34.533369.1333Map mag.png

Afeganistão

Fonte: Wikivoyage
Ásia > Ásia Central > Afeganistão
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox warning pn.svg
Em agosto de 2021, o Talibã assumiu o controle do Afeganistão. Viajar ao Afeganistão pode ser extremamente perigoso. A maioria das embaixadas foi fechada e muitos países aconselham seus cidadãos a sair imediatamente.
noframe
Bandeira
Informações básicas

O Afeganistão é um país sem litoral que se encontra na encruzilhada entre o centro e o sul da Ásia. Outrora o centro de muitos impérios poderosos, o país está em um estado de caos e turbulência desde os anos 1970. A agitação política é galopante e o país sofre com problemas sociais, como guerra, seca, crise de saúde pública, terrorismo, corrupção, pobreza e altos níveis de analfabetismo.

No entanto, em circunstâncias menos extremas, este vasto país montanhoso tem muito a oferecer ao viajante aventureiro em busca de emoção. Suas paisagens são simplesmente majestosas, o amante da história pode apreciar inúmeros locais históricos de todas as épocas e o amante da arquitetura pode deleitar seus olhos com essa maravilhosa arquitetura islâmica. Há até um santuário que abriga uma capa que foi usada pelo Profeta Muhammad, o fundador do Islã.

O Afeganistão é um caldeirão de diferentes culturas. O Islã é a religião oficial. A maioria dos afegãos são muçulmanos sunitas, embora uma parte considerável deles sejam muçulmanos xiitas.

Regiões[editar]

Map of Afghanistan.svg
Afeganistão Ocidental
Afeganistão Oriental
Noroeste do Afeganistão
Nordeste do Afeganistão
Sul do Afeganistão


Cidades[editar]

  • 1 Cabul - no leste, a capital
  • 2 Bamiyan - os restos dos Budas. Antes considerada uma das maravilhas do mundo, essas esculturas em pedra foram destruídas pelo Talibã em um notório ato de vandalismo cultural.
  • 3 Ghazni - no sudeste, entre Cabul e Kandahar
  • 4 Herat - no oeste, porta de entrada para o Irã, tem uma forte influência persa e vários locais históricos interessantes
  • 5 Kandahar - uma cidade muito conservadora no sul. Conhecida como a casa do Talibã.
  • 6 Kunduz - uma grande cidade no nordeste e ponto de passagem para o Tajiquistão

Entenda[editar]

O Afeganistão está no noticiário desde o final dos anos 1970 por todos os motivos ruins. Embora a visita não seja aconselhável há vários anos, ela tem muito a oferecer ao viajante intrépido. No entanto, mesmo os turistas mais aventureiros devem considerar procurar outro lugar em busca de emoção.

Clima[editar]

As temperaturas nas terras altas centrais ficam abaixo de zero na maior parte do inverno, e a neve é ​​comum em altitudes mais elevadas. As máximas do verão em elevações mais baixas podem exceder 50° C/120° F. Em áreas mais altas, como Cabul, as temperaturas no verão podem ser de 30° C/90° F e no inverno em torno de 0° C/30° F. O clima mais agradável em Cabul é nos meses de abril, maio e setembro.

Solo[editar]

Principalmente montanhas acidentadas; planícies no norte e sudoeste. As montanhas estendem-se de nordeste a sudoeste, dividindo as províncias do norte do resto do país. O sul de Kandahar é deserto. O ponto mais baixo é Amu Darya com 258 m, e o mais alto é Nowshak em 7.485 m. O Afeganistão faz fronteira com o Paquistão ao sul e leste, Irã a oeste, Turcomenistão, Uzbequistão e Tadjiquistão ao norte. Há uma curta fronteira com a China no extremo nordeste, mas em terreno extremamente inacessível.

Pessoas[editar]

O Afeganistão é um país com diversidade étnica. O maior grupo étnico são os pashtuns. Membros da tribo Baloch, ainda em grande parte nômades, podem ser encontrados em qualquer lugar entre Quetta, no Paquistão, e Mashad, no Irã, incluindo grande parte do oeste do Afeganistão. Eles fazem tapetes maravilhosos. Os hazaras nas montanhas centrais parecem muito mais com os asiáticos do que outros afegãos. Existem também milhares de hindus que vivem em diferentes cidades, mas principalmente em Cabul, Jalalabad e Kandahar.

