[1] é um país do Norte da África. Tem uma faixa litorânea no Mar Mediterrâneo ao norte. Faz fronteira com o Marrocos a noroeste, Tunísia a nordeste, Líbia a leste, Níger a sudeste, Mali a sudeoste, Mauritânia e Saara Ocidental a oeste. Depois do Sudão, a Argélia é o segundo maior país da África.

Entenda[editar]

Política e governo[editar]

A Argélia é oficialmente conhecida como República Popular Democrática da Argélia.

Embora o termo "República Popular" seja comumente associado a estados comunistas, a Argélia não é um país comunista. O termo foi adotado principalmente porque a Argélia ganhou sua independência através de uma luta revolucionária contra a França.

A Argélia é uma república multipartidária com um forte poder executivo liderado por um presidente. O presidente é chefe de Estado e e o comandante-em-chefe do exército, e é eleito por voto popular para um mandato de cinco anos.

O poder legislativo é investido nas duas câmaras do Parlamento, o Conselho da Nação e a Assembleia Nacional do Povo.

Nome de transcrições[editar]

  • Árabe : ? ? ? ? , al-Jumh?riyya al-Jaz?iriyya ad-D?muqr?iyya a?a?biyya
  • Berber : ? ? ? ? ? ?, Tagduda tamegdayt ta?erfant tazzayrit
  • FrenchRépublique algérienne démocratique et populaire (lit, República Argelal Popular e Democrática)

Geografia[editar]

A Argélia cobre uma área de 2.381.741 quilômetros quadrados, tornando-se o décimo maior país do mundo e o maior país da África. É um pouco maior que o México, quatro vezes menor que os Estados Unidos, e quase 200 vezes maior do que o menor país da África, Gâmbia.

A Argélia é composta por 58 províncias e mais de 1.541 comunas.

História[editar]

A Argélia tem sido habitada pelos berberes desde pelo menos 10.000 a.C. A partir de 1.000 a.C. os cartagineses passaram a exercer influência sobre os berberes ao instalarem assentamentos ao longo da costa. Os primeiros reinos berberes começaram a surgir, destacando-se o reino da Numídia, e aproveitaram a oportunidade oferecida pelas guerras púnicas para se tornarem independentes de Cartago. Sua independência, no entanto, não durou muito já que em 200 a.C. eles foram anexados por Roma, então uma república. Com a queda do Império Romano do Ocidente os berberes tornaram-se independentes outra vez retomando o controle da maior parte do seu antigo território, com exceção de algumas zonas que foram ocupadas pelos Vândalos que por sua vez foram expulsos pelos bizantinos. Com sua vitória o Império Bizantino manteve, ainda que com dificuldades, o domínio sobre a parte leste do país até a chegada dos Árabes no século VIII.

A Argélia foi anexada ao Império Otomano por Khair-ad-Don e seu irmão Aruj que estabeleceram as atuais fronteiras argelinas ao norte e fizeram da costa uma importante base de corsários. As atividades dos corsários atingiram seu pico por volta do século XVII. Ataques constantes a navios norte americanos no mediterrâneo resultaram na primeira e segunda guerra berbere. Sob o pretexto de falta de respeito para com seu cônsul a França invade a Argélia em 1830. A forte resistência de personalidades locais e da população dificultou a tarefa da França, que só no século XX obtém o completo controle do país.

Mesmo antes da obtenção efetiva desse controle, a França já havia tornado a Argélia parte integrante de seu território, uma situação que só acabaria com o colapso da Quarta República. Milhares de colonizadores da França, Itália, Espanha e Malta se mudaram para a Argélia para cultivar as planícies costeiras e morar nas melhores partes das cidades argelinas, beneficiando-se do confisco de terras populares realizado pelo governo francês. Pessoas de descendência européia (conhecidos como pieds-noirs), assim como judeus argelinos eram considerados cidadãos franceses, enquanto que a maioria da população muçulmana argelina não era coberta pelas leis francesas, não tinha cidadania francesa e não tinha direito a voto. A crise social chegou ao seu limite neste período, com índices de analfabetismo subindo cada vez mais enquanto que a tomada de terras desapropriou boa parte da população.

A Argélia é obrigada a enfrentar uma guerra prolongada de libertação em virtude da resistência dos colonos franceses (apelidados na metrópole de pieds noirs, ou pés pretos), que dominam as melhores terras. Em 1947, a França estende a cidadania francesa aos argelinos e permite o acesso dos muçulmanos aos postos governamentais, mas os franceses da Argélia resistem a qualquer concessão aos nativos. Nesse mesmo ano é fundada a Frente de Libertação Nacional (FLN), para organizar a luta pela independência. Uma campanha de atentados antiárabes (1950-1953) desencadeada por colonos direitistas, tem como reação da FLN uma onda de atentados nas cidades e guerra de guerrilha no campo. Em 1958, rebeldes exilados fundam no Cairo um governo provisório republicano. A intervenção de tropas de elite da metrópole (Legião Estrangeira e pára-quedistas) amplia a guerra. Ações terroristas, tortura e deportações caracterizam a ação militar da França. Os nacionalistas e oficiais ultradireitistas dão um golpe militar na Argélia em 1958. No ano seguinte o presidente francês, Charles de Gaulle, concede autodeterminação aos argelinos. Mas a guerra se intensifica em 1961, pela entrada em ação da organização terrorista de direita OAS (Organização do Exército Secreto), comandada pelo general Salan, um dos protagonistas do golpe de 1958. Ao terrorismo da OAS a FLN responde com mais terrorismo. Nesse mesmo ano fracassam as negociações franco-argelinas, por discordâncias em torno do aproveitamento do petróleo descoberto em 1945. Em 1962 é acertado o Armistício de Evian, com o reconhecimento da independência argelina pela França em troca de garantias aos franceses na Argélia. A República Popular Democrática da Argélia é proclamada após eleições em que a FLN apresenta-se como partido único. Ben Bella torna-se presidente.

Início da história[editar]

A história da Argélia remonta às primeiras civilizações que habitaram a região e além. Os primeiros habitantes conhecidos da Argélia foram o povo berbere, que habitaram a região desde pelo menos 10.000 aC. A partir do século VIII aC, os comerciantes fenícios estabeleceram postos comerciais ao longo da costa norte-africana, introduzindo a região ao todo o mundo mediterrâneo.

No século VII dC, a Argélia foi conquistada pelo Califado Omíada Islâmico e, posteriormente, ficou sob o domínio de várias dinastias muçulmanas. A região foi colonizada pelo Império Otomano no século XVI e permaneceu sob controle otomano até 1830.

Argélia Francesa (1830-1962)[editar]

O domínio francês na Argélia começou em 1830, quando a França invadiu a região, derrotou as forças otomanas e estabeleceu uma administração colonial. Após quase um século de governo militar, a Argélia foi declarada um departamento francês em 1848.

As autoridades francesas introduziram uma série de reformas, como a reforma agrária, a secularização da educação e a introdução de novas leis e infra-estruturas. No entanto, essas políticas eram frequentemente acompanhadas por medidas opressivas, como trabalho forçado, restrições à expressão religiosa e a supressão da oposição.

Os argelinos foram muito mal tratados pelos franceses. Os argelinos foram submetidos a leis opressivas, como o Código de l'indigénat, que lhes negou direitos e liberdades básicos. Eles foram fortemente tributados, recrutados à força para os militares franceses, e despojados de suas terras e recursos. Os argelinos também foram submetidos à violência, tortura e outras formas de maus-tratos pelas autoridades coloniais francesas.