História[editar]

Sendo a porta de entrada da Rota da Seda entre o Oriente Médio e o Leste Asiático, o Afeganistão tem sido tão difícil de conquistar para os grandes exércitos da história. O país tem uma longa história de guerras, principalmente contra invasores como Alexandre III da Macedônia, os persas, os árabes, os turcos, os mongóis e os britânicos. O país moderno foi fundado quando Mirwais Hotak se levantou contra os persas em 1709 e estabeleceu a dinastia Hotaki, com capital em Kandahar. Posteriormente incluiu o que hoje é o Irã e o Iraque, mas a dinastia entrou em colapso em 1738. Em 1747, Ahmad Shah Durrani restabeleceu o Afeganistão e o expandiu para incluir grande parte do Paquistão moderno, bem como o nordeste do Irã e partes do noroeste da Índia. Em 1823, o Afeganistão tornou-se um emirado quando Dost Mohammed Khan, o fundador da dinastia Barakzai em Cabul, assumiu o poder.

No final do século XIX, a Segunda Guerra Anglo-Afegã foi travada devido à percepção da influência russa na região, e a Grã-Bretanha ganhou o controle das relações exteriores do Afeganistão como parte do Tratado de Gandamak de 1879. O Afeganistão tornou-se totalmente independente dos britânicos em 1919. Em 1926, o emir Amanullah Khan se autoproclamou rei do Afeganistão e tentou modernizar e ocidentalizar o país. Em 1933, Mohammed Zahir Shah assumiu o trono e governou o país até 1973, quando a monarquia constitucional foi derrubada por um golpe e o país tornou-se uma república.

Após a revolução de abril de 1978 e o golpe bem-sucedido das forças pró-comunistas, a União Soviética invadiu em dezembro de 1979 para apoiar o novo regime socialista. A guerra começou. Em fevereiro de 1989, todas as forças soviéticas retiraram-se do país, mas os combates continuaram entre as forças do governo afegão apoiadas pelos soviéticos e os rebeldes islâmicos do Mujahedeen, que foram financiados pelos Estados Unidos, Arábia Saudita e outros, enquanto eram treinados pelo Paquistão e Irã.

O grupo Talibã após a tomada de poder em agosto de 2021

Uma facção dentro dos Mujahedeen emergiu como Talibã no final de 1994. Apoiados por estrangeiros e inspirado por uma seita conservadora do Islã, o grupo tomou a capital Cabul no final de 1996 e controlavam a maior parte do país em 2000, com exceção de algumas áreas no nordeste. Depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, o Talibã se recusou a entregar Osama bin Laden ou outros militantes da Al-Qaeda. Os EUA então iniciaram uma ação militar contra o grupo.

Representantes de todos os grupos étnicos do Afeganistão se reuniram na Alemanha e concordaram em formar um novo governo com Hamid Karzai como presidente. Após uma eleição nacional em 2004, Hamid Karzai foi eleito presidente da República Islâmica do Afeganistão. Um ano depois, em 2005, foram realizadas eleições legislativas e o parlamento do país voltou a funcionar. Os EUA assinaram diversos acordos com o Afeganistão e permaneceu com militares no país até 2021. Após a saída, o governo afegão entrou em colapso rapidamente e o Talibã tomou o poder.

Fale[editar]

As línguas oficiais do Afeganistão são o dari (um dialeto afegão do persa), que serve como língua franca do país, e o pashto, falado pelo grupo étnico mais dominante do país, os pashtuns. A maioria dos afegãos é bilíngue em ambos. De acordo com o CIA World Factbook, 78% dos afegãos falam dari e 50% falam pashto.

É mais provável que você encontre um falante de pashto em áreas próximas à fronteira com o Paquistão do que em qualquer outro lugar. Como o Afeganistão é um país diversificado e multiétnico, centenas de línguas são faladas.

Embora o inglês seja ensinado a partir da quarta série, poucos afegãos falam inglês. De acordo com o CIA World Factbook, menos de 5% de todos os afegãos falam inglês. É provável que você encontre um falante de inglês na capital, Cabul. Um conhecimento sólido de dari e pashto é essencial para o viajante ousado e independente.

Graças à influência do cinema indiano e às relações entre o governo central e a Índia, um número considerável de pessoas pode falar e entender hindi. No entanto, a taxa de alfabetização no Afeganistão é baixa.

Chegar[editar]

A maioria dos visitantes precisa solicitar um visto com antecedência, e geralmente é mais fácil obtê-lo do que você imagina. Consulte a página de vistos do Ministério das Relações Exteriores do Afeganistão.

De avião[editar]

O Aeroporto Internacional de Cabul (IATA: KBL) em Cabul é o principal ponto de entrada do país. No final de 2008, o antigo terminal, que quase não funcionava, foi reformado e agora está sendo usado para voos locais, enquanto o novo terminal de construção japonesa entrou em operação e passou a operar voos internacionais. Em setembro de 2021, havia poucos voos devido à incerteza após a mudança de poder.

A transportadora nacional, Ariana Afghan Airlines, está voando com uma pequena frota de cerca de 14 airbus e boeings. Eles têm voos diários de Dubai e voos periódicos de Frankfurt, Delhi, Istambul, Baku e Teerã. Ariana é particularmente ruim em cumprir os horários — voos podem ser cancelados ou atrasados ​​sem aviso prévio.

A melhor opção é a operadora independente Kam Air, que tem voos duas vezes por dia de Dubai, voos duas vezes por semana de Delhi e voos semanais de Almaty, Istambul e Mashad. Alguns dos voos da rota Dubai-Cabul param em Herat se você preferir entrar no país por lá. A Safi Air também oferece voos entre Dubai e Cabul. Eles são a única companhia aérea com certificação de segurança no Afeganistão. A Safi é a única companhia aérea afegã com permissão para voar para a Europa e tem voos diretos para Frankfurt. O serviço é bom e os aviões são bons. Os funcionários são profissionais.

A Pakistan International Airlines (PIA) voa quatro vezes por semana de Islamabad e uma vez por semana de Peshawar a Cabul. Outra rota pode ser por Teerã ou Mashad, no Irã. A Iran Air realiza voos periódicos de Teerã para Cabul. A Air India opera seis voos semanais de Delhi a Cabul. A Turkish Airlines também iniciou voos entre Cabul e Istambul em 2011. A Air Arabia costumava voar quatro vezes por semana a partir de Sharjah — no entanto, suspendeu as operações.

De carro[editar]

Existem várias estradas para o Afeganistão:

  • De Quetta, Paquistão, a Kandahar, no sul. Esta passagem está fechada a nacionais de países terceiros.
  • De Mashad, no Irã, a Herat, no oeste. Essa fronteira está aberta para estrangeiros.
  • De Termez, Uzbequistão, a Mazar-e Sharif, no norte. Esta fronteira está aberta a nacionais de países terceiros.
  • Do Tajiquistão a Kunduz, no noroeste. A situação de segurança nesta fronteira não é considerada favorável à passagem em 2019.

A partir de 2021, nenhuma dessas rotas deve ser considerada segura.

De ônibus[editar]

Os ônibus circulam regularmente entre Jalalabad e Peshawar, no Paquistão. Além disso, entre Herat e Mashad, no Irã. Os ônibus afegãos são examinados minuciosamente pela polícia da fronteira iraniana em busca de possíveis drogas, portanto, espere atrasos.

De trem[editar]

O Afeganistão nunca teve uma rede ferroviária nacional. No entanto, existem várias cidades de fronteira com trens de passageiros, de onde é possível continuar para o Afeganistão a pé ou de táxi. Do outro lado da fronteira com o noroeste do Afeganistão, a cidade de Termez, no Uzbequistão, recebe trens tanto de Moscou quanto de Tashkent.

Circular[editar]

De avião[editar]

Os aviões voam entre Cabul e as principais cidades (Kandahar, Herat e Mazar-e Sharif) em frequências variadas. Se o tempo estiver adequado, os voos são operados diariamente. A maioria dos voos parte das cidades pela manhã, apenas antes das 11:00. Os aviões civis não são operados após o pôr do sol.