A Guerra da Argélia (1954-1962)[editar]

A Guerra da Independência da Argélia foi um conflito sangrento de oito anos entre o governo colonial francês na Argélia e a Frente de Libertação Nacional (FLN), um movimento nacionalista que buscava acabar com o domínio francês e estabelecer um estado argelino independente. A guerra durou de 1954 a 1962 e resultou na morte de mais de 1 milhão de pessoas, o deslocamento de mais de 5 milhões de pessoas e a eventual independência da Argélia como nação.

A Guerra da Independência da Argélia começou em 1 de novembro de 1954, quando a FLN lançou uma série de ataques contra militares e policiais franceses em toda a Argélia. A FLN esperava desencadear uma revolta popular contra o domínio francês, e os ataques foram em grande parte bem sucedidos. Os franceses responderam com uma campanha maciça de repressão, empregando tortura, execuções sumárias e punições coletivas contra a população.

A guerra logo se intensificou, com a FLN lançando ataques de guerrilha contra as forças francesas, enquanto os franceses lançaram operações de contra-insurgência que incluíam o uso de napalm e outras formas de violência indiscriminada. A guerra também foi caracterizada por atrocidades de ambos os lados, incluindo o massacre de civis pelas forças francesas e o uso de tortura pela FLN.

A guerra terminou em 1962, quando os franceses concordaram com um cessar-fogo e concederam à Argélia sua independência. Depois de declarar a independência em 1962, a Argélia passou por um período de turbulência política.

Período pós-guerra (1962-1991)[editar]

Imediatamente após a independência, a FLN assumiu o poder e estabeleceu um governo de partido único. Sob a liderança do presidente Houari Boumediene, a Argélia adotou um sistema econômico socialista e procurou fortalecer os laços com outros países árabes e africanos.

No final da década de 1970, a situação econômica da Argélia se deteriorou e a popularidade do governo diminuiu. Em resposta, o governo começou a reprimir a dissidência política e a expressão religiosa, levando a uma insurgência islâmica.

Guerra Civil da Argélia (1991-2002)[editar]

A Guerra Civil da Argélia foi um conflito brutal que causou grande sofrimento ao povo argelino. Mais de 200.000 pessoas perderam a vida na guerra e mais de 1 milhão foram deslocadas. O conflito também teve um efeito duradouro sobre a economia e a sociedade da Argélia, enquanto o país lutava para se reconstruir após a guerra. Embora o conflito tenha terminado oficialmente em 2002, seu legado continua a moldar o país hoje.

O conflito começou com o cancelamento das eleições gerais de 1992, que viram a Frente Islâmica de Salvação (FIS) pronta para ganhar a maioria dos assentos na Assembleia Nacional. O governo argelino, um regime apoiado pelos militares, respondeu proibindo o FIS e prendendo seus membros, provocando um longo e sangrento conflito.

A guerra foi travada entre o governo e vários grupos rebeldes, principalmente o Grupo Islâmico Armado (GIA) e o Exército de Salvação Islâmica (AIS). O GIA inicialmente tentou derrubar o governo e impor um Estado islâmico. Como o conflito progrediu, no entanto, eles se tornaram cada vez mais brutais e indiscriminados em suas táticas, levando a um declínio acentuado no apoio popular. O AIS, por outro lado, procurou negociar com o governo uma solução pacífica para o conflito.

Ao longo da guerra, o governo empregou uma série de táticas para combater os rebeldes. Estes incluíram um destacamento maciço de tropas, bombardeios aéreos e o uso de tortura e outras formas de abusos dos direitos humanos. O governo também procurou cooptar a população fornecendo incentivos econômicos e serviços sociais, como assistência médica gratuita e educação.

História atual (2002 - presente)[editar]

Desde o fim da guerra civil, a Argélia experimentou um boom econômico devido ao aumento da produção de petróleo e gás. Isto levou a uma redução acentuada da pobreza e do desemprego.

Em 2006, o governo argelino aprovou uma nova constituição, que visava proteger os direitos humanos e melhorar a situação política e econômica do país. Isso resultou em um período de reforma política, bem como um aumento no investimento estrangeiro.

Apesar do seu progresso económico, a Argélia continua a enfrentar vários desafios. Estes incluem o alto desemprego, a pobreza e a corrupção. O país também está lutando contra o terrorismo, com ataques de grupos extremistas como a Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQIM) e o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL / IS)

Clima[editar]

O clima argeliano é árido a semiárido; os invernos são suaves e húmidos, com verões quentes e secos nas zonas costeiras, mais seco com invernos frios e verões quentes no planalto; o siroco é um vento quente carregado de areia e poeira que é especialmente comum no verão.

Eletricidade[editar]

Oficialmente, 220 V 50 Hz. As saídas são a norma europeia CEE-7/7 "Schukostecker" ou "Schuko", ou os tipos compatíveis, mas nem sempre aterrados, CEE-7/16 "Europlug". Os viajantes canadenses e norte-americanos devem embalar um adaptador para essas saídas se planejam usar equipamentos elétricos norte-americanos na Argélia.

Regiões[editar]

Regiões da Argélia
Argélia Central
A área metropolitana em volta da capital.
Argélia Nordeste
As enormes montanhas e planaltos a este de Argel.
Argélia Noroeste
A área montanhosa costeira a oeste de Argel.
Atlas Argeliano
A cordilheira montanhosa.
Argélia Saariana
O vasto deserto do sul do país.


Cidades[editar]

  • Argel — A capital da Argélia e o centro político e cultural da nação. É uma cidade vibrante e multicultural, com uma mistura de influências francesas, árabes e africanas. A cidade é bem conhecida por sua bela arquitetura, praias deslumbrantes e vida noturna animada.
  • Constantine — A terceira maior cidade da Argélia, com um desfiladeiro descendo por ela. Também conhecida como "cidade das pontes" por ter muitas pontes impressionantes e bonitas.
  • Oran — A segunda maior cidade da Argélia depois de Argel, também chamada de "segunda Paris" ou "cidade Rai" pelos argelinos, com muitos edifícios impressionantes dos tempos coloniais e também sendo popular por fazer músicas de qualidade
  • Annaba - uma cidade com 200.000 habitantes no leste do país ao lado da fronteira com a Tunísia
  • Setif — capital comercial da Argélia, Setif El-Ali (O Alto) é a capital de altos planaltos, com temperaturas bastante moderadas e quedas ocasionais de neve no inverno.
  • Jijel
  • Batna — a principal cidade e comuna da província de Batna, Argélia. Com uma população de 340.000 habitantes, é a quinta maior cidade da Argélia. É também uma das principais cidades da área de Chaoui e é considerada a capital de Aur's.
  • Tlemcen
  • Ouargla

Outros destinos[editar]

  • Hoggar - Erguendo-se subitamente a oeste de Tamanrasset, a cordilheira de montanhas é uma das maiores atracções da Argélia. Dos seus afiados picos destaca-se o Monte Tahat, que, com 900 metros de altura, é o ponto mais elevado da cordilheira.
Cordilheira de Hoggar.
  • Oásis de El Goléa - Apelidada de A Pérola do Deserto e O Oásis Encantado, por causa da sua luxuriante vegetação e abundante água. A cidade é dominada por um antigo ksar (forte), cujas ruínas estão bem conservadas.

Portos e atracadouros[editar]

Patrimônio da Humanidade[editar]

Ghardaia, no Vale de M'Zab.

Chegar[editar]

Cidadãos brasileiros precisam de visto para entrar no país. Informações disponíveis na embaixada em Brasília (tel. 61 3248-4039) e no site [2] do governo argelino.

Requisitos de visto[editar]

Ao contrário do vizinho Marrocos e da Tunísia (que são muito mais abertos e mais fáceis de viajar), a Argélia tem sido historicamente um dos países mais difíceis de aceder, principalmente porque a sua política de vistos é restritiva e o turismo não é uma prioridade do governo.