De carro[editar]

Há uma crescente rede de transporte público entre as cidades do país. Os ônibus realizam algumas rotas e os veículos da Toyota têm quase o monopólio do transporte de minivan e táxi. Uma nova rodovia conecta Cabul e Mazar-i-Sharif. A rodovia está em boas condições e é considerada "relativamente" segura. A viagem dura no mínimo 5 horas. A rodovia passa pelas famosas montanhas Salang e atravessa as cadeias de montanhas Hindu Kush.

Uma nova rodovia liga Cabul a Kandahar. A rodovia está em boas condições, mas não deve ser considerada segura devido aos frequentes ataques de forças antigovernamentais, como o Talibã, que costuma plantar minas poderosas (bombas) próximas a rodovias nas quais civis são mortos. A viagem dura no mínimo 5 horas.

Não há taxímetro em grande parte do Afeganistão. Os táxis são amarelos e claramente identificáveis. Normalmente, você deve fazer um acordo com o motorista antes de se sentar. Existem operadores turísticos em Cabul que podem fornecer um carro e um guia; essas pessoas estão disponíveis para aluguel no próprio Aeroporto Internacional de Cabul. Postos de gasolina são escassos no campo e o combustível é caro.

Estradas pavimentadas são a exceção, não a regra, e mesmo essas estradas podem estar em mau estado de conservação. Uma vez fora das grandes cidades, espere estradas de terra (que se transformam em lama durante a chuva ou o derretimento da neve).

Compre[editar]

Taxas de câmbio para afegãos
Em março de 2020:

US$ 1 ≈ 75 Afs
€ 1 ≈ 85 Afs
£ 1 ≈ 95 Afs

As taxas de câmbio flutuam. As taxas atuais para essas e outras moedas estão disponíveis em XE.com

O afghani é a moeda do Afeganistão, denotada pelo símbolo "Afs" ou "؋" (código ISO: AFN). Os produtos mais famosos do Afeganistão são tapetes e há alguns bons negócios a serem fechados, embora uma boa pechincha seja absolutamente necessária para obtê-los. As tribos Baluchi no sul e no oeste tecem tapetes finos, e as tribos turcomanas no norte também fazem; ambos os grupos também são encontrados em países vizinhos.

Os tapetes afegãos são geralmente feitos em oficinas da cidade, principalmente para o comércio de exportação. Eles geralmente são grandes; 3x4 metros (10x12 pés) é comum. A maioria é tecida de maneira bastante grosseira para manter os custos baixos. Se você precisa de um grande tapete para a sala de estar a um preço moderado, provavelmente esta será sua melhor escolha.

Os tapetes Baluchi são geralmente pequenos, pois os nômades não podem usar teares grandes; tamanhos de até 1,5 por 2 metros (4x7 pés) são comuns, mas não muitos além disso. Eles são populares entre os viajantes, em parte porque são bastante portáteis. Um tipo muito comum é o tapete de oração, grande o suficiente para uma pessoa se ajoelhar de frente para Meca. Todos tipos tendem a usar padrões geométricos, geralmente com o vermelho como cor de fundo.

É bastante comum que tapetes tecidos por nômades — como muitos tapetes Baluchi e alguns turcomanos — apresentem pequenas irregularidades. O tear é desmontado para transporte e remontado no novo acampamento, de modo que o tapete pode não ficar perfeitamente retangular. Corantes vegetais são frequentemente usados ​​e tons podem variar. Os designs são amplamente copiados.

Compre[editar]

Homem exibe uma coleção de seus melhores tapetes afegãos

Outro produto comum e uma lembrança popular é o casaco de pele de carneiro afegão. Eles têm a lã por dentro para aquecer e o couro por fora para bloquear o vento, a chuva e a neve. Eles costumam ter lindos bordados. No entanto, os fabricantes usam o bordado para esconder falhas no couro; casacos de alta qualidade terão pouco ou nenhum bordado.

Os costumes australianos são conhecidos por incinerar esses casacos na chegada, para proteger sua grande população de ovelhas de doenças. Eles podem não ser o único país que fará isso. Há também vários pedaços de metal — potes, vasos e travessas fortemente decorados, e algumas facas bem bonitas.

As armas são muito comuns no Afeganistão e algumas são de considerável interessantes para historiadores e colecionadores. A arma mais comum é o rifle de cano longo, mas normalmente não são genuínos. A qualidade costuma ser duvidosa, em particular o aço costuma ser de baixa qualidade, e disparar é arriscado. Isso também é uma lembrança bastante problemática. Importar uma arma de fogo para qualquer lugar pode ser difícil ou até impossível. Além disso, se você realmente disparar qualquer arma afegã, há o risco de ela explodir na sua cara.

Veja[editar]

Os lagos em Band-e-Amir em março, mostrando a estranha combinação de deserto, neve e águas cristalinas

Embora a violência contínua tenha posto um fim quase total ao turismo no Afeganistão, a falta de visitantes não tem nada a ver com os pontos turísticos do país. Esta é uma terra cheia de atrações, contando histórias dos tempos antigos e oferecendo uma bela arquitetura islâmica, bairros medievais e uma natureza inesperadamente deslumbrante.

Vários locais estão listados na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO. As mais famosas, é claro, foram as antigas esculturas budistas de Bamiyan. Porém o Talibã destruiu a maioria das estátuas. As peças recuperadas do que já foram as maiores estátuas desse tipo no mundo continuam a fornecer uma visão fascinante da história deste lugar. O Parque Nacional Band-e Amir, com seus seis lagos interligados, é talvez a melhor atração natural. A uma altitude de 2.900 metros, as águas azuis desta área natural protegida quase parecem irreais.

Excelentes mesquitas podem ser encontradas por toda parte, com exemplos particularmente grandiosos em Mazar-i-Sharif e em Herat, que se desenvolve rapidamente. O Minarete de Jam, ao norte de Herat, é listado pela UNESCO.

Coma[editar]

Pão (Naan), muitas vezes comido com refeições tradicionais afegãs

A culinária afegã inclui uma mistura de cozinhas da Ásia e do Oriente Médio. Quase todos os pratos não são picantes. Existem três tipos principais de pão afegão:

  1. Naan — literalmente "pão". Fino, comprido e de formato oval, coberto com sementes de gergelim e outras sementes.
  2. Obi Non - pão ao estilo uzbeque. Tem a forma de um disco e é mais grosso do que naan. Geralmente feito com farinha branca.
  3. Lavash - pão muito fino. Semelhante ao lavash em outros lugares. Normalmente usado como revestimento para carnes e guisados.

Os pratos de arroz são o "rei" de todos os alimentos no Afeganistão. Os afegãos certamente gastaram muito tempo e esforço na criação de seus pratos de arroz, pois eles são considerados a melhor parte de qualquer refeição. As famílias mais ricas comem um prato de arroz por dia. A realeza afegã gastou muito tempo na preparação e invenção do arroz, como evidenciado pelo grande número de pratos de arroz em seus livros de receitas. Os casamentos e reuniões familiares devem apresentar vários pratos de arroz. Veja três principais:

  1. Kabuli Pulao (ou Kabuli Palaw, Qabili Palaw ou simplesmente Palau) — um prato de arroz afegão que consiste em arroz cozido no vapor misturado com lentilhas, passas, cenouras e cordeiro. É assado no forno e coberto com rodelas de cenoura frita e passas. Nozes picadas como pistache ou amêndoas também podem ser adicionadas. A carne é coberta pelo arroz ou enterrada no meio do prato. É o prato mais popular do Afeganistão e é considerado o prato nacional.
  2. Chalao — arroz branco. São necessários grãos longos. Primeiro parboilizado, depois escorrido e finalmente assado no forno com um pouco de óleo, manteiga e sal. Este método cria um arroz fofo com cada grão separado, ao contrário do arroz chinês ou japonês.
  3. Palao – cozido da mesma forma que chalao, mas a carne e o caldo, ervas ou uma combinação são misturados antes do processo de cozimento. Isso cria cores, sabores e aromas elaborados. Às vezes, o açúcar caramelizado também é usado para dar ao arroz uma rica cor marrom.