Cidadãos da Líbia, Malásia, Mali, Mauritânia, Marrocos, Saara Ocidental, Seychelles e Tunísia podem entrar no país sem visto.

Se você não é cidadão de qualquer um dos países listados acima, você é obrigado a solicitar um visto argelino em uma missão diplomática argelina.

Obter um visto argelino pode ser um desafio, já que o processo geralmente envolve pilhas de papelada e altas taxas. Por exemplo, a Embaixada da Argélia nos Estados Unidos geralmente cobra US $ 160 por qualquer tipo de visto argelino e o consulado argelino em Alicante cobra 95 euros por vistos para cidadãos espanhóis que ficam até 90 dias. Como regra geral, quanto mais tempo você pretende ficar, mais caro será o visto.

Requisitos de pedido de visto[editar]

Uma missão diplomática argelina pode ser encontrada em quase todos os países. Se o seu país não tiver uma missão diplomática argelina, talvez seja necessário viajar para outro país para solicitar um visto argelino.

Embora os requisitos de visto variem de país para país, você normalmente é solicitado a enviar o seguinte para solicitar um visto argelino:

  • Uma cópia do seu passaporte (deve ter uma validade de mais de seis meses)
  • Duas fotografias do tamanho de um passaporte.
  • Dois formulários de pedido de visto.
  • Uma carta autenticada de convite (necessária se você estiver hospedado na casa de um residente argelino)
  • Uma cópia do seu itinerário de viagem.
  • Uma cópia da sua reserva de hotel.
  • Uma cópia do seu extrato bancário.
Requisitos especiais[editar]
  • Os cidadãos da Síria devem demonstrar que têm fundos suficientes (1000 se tiverem sido patrocinados ou 4.000 euros se não tiverem patrocinadores) para cobrir sua estadia na Argélia.

De avião[editar]

O Aeroporto Internacional de Argel Houari Boumediene está localizado a 20 km da capital e é um aeroporto moderno e bem equipado. A principal companhia aérea argelina é a Air Algeria.

A Argélia recebe voos regulares da maioria dos países da Europa Ocidental, Canadá, Rússia, Turquia, e países árabes.

De barco[editar]

Há um serviço de transporte marítimo no país, ligando-o, através de ferries, com a Espanha (Alicante-Oran e Almeria-Ghazaouet) e a França (Sète-Oran e a partir de Marselha para Argel, Bejaia, Skikda e Annaba).

Os preços geralmente não são mais baratos do que voar, então se você pode e não tem carro nem qualquer quantidade enorme de bagagem, pegue um avião. A maioria das conexões são oferecidas pela Algérie Ferries.

Da Espanha :

  • Alicante para Argel e Oran
  • Almeria para Ghazaouet e Oran
  • Rio de Janeiro to Algiers
  • Valência para Mostaganem

A partir da França :

O que fazer em Marselha

  • Argel
  • A Bejaia
  • Oran em Oran
  • Skikda (tra) em Ski

Da ItalyItália:

  • Napoli para Tunis & tomar uma estrada por 1 hora
  • Roma (Civitavecchia) para Túnis e tomar uma estrada por 1 hora

De carro[editar]

A única maneira possível de chegar ao país de carro é cruzar a fronteira da Tunísia, ja que a fronteira marroquina está fechada.

A Argélia faz fronteira com seis países: Tunísia, Líbia, Níger, Mali, Mauritânia e Marrocos.

Da Tunísia[editar]

Dirigir na Argélia da Tunísia é a opção mais segura.

De Marrocos[editar]

Não é possível nesta fase. A fronteira argelino-móroccana está fechada desde 1994 e permanecerá fechada para o futuro previsível. Se você gosta, você é mais do que bem-vindo para visitar os assentamentos ao longo da fronteira.

Da Líbia[editar]

Não recomendado e imprudente. A má situação de segurança na Argélia Saariana, o risco de terrorismo e a instabilidade política na Líbia tornam a fronteira argelino-líbia incrivelmente insegura.

A partir da Mauritânia[editar]

- Não é possível. Embora haja uma passagem de fronteira nocional perto de Tindouf, a localização é extremamente remota, com 700 km do deserto do Saara entre Tindouf e Zouerate, no lado mauritano. Além das preocupações habituais de segurança da Argélia Saariana, a partir de 2024, a área é considerada uma zona militar mauritana e os viajantes raramente recebem permissão para usá-la.

Do Mali[editar]

Não recomendado e imprudente. A má situação de segurança na Argélia Sasariana, o risco de terrorismo e a situação política instável no Mali tornam a fronteira argelino-maliana incrivelmente insegura.

Do Níger[editar]

Não recomendado e imprudente. A má situação de segurança na Argélia Saariana, o risco de terrorismo e a situação política instável no Níger tornam a fronteira argelina-Nígera incrivelmente insegura.

De autocarro/ônibus[editar]

De comboio/trem[editar]

Há um serviço de trem da Tunísia, com baldeação na fronteira.

Circular[editar]

Com uma área de 2.3811.741 quilômetros quadrados (919.595 sq mi), viajar entre as principais cidades da Argélia pode levar muito tempo e pode ser perigoso se você não sabe o que está fazendo.

Quad em deserto

De avião[editar]

Devido à imensa geografia do país, à situação de segurança incerta e à falta de infraestrutura adequadamente desenvolvida, a maneira mais conveniente de se locomover pelo país é de avião.

A Argélia tem uma indústria de companhias aéreas muito pequena em 2023, apenas quatro companhias aéreas operam no país e todas as companhias aéreas são de propriedade do governo.

As duas principais companhias aéreas são as seguintes:

  • A Air Algérie é a companhia aérea nacional da Argélia e oferece voos para quase qualquer cidade argelina. A companhia aérea usa o Aeroporto Houari Boumediene como seu hub.
  • A Tassili Airlines, como a Air Algérie, usa o Aeroporto Houari Boumediene como seu hub e o levará por toda a Argélia. É uma subsidiária da Sonatrach, a maior empresa da África e uma das maiores empresas de petróleo e gás do mundo.

De barco[editar]

De carro[editar]

A rede rodoviária é bem desenvolvida no norte. O governo argelino fez muitas melhorias em relação à construção de estradas; novas rodovias foram construídas para substituir as estradas mais antigas. A rodovia mais importante é a N1 de 1200 km de comprimento de Annaba a Oran, quase todas as cidades maiores do norte estão conectadas a esta rodovia, incluindo Argel.

Um carro não é absolutamente necessário por causa do sistema de transporte público, mas às vezes pode ser útil para chegar a áreas mais remotas. Tenha em mente que os hábitos de condução dos habitantes locais são completamente diferentes em comparação com os dos europeus e que as regras de condução e os sinais proibitivos são mais vistos como directrizes, mesmo pela polícia! Seria uma decisão sábia deixar um argelino local fazer a condução para você nos primeiros dias para ter uma impressão do estilo de condução. Se isso não for possível, é recomendável ficar nas rodovias.

Não tente chegar às áreas do Saara com um carro diferente de 4x4: dunas ocasionais nas estradas e mudanças extremas de temperatura oferecerão um desafio para o motorista e o carro.

A partir de 2018, o combustível não custou mais do que DA50 um litro.

De autocarro/ônibus[editar]

A Argélia tem uma das redes de bondes mais desenvolvidas em toda a África. A partir de 2023, existem redes de bondes em seis grandes cidades: Argel, Oran, Constantine, Sidi Bel Abbes, Ouargla e Setif.

A agência responível para a operação e manutenção da rede de bondes é a Société d'exploitation des bondes (SETRAM)].

Como contornar a Argélia de bonde é notavelmente econômico; um bilhete normalmente custa DA40. Você pode comprar um bilhete em um quiosque de bonde designado e você pode obter todas as informações que você precisa em um quiosque de bonde.

Visão geral do sistema de bonde na Argélia:

  • Argel: 23 quilômetros de comprimento e 37 paradas.
  • Oran: 32 quilômetros de comprimento e tem 19 paradas.
  • Constantino: 18 km de comprimento e 21 paradas.
  • Sidi Bel Abb's: 14 quilômetros de comprimento e tem 22 paradas.
  • Ouargla: 10 km de comprimento e 16 paragens.
  • Setif: 15 km de comprimento e 26 paradas.

De comboio/trem[editar]

Esse é um bom meio de conhecer as paisagens do país. De Argel à Oran, 5h, 1000 dinares (R$30,00, aprox.); da capital à Bejaia, 4h, 250 dinares.

As ferrovias argelinas são operadas pela os trens e linhas estão sendo modernizados. Dez confortáveis trens de alta velocidade chamados Autorail foram comprados, e dois deles estão em operação. Embora o site seja útil para verificar os horários, etc., os ingressos não podem ser comprados on-line, apenas nas estações de trem. Os preços são bastante moderados, mas mais caros do que ônibus ou táxis, mas em troca você terá mais conforto e desfrutar de paisagens maravilhosas.

Principais rotas :

  • Argel para Oran, cinco partidas diárias da Estação Agha, esta viagem leva 4-5 horas, 2a Classe: DA900-1130, 1a Classe: DA1200-1530.
  • Argel para Annaba, partindo todas as noites às 19:40 e chegando a Annaba (via Constantine) às 05:38 na manhã seguinte. 2a Classe: DA900, 1a Classe: DA1270.
  • Argel para Constantino como acima

Outras rotas :

  • Argel para Touggourt, partindo diariamente às 18:10, chegando em Touggourt às 05:00 da manhã seguinte. 2a Classe: DA1500, 1a Classe: DA2005.
  • Oran para Bechar, duas partidas diárias. Um trem diurno sai de Oran às 10:20, enquanto o trem noturno sai às 20:30. 2a Classe: DA975, 1a Classe: DA1370.
  • Annaba para Tebessa, deixando Annaba às 16:40 e chegando em Tebessa às 21:49. 2a Classe: DA255, 1a Classe: DA360.

Devido à sua geografia altamente montanhosa e maciça, a Argélia tem uma extensa rede de teleféricos.

Fale[editar]

Algumas frases comuns em árabe argelino:
  • Washrak – Como você está?
  • Mlih — Bom
  • Shukran — Obrigado
  • Y'Semoni ou wasamni .... — Meu nome é...
  • Shehal – Quanto custa? ou quanto custa?

As línguas oficiais da Argélia são o árabe e o berbere. Muitos argelinos são multilíngues, com a maioria das pessoas sendo fluentes em mais de um idioma.

O árabe argelino (também conhecido como Darja), o vernáculo local, é falado nativamente por cerca de 75-80% da população. O árabe argelino é muitas vezes considerado mais difícil do que outros dialetos devido às suas características únicas e variações regionais. O dialeto é usado principalmente em comunicação informal e falada e não é normalmente usado para comunicação formal ou escrita. Se você não conhece o dialeto local, não se desespere; todos os argelinos aprendem árabe moderno padrão na escola, então você não deve ter problemas para se comunicar nas principais cidades.

O árabe argelino tem muitas semelhanças com outros dialetos Maghrebi, incluindo o árabe tunisiano e marroquino. Se você tem algum conhecimento do árabe marroquino, você não deve ter problemas para se conseguir, já que o árabe marroquino e argeno são, em grande medida, mutuamente inteligíveis.

Muitos argelinos que nasceram durante o domínio colonial francês (antes dos anos 1960) são incapazes de ler ou escrever árabe.

Kabyle é a língua berbere mais falada e é falada principalmente em cidades como Bejaia, Bouira e Boumerdes. Berber foi feito uma língua oficial após grandes protestos em 2002, e a língua é ensinada nas escolas argelinas.

O francês, embora não tenha status oficial, tem sido referido como a "língua franca" da Argélia. É ensinado em escolas argelinas desde tenra idade, e é amplamente utilizado em negócios diários. O francês é frequentemente usado para transliterar palavras árabes. Por exemplo, o nome Yasin é transliterado como Yacine.

Embora muitos argelinos sejam competentes em francês, muitos argelinos consideram a língua como um lembrete doloroso do domínio colonial francês. De todas as línguas faladas na Argélia, o francês é indiscutivelmente o mais útil.

O inglês está gradualmente ganhando popularidade como uma língua preferida para a aprendizagem, embora a maioria significativa dos argelinos tenha limitado a nenhum conhecimento dela. Os argelinos altamente educados podem ser competentes em inglês. O governo argelino está promovendo ativamente a língua, mas alguns, incluindo políticos na França, vêem isso como uma tentativa de diminuir a influência francesa no país.

Veja[editar]

A Argélia está repleta de tesouros escondidos, oferecendo uma riqueza de locais para os corajosos e curiosos.

Ruínas antigas[editar]

A Argélia, assim como a vizinha Líbia, orgulha-se de suas notáveis ruínas antigas. Volte no tempo e explore os restos das civilizações fenícia, romana e bizantina que deixaram uma marca indelével nesta terra. Embarcando em uma viagem para essas magníficas ruínas irá transportá-lo de volta no tempo e revelar a fascinante história das civilizações antigas da Argélia.

Prepare-se para ser inspirado por alguns dos mais renomados sítios arqueológicos da Argélia:

  • Timgad perto de Batna: Mergulhe na grandeza desta antiga cidade romana, conhecida como "A Pompeia da África". Maravilhe-se com as ruínas bem preservadas.
  • Hippo Regius em Annaba: Siga os passos da história nesta cidade costeira onde o famoso filósofo Santo Agostinho já residia. Explore os impressionantes restos de estruturas romanas, incluindo uma basílica e anfiteatro.
  • Djemila em Sétif: Deleite-se com o esplendor deste Patrimônio Mundial da UNESCO, outrora uma colônia militar romana. Admire o fórum bem preservado, templos, casas e impressionantes obras de arte em mosaico.
  • Calama em Guelma: Descubra os segredos desta antiga cidade romana, conhecida por seus mosaicos excepcionais. Perpassem as ruínas dos templos, basílicas e o intrigante teatro romano.
  • Tipasa: Mergulhe na rica tapeçaria histórica de Tipasa, onde coexistem ruínas dos impérios fenício, romano e bizantino. Maravilhe-se com o sítio arqueológico, que inclui um teatro, anfiteatro, basílica e vistas cativantes do Mar Mediterrâneo.

Deserto do Saara[editar]

As maiores possibilidades turísticas da Argélia estão no Saara; não há outro lugar na Terra que possa oferecer o mesmo nível de experiências inspiradoras nesta vasta paisagem desértica.

A joia da coroa dessas aventuras está dentro do Vale do M'zab, o epicentro da cultura Mozabite. Prepare-se para ser cativado pelas cinco cidades interconectadas que formam um playground arquitetônico de tirar o fôlego, que lembra a arte cubista e surrealista moderna. Essas cidades não são apenas lugares para ver, mas experiências para serem vividas, deixando uma impressão indelével em sua jornada.

Maravilhe-se com as duras e majestosas montanhas do Atlas do Saara, seus picos escarpados em pé como um testemunho das forças da natureza. Atravesse a extensão interminável do deserto e explore as imponentes Montanhas Hoggar ao redor da capital do deserto de Tamanrasset.