A massa é chamada de "khameerbob" no Afeganistão e geralmente tem a forma de bolinhos. Esses pratos nativos são muito populares. Devido ao processo demorado de criação da massa para os bolinhos, raramente é servida em grandes reuniões, como casamentos, mas para ocasiões mais especiais em casa. Veja três principais:

  1. Mantu — prato de origem uzbeque. Bolinhos recheados com cebola e carne moída. Mantu é cozido no vapor e geralmente coberto com molho à base de tomate e iogurte. A cobertura à base de iogurte é geralmente uma mistura de iogurte, creme de leite e alho. O prato é coberto com hortelã seca.
  2. Ashak — prato de Cabul. Bolinhos cheios de alho-poró. Fervido e depois escorrido. Ashak é coberto com molho de iogurte de alho e uma mistura de carne moída bem temperada.
  3. O kebab afegão é mais frequentemente encontrado em restaurantes e barracas de vendedores ao ar livre. As famílias raramente servem kebab em casa devido à necessidade de equipamentos inacessíveis. A carne mais utilizada é a de cordeiro. As receitas variam em cada restaurante, mas o kebab afegão geralmente é marinado com uma mistura de especiarias e servido com naan, raramente arroz. A qualidade do kebab depende exclusivamente da qualidade da carne. Pedaços de gordura da cauda da ovelha (jijeq) são geralmente adicionados com os espetos de cordeiro para adicionar sabor extra. Outros kebabs populares incluem costeletas de cordeiro, kofta (carne moída) e frango; todos encontrados nos melhores restaurantes.

Beba[editar]

Como o Afeganistão é um país islâmico, o consumo de álcool é ilegal. No entanto, é tolerado em restaurantes ocidentais em Cabul.

Durma[editar]

Hotéis e pensões estão disponíveis em todas as grandes cidades e, embora alguns possam não atender aos padrões internacionais, geralmente são amigáveis ​​e confiáveis.

Trabalhe[editar]

Muitos estrangeiros estão encontrando trabalho bem pago no Afeganistão como parte dos esforços de reconstrução. Frequentemente com a ONU ou outras organizações não governamentais. A maioria desses empregos fica em Cabul. Os salários locais são muito baixos, especialmente fora de Cabul. No entanto, todos devem ler e compreender os conselhos de viagem publicados por seus respectivos governos ou na seção #Fique seguro abaixo. Você precisará de um visto de trabalho se estiver planejando trabalhar em uma base militar dos Estados Unidos.

Fique seguro[editar]

O Afeganistão é um país volátil e perigoso. Viagens não essenciais são fortemente desencorajadas. O banditismo é uma tradição antiga em muitas partes do país, inclusive nas áreas do norte.

Minas terrestres continuam sendo um problema em todo o país, então planeje ficar em caminhos bem usados, evite pedras pintadas de vermelho e branco e não toque ou mova qualquer item de aparência suspeita. Centenas de pessoas são feridas ou mortas todos os anos em acidentes devido a minas terrestres e engenhos explosivos.

Insetos e cobras também são algo com que se deve ter cuidado, e o país montanhoso tem muitas criaturas minúsculas e ferozes, como escorpiões, aranhas, centopéias e abelhas. Em algumas áreas, o mal da altitude é um risco significativo.

A atividade homossexual é punível de forma severa, incluindo a morte, segundo a lei afegã. Não está claro como o regime do Talibã tratará as mulheres, mas seus registros sugerem que as mulheres podem estar sujeitas a assédio ou prisão.

Saúde[editar]

O Afeganistão tem seu quinhão de problemas de saúde e seria sensato consultar um médico antes de sua viagem. Doenças respiratórias, como tuberculose e doenças relacionadas à alimentação, são comuns, e a malária é um risco em muitas partes do país.

As moscas são um problema, provavelmente devido à falta de saneamento. O inverno traz algum alívio, mas elas voltam com força total quando chega a primavera. A comida também deve ser abordada com um olhar criterioso. Alimentos quentes e preparados na hora são geralmente mais seguros.

Traga do seu país qualquer medicamento que precise e não conte com a possibilidade de encontrá-lo localmente. Você também pode levar analgésicos, pois são difíceis de encontrar fora das grandes cidades.

Banheiros de estilo ocidental são vistos só ocasionalmente e em edifícios mais novos.

Respeite[editar]

A histórica mesquita azul no Afeganistão

Com a mudança de regime em 2021, grande parte da população, especialmente as mulheres, tem muito medo do que acontecerá no futuro. Aqueles que trabalharam para o governo, para organizações estrangeiras, para os direitos humanos ou para a mídia, ou ocuparam cargos de destaque podem temer por suas vidas.

As mulheres ocidentais são altamente encorajadas a usar qualquer tipo de lenço na cabeça (especialmente fora de Cabul). Como regra geral, as pessoas ficam mais conservadoras à medida que você avança para o sul. Como em qualquer outro país islâmico, as pessoas valorizam muito a privacidade pessoal. Embora o Afeganistão possa ter oportunidades maravilhosas para fotos, tenha cuidado ao fotografar ou gravar locais públicos, pois você pode ser considerado suspeito.

Seja sensível à situação atual do país. Muitos afegãos sofreram e sofrem muito devido a anos de conflito e guerra. Ofereça simpatia e respeito quando surgir a oportunidade.

Etiqueta religiosa[editar]

Lembre-se de tirar os sapatos ao entrar em um edifício religioso. Vista-se com recato e de maneira adequada; não fazer isso é considerado desrespeitoso. Se possível, tente não agendar reuniões durante o Ramadã. A jornada de trabalho é reduzida e, como os muçulmanos jejuam, eles não poderão oferecer chá, o que é um sinal de hospitalidade. As reuniões também não são agendadas durante as orações. As mesquitas às vezes são proibidas para não-muçulmanos, então é sempre melhor perguntar a alguém antes de entrar.

Coisas para evitar[editar]

  • Não discuta sobre o Talibã — alguns os apóiam e outros não ousam criticá-los. Qualquer discussão desse tipo colocará o local em uma situação muito embaraçosa.
  • Tenha cuidado ao discutir sobre o Paquistão — os dois países têm uma relação muito hostil, enquanto outras pessoas podem ter fortes laços além da fronteira.
  • Tenha cuidado ao discutir os esforços estrangeiros durante o antigo regime — muitos afegãos acham que os militares dos EUA fizeram mais mal do que bem, ou traíram o Afeganistão ao se retirar. Qualquer uma dessas discussões também pode ser interpretada como uma crítica ao regime do Talibã.
  • Muitos afegãos foram separados de suas famílias, perderam parentes em conflitos ou temem correr perigo caso falem sobre eles. Como regra geral, não fale sobre a família de alguém a menos que você conheça bem a pessoa.
  • Este é um país islâmico, o que significa que o Afeganistão tem algumas leis muito severas. Você pode facilmente obter reações ruins falando negativamente sobre religião, especialmente de um ponto de vista agnóstico.

Conectar[editar]

O serviço de telefonia está disponível nas principais cidades. Cartões SIM (ou chips) estão disponíveis e as chamadas internacionais para a Europa/EUA custam normalmente menos de $0,5 por minuto. Fora das grandes cidades, suas opções são limitadas a um telefone via satélite.

Um número do Afeganistão deve ter o formato +93 XX XXX-XXXX, onde "93" é o código do país, os próximos dois dígitos são o código de área e os 7 dígitos restantes são o número do cliente. Você precisa discar "0" antes do código de área geográfica (de 20, 30, 40, 50 ou 60 para linhas fixas) se estiver fora desse código específico.

Celulares[editar]

Os números de celular no Afeganistão sempre devem ser discados com todos os dígitos, não importa de onde eles estão.

  • Roshan +93 79 997 1333. O serviço mais confiável com a mais ampla cobertura. SMS é possível para a maioria dos países. Os cartões SIM custam $5, as chamadas locais são Af 5/minuto
  • Afegã Wireless é uma propriedade privada com 20% de propriedade do governo. Ela oferece serviços móveis e de dados de alta velocidade em todas as províncias. AWCC também oferece conexões baseadas em fibra de mais alta velocidade, com roaming para mais de 300 outras operadoras em 120 países. Os serviços incluem voz, FAX, GPRS e serviços de dados EDGE. Os cartões SIM custam $1, as chamadas locais são Af 4,99/minuto com faturamento em segundos.
  • Areeba/MTN +93 77 222 2777. O serviço de celular mais barato oferece a menor cobertura. Os cartões SIM custam $3, as chamadas locais são Af 5,5/minuto.
  • Etisalat +93 78 688 8888. Um grande provedor de rede dos Emirados Árabes Unidos, é a mais recente rede GSM no Afeganistão. Ela se tornou a primeira empresa a iniciar os serviços 3G no início de 2012.


Este artigo é um guia. Ele tem informações repletas sobre o assunto abordado, mas especificações podem faltar.

Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!