Sinta a emoção da aventura enquanto você encontra o vasto campo de dunas do Grand Erg Oriental em El-Oued, uma paisagem de outro mundo que o deixará em temor.

Descubra a história antiga da Argélia gravada em pedra enquanto você descobre as notáveis esculturas rupestres de Djelfa e do Parque Nacional Sasariana de Tassili N'Ajjer. Esses locais extraordinários exibem um tesouro de arte pré-histórica, transportando você de volta no tempo e conectando você com o rico patrimônio cultural da região.

Cidades importantes[editar]

Embora as principais cidades da Argélia possam não ostentar o mesmo nível de atrações turísticas que seus locais exóticos, elas oferecem uma perspectiva única sobre a cultura moderna do país, a herança islâmica e o legado colonial. Prepare-se para ser agradavelmente surpreendido pelos tesouros menos conhecidos que se encontram dentro.

  • Argel, a famosa Cidade Branca, pode não ser tão turística quanto se esperaria, considerando seu papel fundamental na vida econômica, política e cultural da Argélia. No entanto, à medida que todos os visitantes passam por Argel, explorar o centro histórico do século XVII conhecido como Casbah é uma obrigação. Passeie por suas ruas labirínticas, mergulhe na atmosfera vibrante e testemunhe a mistura de influências de várias civilizações.
  • Oran, a segunda maior cidade do país, possui uma mistura cativante de modernidade e charme histórico. Descubra sua vibrante cena artística, visite o icônico Forte de Santa Cruz e desfrute do ambiente animado da cidade.
  • Tlemcen, uma cidade rica em história, irá cativar você com suas maravilhas arquitetônicas, como a Grande Mesquita e a bela Mesquita Mansourah.
  • Constantine se destaca como uma grande cidade merecendo um lugar no seu itinerário. Conhecida como a Cidade das Pontes, mostra uma fusão fascinante de influências romanas, árabes e otomanas. Maravilhe-se com as impressionantes pontes que se estendem por desfiladeiros profundos, explore as antigas ruínas de Tiddis e encharque na rica herança cultural desta notável cidade.

Praias[editar]

A Argélia possui deslumbrantes praias mediterrâneas que irão cativar os amantes da praia. Experimente a vida marinha vibrante com belos peixes, encantadoras plantas marinhas e uma variedade de conchas deslumbrantes. As praias oferecem uma variedade de areias, de amarelo e branco a preto. Quer goste de pescar, nadar ou simplesmente acarrecer-se na beleza de um pôr-do-sol de tirar o fôlego, as praias da Argélia têm tudo. A Costa Turquesa em Oran destaca-se como um dos melhores destinos de praia do país, perfeito para relaxar. Annaba, Skikda e Ghazaouet também oferecem belos pontos costeiros. Para os visitantes perto de Argel, a cidade turística de Sidi Fredj é uma jóia inegável.

Parques nacionais[editar]

O argelino é mais do que apenas um país estéril, plano e quente do deserto. O país possui uma variedade de belos parques nacionais repletos de beleza natural.

Faça[editar]

A Argélia está cheia de ruínas romanas e cidades desertas do século X. Algumas das quais são:

  • Parque Nacional Tassili N'Ajjer: Um parque nacional no sul da Argélia com toneladas de artes rupestres e formação dramática de arenito.
  • Monumento dos mártires: monumento icônico em homenagem à independência, as pessoas que morreram pelo país e os veteranos.
  • A Igreja de Nôtre Dame da África: uma igreja católica com visões dramáticas em Oran
  • Hamma Scientific Experiments Park: jardins botânicos do século XIX.
  • Fortaliza de Santa Cruz: Forte no topo da montanha com vistas panorâmicas da cidade.
  • Mesquita de Ketchaoua: grande mesquita construída em 17o século.
  • Mausoléu Real da Mauritânia: Provavelmente um túmulo de uma princesa egípcia em Tipaza, Argélia.
  • Grande mesquita da Argélia: plataforma de observação de minaretes e um enorme salão.
  • Tikja: estação de esqui de inverno com caminhadas no verão. Localizado em El Asnam, Argélia.
  • Parque Nacional Chrea: Treks e uma estação de esqui em meio a picos arborados.
  • Argel Grand Post Office: Grande agência dos correios da era colonial.
  • Mesquita do príncipe Abdel Kader: Mesquita Landmark com 2 minaretes altos.
  • Ruínas romanas de Timgad: Tons de Ruínas Romana, Arquitetura Romana Antiga e história antiga localizada aqui.

Compre[editar]

O dinheiro[editar]

Nota: Você não tem permissão para tirar dinares argelinos da Argélia. Moradores da Argélia podem exportar até DA10000.
Taxas de câmbio para dinar argelino

A partir de janeiro de 2024:

  • US$1 ? DA135
  • ?1 ? DA150
  • UK'1 ? DA170

As taxas de câmbio flutuam. As taxas atuais para estas e outras moedas estão disponíveis a partir de XE.com

A moeda argelino é o dinar argelino, denotado pelo símbolo " ?." ou " DA" (código ISO: DZD). Existem moedas de DA5, DA10, DA20, DA50, DA100 e DA200. As notas são emitidas em denominações de DA100, DA200, DA500, DA1,000 e DA2,000.

O dinheiro pode ser trocado em bancos ou correios. Certifique-se de que as letras trocadas estão em boas condições; as pessoas tendem a ser exigentes com a aceitação de contas rasgadas e mais velhas. Tenha cuidado com outras moedas que não sejam euros ou dólares americanos: encontrar um banco que troque moedas menos comuns possa ser complicado.

Uma taxa de câmbio melhor geralmente pode ser encontrada trocando dinheiro através de trocadores de dinheiro não oficiais nas esquinas das ruas. Existem locais onde esta é uma prática generalizada. A taxa de câmbio oferecida é geralmente melhor do que a taxa oficial. Parece ser uma prática muito segura e muitas vezes é feita em vista da polícia, que não parece preocupada.

Os caixas eletrônicos estão amplamente disponíveis e podem ser encontrados em todos os correios ou bancos maiores, onde você pode retirar o dinar argelino com qualquer cartão de crédito principal e cartões Maestro. Se um pino com seis números for necessário, insira dois zeros antes do seu pino.

Muitos caixas eletrônicos da marca argelino não funcionam para cartões estrangeiros (mesmo ao mostrar que eles suportam Mastercard ou Visa). Você pode ter sorte com os caixas eletrônicos da Societé Générale.

De um modo geral, a Argélia é muito baseada em dinheiro, e a maioria dos estabelecimentos não aceita cartões de crédito. Alguns hotéis fazem (em particular estabelecimentos maiores), mas muitos não. Trazer uma ampla oferta de euros ou dólares americanos em dinheiro pode resultar em viagens muito mais baratas, aproveitando as taxas de câmbio muito melhores oferecidas pelo mercado de câmbio não oficial, como mencionado acima.

A Argélia tem um mercado de câmbio paralelo há vários anos, por exemplo, com as taxas de câmbio em agosto de 2018 sendo DA215 para o euro no mercado paralelo, contra cerca de 140 em dólares americanos no mercado oficial Forex. Assim, os viajantes dispostos a trocar euros serão aproximadamente 50% mais poder de compra. No entanto, tome cuidado se trocar no mercado paralelo: cuidado com a possibilidade de contas falsas.

Custos[editar]

A Argélia é um país notavelmente econômico; um bilhete de metrô subterrâneo normalmente custa DA50 e o aluguel mensal para um apartamento, dependendo da área, está entre DA40.000-100.000 por mês.

DA100-1,000 irá obter-lhe uma refeição completa ou uma viagem de ônibus de uma grande cidade para outra.

Vendedor de carpetes.

Coma[editar]

A cozinha argelina é uma mistura de sabores mediterrâneos e norte-africanos, com uma forte influência francesa. A cozinha argelina é cheia de pratos saborosos, como tagines, cuscuz e pastilha. Apesar de seus sabores ricos e ingredientes vibrantes, a culinária argelina não é tão conhecida ou apreciada como outras cozinhas mediterrâneas ou do norte da África. Ainda assim, isso não deve impedi-lo de experimentar totalmente a gastronomia argelina.

  • Fettate (especialidade do Saara)
  • Taguella (especialidade nômade)
  • Cuscus
  • Chorba (sopa com carne)
  • Rechta
  • Chackchouka
  • Mechoui
  • Qalb El Louz (sobremesa)
  • Pizza argelina
  • Beklawa
  • Ktayef
  • Tajine

Sobremesas e lanches

  • Qalb El Louz (Sudada doce feita a partir de camadas de sêmola amanteigada e amêndoas moídas. Saborizado com flor de laranjeira e um xarope de mel, está repleto de sabores e aromas de verão. Cada fatia é coberta com uma amêndoa inteira para um acrolvício adorável.)
  • Baklawa (bolo de amêndoa consiste em muitas camadas de massa muito fina cuidadosamente trabalhada à mão e encharcada de mel)
  • Ktayef (Uma espécie de vermicelli assado, recheado com amêndoas e encharcado de açúcar, xarope e mel)

Beba[editar]

A Argélia produz uma seleção de vinho (não em grande volume) e também cerveja. A Argélia já foi famosa por seus vinhos de alta qualidade. A nova produção também é de muito alta qualidade, particularmente o vinho tinto. A cerveja produzida localmente também é de um padrão muito alto. A Argélia é um país de maioria muçulmana, então você não encontra álcool vendido em todos os lugares, mas não é difícil encontrá-lo. Vinho e bebidas alcoólicas são vendidos nos poucos restaurantes de bar nas grandes cidades, melhores hotéis e casas noturnas. Alguns bares / restaurantes podem ser encontrados em parques agradáveis, por isso, se você estiver em um parque arborizado agradável, procure os restaurantes. Os restaurantes de fast food que são abertos e acessíveis ao público não vendem cerveja, e os cafés não vendem álcool. Se você visitar Argel ou cidades costeiras, há restaurantes de peixe em quase todos os portos de pesca, a pesca é tradicional e o peixe vendido é muito fresco; geralmente, esses restaurantes vendem álcool, mas você tem que pedir (não espere vê-lo, algumas vezes é no menu, algumas vezes não).

Finalmente, você pode comprar sua própria garrafa de vinho argelina para levar para casa em lojas discretas que vendem bebidas alcoólicas. É melhor comprá-lo no aeroporto de Argel, embora espere pagar 15 libras por garrafa. Em cidades menores, comprar bebidas alcoólicas pode ser um desafio; você geralmente os encontra na borda das cidades em áreas esboçadas e as condições em que o álcool foi mantido às vezes são questionáveis. Alguns muçulmanos bebem, mas consideram um pecado. É em privado, mas socialmente. Se alguém o convida para sua casa e não oferece álcool, ele espera que você não esteja bêbado ou cheir ao álcool, e não espera que você traga sua própria garrafa ou mesmo discuta beber álcool na frente de sua esposa e filhos.

Não-alcoólico

  • Sucos mediterrâneos (grenadina, laranja)
  • Chá verde muito doce
  • Café forte

Durma[editar]

Encontrar acomodação adequada na Argélia não é uma tarefa desafiadora, pois o país oferece uma ampla gama de opções de moradia, incluindo hotéis de luxo e alternativas econômicas. Para aqueles que procuram uma experiência de luxo, belos quartos de luxo para casais estão disponíveis a preços que variam de 150-250 euros por dia. Por outro lado, os turistas de baixo orçamento podem encontrar quartos com preços tão baixos quanto 10-45 euros por dia. Hotéis de luxo oferecem uma variedade de serviços, incluindo lanchonetes, bares, restaurantes, casas noturnas e piscinas, garantindo uma estadia deliciosa.

Durante a temporada de verão, que se estende de 15 de junho a 31 de agosto, muitos proprietários alugam casas e chalés ao longo do Mar Mediterrâneo, particularmente na área de Port Say (Marsa Ben M'hidi) a El-Kala. Os preços para esses aluguéis variam dependendo do número de quartos, geralmente variando de 700 a 3000 euros por mês, incluindo eletricidade. É aconselhável fazer reservas antecipadas através de conhecidos ou agências de viagens para garantir o alojamento desejado. Além disso, muitos argelinos utilizam anúncios de internet para aluguel de moradias, embora seja recomendado enviar um indivíduo confiável para inspecionar a propriedade antes de fazer qualquer pagamento, pois algumas ofertas podem parecer atraentes, mas provar serem enganosas.

Outra atração notável é o complexo Meskoutine Hammam, que oferece várias comodidades, como spas, piscinas e muito mais. Situado perto de uma cachoeira hipnotizante que possui uma fonte de água quente natural com uma temperatura de 98oC (208 ?F), este local tem a distinção de ser a segunda fonte termal mais procurada do mundo, superada apenas pelo gêiser na Islândia. Os preços dos bangalôs neste complexo variam dependendo do número de quartos, normalmente variando de DA1500-3000 por dia.

De acordo com as leis argelinas atuais, os não-argelenses não estão autorizados a comprar imóveis na Argélia.

Aprenda[editar]

Embora a educação seja gratuita e obrigatória para os argelinos de 6 a 15 anos, o sistema educacional argelino tem sido criticado por ser mal mantido.

Muito poucos viajantes, se houver, aproveitam as oportunidades de aprendizagem no país. A menos que você seja fluente em árabe, francês ou em ambos, é improvável que as oportunidades de aprendizado na Argélia sejam de seu interesse.

A universidade mais antiga e prestigiada do país é a Universidade de Argel.

Trabalhe[editar]

As oportunidades de emprego na Argélia são limitadas e as taxas de remuneração são baixas. A falta de diversificação econômica, um sistema educacional precário, condições de trabalho rígidas, uma alta dependência das receitas de petróleo e gás e regulamentações restritivas sobre o investimento estrangeiro contribuem para o mercado de trabalho pobre do país. Os sucessivos governos argelinos fizeram pouco para criar oportunidades de emprego suficientes para as pessoas.

Raramente se administra a vida no país de forma eficaz sem conhecer árabe, francês ou ambos, então tente adquirir as habilidades linguísticas necessárias. Isso abrirá muitas portas para você.

O maior empregador na Argélia é o governo argelino e o governo emprega 30-40% da força de trabalho argelina. Se você conseguir garantir emprego na Argélia, há uma boa chance de você acabar trabalhando para o governo argelino, porque o governo tem participações de controle em muitas empresas argelinas.

As empresas argelinas são hierárquicas e há expectativas para gerentes seniores e funcionários juniores. Espera-se que os gerentes seniores sejam decisivos e demonstrem qualidades de liderança, e espera-se que os funcionários juniores acompanhem seus superiores em todos os momentos.

Embora ser estrangeiro o coloque em vantagem (os idosos geralmente confiam em habilidades estrangeiras mais do que nas habilidades locais), a importância de fazer as coisas do “fio augeriano” não pode ser exagerada. Tomar muito tempo para tomar uma decisão, não mostrar interesse em fazer tarefas, não ter uma boa moral, não cumprimentar os superiores adequadamente e discordar abertamente de seus superiores, sem dúvida, o distanciará das pessoas.

Não é incomum que os argelinos contratem seus amigos próximos e familiares. Os argelinos não vêem isso como uma prática desleal; em vez disso, consideram gratificante ajudar os outros necessitados.

A semana de trabalho normalmente vai de domingo a quinta-feira. Sexta-feira e sábado são dias de descanso.

As autoridades argelinas não se abusam muito gentilmente das pessoas que abusam das leis de imigração argelina; muitos migrantes da África Ocidental e do Sahel muitas vezes tentam entrar ilegalmente na Argélia (sem qualquer papelada e documentação) em busca de melhores oportunidades na Argélia. Muitos desses migrantes trabalham como trabalhadores. Dada a proximidade da Argélia com a Europa, alguns migrantes tentam entrar na Europa.

Segurança[editar]

Nota: As preocupações de segurança da Argélia se devem principalmente à instabilidade regional. Há um risco elevado de sequestros, roubos e ataques terroristas em áreas rurais, montanhosas, fronteiriças e remotas do norte da África. Não viaje perto da fronteira sul. Grupos extremistas aproveitam as fronteiras porosas para realizar ataques.
Consultores de viagens
  • O Canadá
  • Reino Unido
  • Estados Unidos da América
(Informações atualizadas pela última vez 13 Dec 2023)

Não viaje para ou na Argélia do Saara por terra se você não tem experiência com a condução em áreas desérticas ou conhecimento de estradas argelinas. A área é escassamente povoada (o que significa que a ajuda é limitada), e você pode se perder facilmente se não souber o que está fazendo. Por esta razão, acesse a área por avião.

Não viaje depois do anoitecer; viaje de avião se puder, em vez de de carro; viaje com transportes públicos; evite estradas menores; pergunte à polícia ou aos gendarmes se não tiver certeza sobre o seu entorno. Confira os conselhos de viagem nos sites do governo da Austrália, Canadá, Irlanda e Nova Zelândia.

Agitação política[editar]

Desde que ganhou a independência em 1962, a Argélia experimentou uma longa história de instabilidade política. Protestos e manifestações contra o governo não são incomuns, e eles podem se tornar violentos rapidamente.

Não participem de protestos políticos ou façam comentários fortemente contra o governo nas redes sociais; as pessoas, incluindo os cidadãos com dupla nacionalidade da Argélia, foram impedidas de deixar o país por fazer isso.

Esteja vigilante e ciente de seu entorno; se você ver quaisquer sinais de um protesto ou perturbação, você deve deixar a área imediatamente e procurar um lugar seguro.

É altamente recomendável que você monitorize e ouça a mídia local durante a sua estadia em Argélia.

Clima extremo[editar]

90% do país é coberto pelo deserto do Saara. A Argélia é um país muito quente e as temperaturas podem chegar a 50oC (122oF). Certifique-se de hidratar com frequência e usar roupas apropriadas para lidar com o calor.

Terrorismo e banditismo[editar]

Áreas próximas às fronteiras com a Líbia, Níger, Mali e Mauritânia são inseguras devido à ilegalidade geral. De um modo geral, os turistas têm pouca ou nenhuma razão para ir a essas áreas, pois não têm nada que interesse os turistas. Se você pretende dirigir em um desses países, é recomendável que você obtenha uma escolta armada.

Antiguidades[editar]

A Argélia tem leis rígidas relativas à exportação de antiguidades. Se você comprar uma lembrança que parece velha ou antiquada, tente obter a documentação necessária para isso. É melhor estar seguro do que pedir desculpas. Não o fará com que se desempense seriamente com as autoridades argelinas.

Fotografia[editar]

Não fotografe edifícios governamentais, instalações de segurança ou militares / policiais. Você será prontamente detido pelas autoridades argelinas.

Viajantes LGBT[editar]

Como é o caso em todo o mundo árabe e no Oriente Médio, a homossexualidade é desaprovada pela grande maioria dos argelinos. A exibição aberta de tais orientações pode resultar em desprezo aberto e possível violência.

O racismo[editar]

A Argélia é, em grande medida, um país acolhedor. A hospitalidade é uma pedra angular da cultura argelina, e os argelinos consideram vergonhoso não dar um caloroso ao hóspede uma recepção calorosa.

Dito isto, as pessoas de pele negra podem ser incorretamente assumidas como migrantes do Sahel e podem atrair a atenção indesejada das autoridades. Não é incomum que as autoridades de perfilem racialmente pessoas de pele negra.

Cidadãos com dupla argelinos[editar]

Se você é um cidadão argelino – sendo um cidadão duplo da Argélia ou ter um pai argelino – possuir outro passaporte não o isentará do serviço militar obrigatório (aplicável apenas aos homens) e concederá acesso e proteção consulares no caso de você ser detido ou preso.

Viajantes de mulheres[editar]

Se você é casado com um argelino, você está sujeito às leis de marital argelina. Você não precisa de permissão do seu marido para sair do país.

As mulheres estrangeiras muitas vezes atraem a atenção dos homens argelinos. Ser excessivamente amigável ou fazer contato visual direto com um homem argeno pode levá-lo a pensar que você está "dentro" dele.

Esteja avisado que alguns homens podem assediá-lo sexualmente. Se isso acontecer, não tenha medo de criar uma cena e não sinta a necessidade de ser educado; nenhuma mulher deve suportar um comportamento podre como esse.

Saúde[editar]

Saúde na Argélia, de acordo com a informação de um mar 6, 2006 Estados Unidos relatório, não se compara bem com o mundo desenvolvido. Argélia tem número insuficiente de médicos (um por cada 1000 pessoas) e de leitos hospitalares (2,1 por 1000 pessoas) e de difícil acesso para a água (87 por cento da população) e saneamento (92 por cento da população).Jovens da Argélia, favorece a política preventiva de saúde sobre hospitais e clínicas.Em consonância com esta política, o governo mantém uma imunização programa.No entanto, más condições sanitárias e de água insalubre ainda causam tuberculose, hepatite, sarampo, febre tifóide, cólera e disenteria.Em 2003 cerca de 0,10 por cento da população com idades compreendidas entre os 15-49 estava vivendo com o vírus da imunodeficiência humana / síndrome de imunodeficiência adquirida (HIV / AIDS).Os pobres geralmente recebem cuidados de saúde gratuitos, mas os ricos pagam para os cuidados de acordo com uma escala móvel.Acesso aos cuidados de saúde é reforçada pela exigência de que os médicos e dentistas trabalham na saúde pública, pelo menos, cinco anos.No entanto, os médicos são mais facilmente encontrados nas cidades do norte do que no sul do Sara região.

Embora a Argélia tenha um sistema de saúde universal que cubra todos os cidadãos e ofereça assistência médica gratuita em instalações públicas, o sistema público de saúde é notório por ser mal mantido; o sistema tem sido assolado por subfinanciamento, falta de pessoal, superlotação, corrupção e má gestão. A pandemia de COVID-19 exacerbou muitos dos problemas enfrentados pelo já problemático sistema de saúde da Argélia. Instalações médicas privadas são geralmente muito mais bem equipadas do que instalações médicas públicas.

Os cuidados médicos no sul da Argélia, particularmente no Saara, são praticamente inexistentes, mesmo para não-cidadãos. Se você está planejando uma viagem para a área, é aconselhável trazer seus próprios suprimentos médicos.

A Argélia às vezes é atingida por cortes de energia localizados durante o verão no sul, o que significa que os alimentos refrigerados podem ficar ruins. Portanto, você deve ter isso em mente ao comer em restaurantes, pois a probabilidade de contrair intoxicação alimentar está sempre lá.

Os mosquitos também são um problema na Argélia, mas são apenas um incômodo, pois a malária não é comum. Nas áreas urbanas, há uma pulverização periódica em toda a cidade contra mosquitos.

Não espere muito boa qualidade de água no sul da Argélia, para beber você pode comprar garrafas de água em vez de beber água da torneira, eles são baratos em DA30 por 2L, então 5L de boa água custa menos de US $ 1.

Respeite[editar]

Ramadã

O Ramadã é o 9o e mais sagrado mês do calendário islâmico e dura 29-30 dias. Os muçulmanos jejuam todos os dias por sua duração e a maioria dos restaurantes será fechada até que o rápido intervalo ao anoitecer. Nada (incluindo água e cigarros) deve passar pelos lábios do amanhecer ao pôr do sol. Os não-muçulmanos estão isentos disso, mas ainda devem abster-se de comer ou beber em público, pois isso é considerado muito indelicado. As horas de trabalho também diminuem no mundo corporativo. As datas exatas do Ramadã dependem de observações astronômicas locais e podem variar um pouco de país para país. O Ramadã termina com o festival de Eid al-Fitr, que pode durar vários dias, geralmente três na maioria dos países.

  • 11 de março – 9 de abril de 2024 (1445 AH)
  • 1 Março – 29 março 2025 (1446 AH)
  • 18 de fevereiro – 19 de março de 2026 (1447 AH)
  • 8 de fevereiro – 8 de março de 2027 (1448 AH)

Se você está planejando viajar para a Argélia durante o Ramadã, considere ler Viajar durante o Ramadã.

Argelinos, norte-africanos e árabes no Golfo compartilham uma cultura comum; portanto, muito do que é considerado boas maneiras no mundo árabe é aplicável à Argélia.

A honra é uma pedra angular importante da cultura argelina e forma a base de todas as relações no país. Os argelinos acreditam que recusar o pedido de alguém faz com que ele perca a honra. Seja inteligente sobre o que você diz abertamente – criticar alguém em público ou fazer alguém parecer ruim na frente dos outros pode fazer com que um argelino perca sua honra, ou seja, perder a face.

Embora muitos argelinos falem francês, seria inapropriado afirmar que os argelinos são franceses.

Sinta-se livre para fazer perguntas ou mostrar algum interesse em história, geografia, atrações turísticas e cultura argelinas; isso fará com que os argelinos gostem e respeitem você. Como é o caso em qualquer lugar, os argelinos apreciam bons comentários sobre seu país, costumes e cultura.

Mostre respeito aos mais velhos. Aja educadamente em torno de alguém mais velho do que você ou em uma posição de autoridade, e não diga ou faça qualquer coisa que os faça se sentir desafiados.

Os termos "irmão" e "irmã" são frequentemente usados para se dirigir às pessoas, mesmo que não as conheçam pessoalmente.

Os argelinos geralmente mantêm suas vidas privadas para si mesmos e não gostam de discutir sua vida familiar com pessoas com quem não estão bem familiarizados. Dito isto, não é rude perguntar se alguém é casado ou se tem filhos.

Questões sensíveis[editar]

A política[editar]

A política doméstica é altamente sensível e polarizada. Os argelinos, em geral, têm uma relação tensa com seu governo e é comum que expressem sentimentos de frustração, aborrecimento, infelicidade e raiva em relação a seus líderes políticos. Embora possa ser comum ouvir os resmungo sobre o governo argelino, tente evitar declarar sua opinião sobre a política local; os argelinos podem não apreciá-lo e pode vê-lo como uma tentativa aberta de interferir nos assuntos de seu país.

Evite falar sobre Marrocos. Embora haja fortes laços culturais, religiosos e históricos entre as duas nações, as relações argelino-orocroccanas foram tensas por uma série de questões sociais e políticas. Ambos os lados se acusam mutuamente de interferência política.

Evite estar excessivamente entusiasmado com a França. A ocupação francesa da Argélia foi um período de grande sofrimento para muitos argelinos. Milhares de argelinos foram presos, torturados, exilados e maltratados pelos franceses, e os argelinos sentem que a França não fez o suficiente para reconhecer o dano que causou à Argélia. Na França, os argelinos são por vezes discriminados e tratados com um grau de desprezo. Se você é de herança franco-argelense, você deve ser extra cuidadoso; demonstrações de entusiasmo pela França podem levá-lo rotulado como um "harki" (um termo historicamente contestado com conotações negativas) ou um "traidor".

A etnia é um tema muito sensível na Argélia. Os berberes, que compõem 15-20% da população, têm uma longa história de maltratados pelo governo argelino e há muito tempo lutam pela autonomia e pelos direitos culturais. Alguns argelinos afirmam que a Argélia não é um país árabe. Seria imprudente perguntar sobre a etnia de alguém.

Tente não falar sobre a Guerra Civil da Argélia. Dezenas de milhares de argelinos morreram durante a guerra e ainda é uma ferida na consciência nacional.

Religião[editar]

O Islã é a religião do Estado da Argélia, e é, pelo menos no papel, praticada por 99% da população. Dito isto, não há nenhum código de vestimenta especial em vigor. Os estilos de vestidos argelinos são geralmente semelhantes aos estilos de vestir europeus. É aconselhável vestir-se conservadoramente para que você não se destaque como um polegar dolorido.

  • Ao visitar locais de importância religiosa, comporte-se e se vista bem. Algumas mesquitas podem estar fora dos limites para os não-muçulmanos. Em caso de dúvida, pergunte.
  • Durante o Ramadã, você deve abster-se de comer, beber, fumar e mastigar em público. Não fazê-lo seria visto como insensível e desrespeitoso.
  • Abstenha-se de criticar ou falar mal da religião.
  • Não fale sobre religião de um ponto de vista agnóstico; isso pode ser recebido com total incompreensão.
  • Qualquer coisa que indique o prosismo não será apreciada nem bem-vinda.

Fumar[editar]

Todos os cigarros são vendidos livremente.

Fumar na presença de alguém que não é fumante em um lugar público requer sua permissão. Se alguém não gosta da fumaça, tosse ou pede para não fumar, basta parar e pedir desculpas. É o que os habitantes locais fazem. Se você for convidado para a casa de alguém, não fume a menos que o anfitrião o faça e depois que ele fizer isso, você pode pedir permissão para fumar.

Se você estiver em um restaurante ou terraço de café onde as pessoas fumam, você pode fumar, mas se você estiver com os moradores que não são fumantes, pergunte-lhes primeiro se está tudo bem. Menos e menos pessoas fumam, por causa de uma campanha global de conscientização sobre saúde.

Se você é um não-fumante, você ainda vai encontrá-lo desagradável em muitos lugares públicos por causa do tabagismo.

Mantenha contato[editar]

Conexões de telefonia móvel[editar]

Existem 3 principais serviços móveis na Argélia - Mobilis, Djezzy e Ooredoo (anteriormente Nedima). É fácil obter um cartão SIM pré-pago para um desses operadores em qualquer aeroporto. Em fevereiro de 2022, um cartão SIM com 60 GB de dados foi vendido pela Ooredoo para DA2500. Existem várias lojas gerais em todo o país que venderão cartões de recarga para essas transportadoras. Os serviços 3G foram lançados em 1 de dezembro de 2013, e o 4G está disponível em uma seleção das principais cidades por todas as operadoras.

Ligação à Internet[editar]

O único provedor de internet é o Algerie Telecom, de propriedade do governo, que oferece internet ADSL com velocidades que variam de 1 Mbps a 20 Mbps e preços de DA1600 a DA7200, respectivamente. 4G LTE também está disponível, mas as velocidades são muito lentas e o serviço não é muito bom nas áreas rurais.


Este artigo está delineado. Ele já segue um modelo adequado, mas não contém informações suficientes sobre o assunto.

Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!